Administração – 29.07.2014

Lei cria bairro no
centro de Livramento

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A Câmara de Vereadores de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, aprovou e o prefeito Paulo Azevedo sancionou a lei nº 1.279/2014, que cria um bairro bem no centro da cidade, ao qual deu o nome do saudoso ex-prefeito José Maria Tanajura, um dos baluartes da moralidade e do trabalho em nosso município.

O bairro criado abrange logradouros já devidamente identificados, nominados e conhecidos, situação somente imaginável na fictícia Sucupira, do teatrólogo Dias Gomes. Com a expansão urbana, muitos bairros acabam ficando no centro das cidades com os nomes originais, mas é a primeira vez que se vê parte do centro de uma cidade ser transformada em bairro.

O art. 1o da lei (Fica criado o bairro José Maria Tanajura) agride a lógica, pois criar deve se referir a algo que ainda não existia, como está no dicionário: tirar do nada, dar existência. Deveria ser, então, uma renomeação de logradouros, ainda que tão ou mais inconveniente, esdrúxulo e desnecessário.

O “novo” bairro compreende as seguintes áreas centrais da cidade: Praça 6 de Outubro, trechos das avenidas Presidente Vargas e Dr. Nelson Leal, ruas Governador Juracy Magalhães, Lafaiete Coutinho, Deputado Joel Muniz, Anderson B. Falcão, Marco Aurélio de Castro, Durval Guimarães, Manoel Matias, Alfredo Machado, José Meira Tanajura, Artur Moura e Silva e João Hipólito Rodrigues, além  de trechos das ruas José Maria Tanajura, Ursino Tanajura Meira e a Praça Zezinho Tanajura.

Clique e veja a integra da inusitada lei>>

 

 

Qualifica Bahia – 29.07.2014

Programa prepara jovens
e adultos para o trabalho

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Sessenta pessoas, entre 18 e 55 anos, de Livramento de Nossa Senhora, participaram do Qualifica Bahia, programa do governo estadual, pela Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, que inclui cursos de cabelereiro, eletricista predial e técnica de vendas com inglês.

O treinamento durou três meses e a entrega dos certificados ocorreu no último dia 25, feita pelo Centro de Formação e Organização Comunitária – CEFORC, executor do projeto no município.

Foram beneficiados jovens oriundos de escolas públicas, que não trabalhavam ou atuavam sem qualificação específica, e adultos que estavam fora do mercado e agora vão retornar devidamente habilitados.

Segundo os coordenadores, foram priorizadas pessoas consideradas mais vulneráveis econômica e socialmente, por razões de raça, sexo, idade, deficiência e baixa escolaridade.

O CEFORC informa que vai intermediar a colocação dessa mão-de-obra em vagas de emprego, em parceria com o SINE Bahia e o CDL local. Acrescenta que o Estado investiu cerca de R$28.000,00 em cada curso.

 

 

Artigo – 28.07.2014                                                

Rubem Alves –
Fez da vida uma poesia
(*)

Nova Esperança (MG) – 15.09.1933
Campinas (SP) - 19.07.2014

 

Márcia Oliveira
Professora

Morreu Rubem Alves! Antes, porém, viu coisas que ninguém mais conseguiu ver. Ele lançou um olhar sobre os sonhos e fez a vida pulsar através da poesia. Seus olhos iluminaram o abismo escuro das cenas tristes, sua imaginação criou asas e as pintou com palavras mágicas, trazendo de volta a alegria que é viver. Foi um grande contador de estórias pra gente grande. Com os pequenos, conversou com o olhar no arco-íris e

disse verdades em forma de poesia. Viu beleza em tudo, não só no que é realmente belo... e o velho acordou menino e escreveu contos sobre o tempo que foge e os sonhos que voltam. Mostrou de dia o “amor que acende a lua”, vida acontecendo sem passado, sem presente, nem futuro. Eternizou os momentos bonitos para que fossem doces recordações, em “um mundo num grão de areia”. Continuou com o propósito maior: Educar o ser humano para que possa desenvolver-se em sua plenitude, de maneira transparente, com prazer em aprender. Ensiná-lo a ver o mundo como nunca visto antes - através do encanto das descobertas sem respostas prontas, mas com perguntas inteligentes, causadoras de espantos, curiosidades, para fazê-lo navegar pelo mar do desconhecido e encontrar um oceano de conhecimentos.

Faz silêncio em nossas vidas nesse momento. E Deus sopra em nossos ouvidos os ensinamentos do grande escritor que coloriu a vida de forma encantadora, vendo beleza até mesmo onde ela não existia.

Escreveu em seu livro “Se eu pudesse viver minha vida novamente,” que cometeria os mesmos erros, correria mais riscos, contemplaria mais entardeceres.

Escreveria mais, muito mais do que escreveu, para, de repente, num dado momento, tranquilizar a saudade, que é nossa alma dizendo para onde ela quer voltar. Sei que se ele pudesse viver sua vida novamente, diria que a poesia tem uma missão inquestionável, que é recuperar os pedaços perdidos de nós, na imensidão do universo. Ele nos diria feliz que “aquilo que o coração ama, fica eterno”. Continuaria a se encantar com a vida, mesmo que fosse inverno esperando verão. E a primavera em flor a resplandecer no entardecer outonal, serenando as inquietações que alojam dentro de nós; ensinando-nos que “a alma não se alimenta de verdades - ela se alimenta de fantasias”. Aproveitaria o instante, valorizaria cada minuto de beleza, verdade e leveza, usando “o infinito na palma da sua mão” com “palavras para desatar nós”, que nos prendem à ignorância. Traria de novo para perto da natureza os pássaros outrora engaiolados - eles voariam livres e sorririam para o vento, porque “amar é ter um pássaro pousado no dedo e quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que a qualquer momento ele pode voar”. Faz solidão em nossas vidas neste momento. Se ele pudesse viver sua vida novamente teria, de novo, um caso de amor com ela. Ósculos e amplexos não faltariam, tudo numa perfeita sintonia. E Deus a sorrir para ele e sua vida em flor, que, de mãos dadas, correriam pelas colinas e sonhariam com os campos de Minas, florindo mais uma vez em seu coração, “porque quem é rico em sonhos não envelhece nunca. Pode até ser que morra de repente, mas morrerá em pleno voo”, e ele voou. Faz frio em nossas vidas agora, morreu Rubem Alves!

(*)Rubem Alves foi psicanalista, teólogo, educador e, como escritor, fez da poesia um recanto sagrado. Foi um grande pensador.
 

 

Comentário – 27.07.2014

Coisas da política ou do poder!

 

Lia Leal, Evita Peron e Suzete Spínola

Raimundo Marinho
Jornalista

Poderiam ser coisas de muitas coisas, mas fiquemos só no enunciado do título. Quando perguntei à ex-primeira dama de Livramento, Suzete Spínola, por que não encarava para valer sua candidatura a deputada federal, respondeu-me, simplesmente: “o povo me acha ruim”.

Tentei animá-la: “pelo menos a gente teria em quem votar, na região”, não funcionou. Sabemos que ela repudiava o capricho dos oportunistas. Foi solidária com o marido, mas não concordava com tudo na administração. Deve ter dito muitos  nãos ríspidos, o que não agrada a aproveitadores.

Pensemos no lado humano de “o povo me acha ruim”.  Fomos o único site a procurar o então prefeito Carlos Batista, após a derrota em 2012 e perguntamos-lhe se “valeu a pena”. Também deixou transparecer desabafo e desapontamento, principalmente com quem não “vestiu a camisa”. Disse:

“Como experiência de vida, valeu. Mas é uma ilusão. A gente entra com o intuito de dar de si o melhor, como eu e minha esposa Suzete. Sacrificamos uma parcela significativa da vida da gente, procurando fazer o melhor para Livramento. (...). Veja integra em:

http://www.mandacarudaserra.com.br/arquivo/2012/novembro.html(07.11.2012).

O governo de Carlos Batista, que o digam os puxa-sacos, não disfarçou sua hostilidade à minha pessoa, por não suportar nem respeitar o posicionamento crítico deste site.

D. Suzete foi a exceção, sempre me distinguiu com sua amizade, daí meu respeito e admiração por ela, a quem sugiro que não se abata ante o pensar do povo, sedento por facilidades. Pois esse mesmo povo já sente saudades.

Afinal, o humano sempre resplandece, no bom ou no ruim, e nem toda primeira dama nasce para Evita Peron! Nossa “Evita”, até agora, é Lia Leal!

 

 

Educação – 25.07.2014

APLB convoca paralisação
nas escolas municipais

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Os professores e demais servidores da educação de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, estão sendo convocados pela diretoria da unidade regional da APLB-Sindicato, com sede em Livramento, para uma paralisação geral das atividades, na próxima terça-feira, dia 29, com uma reunião da categoria, a partir das 9h30, na Associação dos Amigos de Livramento.

Serão discutidos indicativo de greve e os rumos da campanha salarial de 2014, que inclui a definição do reajuste a ser reivindicado e está prevista a vinda da diretora de Organização da APLB-Salvador, Ivone Lara. O diretor em exercício da entidade, Marilúcio Santos Marques, disse que espera “a presença de todo funcionalismo da educação de Livramento”.

Os servidores municipais da educação tinham sindicato próprio, o SPEL (Sindicato dos Profissionais de Educação de Livramento), que desacelerou a atuação, com a ida de seus mentores para cargos na Secretaria Municipal da Educação, causando migração de filiados para APLB-Sindicato, de abrangência estadual e visto como mais forte e melhor estruturado.

Clique aqui veja edital de convocação>>

 

Artigo - 24.07.2014

Caetana leva Suassuna e
o espetáculo de suas aulas!

 

Chora João Grilo, chora Chicó, seus personagens mais emblemáticos, choramos todos nós, seus cativos admiradores! Silêncio no encanto e na poesia das aulas espetáculo! Morreu o grande vate nordestino Ariano Suassuna, último dia 23, em Recife. Sobre ele, muito se escreveu, muito se festejou. Mas O Mandacaru traz um artigo diferente sobre sua vida, sua arte, escrito pela Professora Márcia Oliveira, que o destaca como “um grande lutador pelo resgate e valorização de nossa cultura, capaz de ser universal a partir do seu gigantesco espaço regional, grande mestre das letras, que via encanto e beleza na educação!”.

Mas, registra a professora, com certa tristeza: “Infelizmente, Ariano, há muitos ‘professores’ que chamam de palhaço o colega que faz das aulas um espetáculo, que as transforma em canto e poesia. Eu que o diga!”. E lembra o imortal Charles Chaplin: “Se tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades, teria ouvido verdades que teimo em dizer brincando, falei muitas vezes como um palhaço, mas jamais duvidei da sinceridade da plateia que sorria”, ou seja, muitos alunos. (Clique aqui e leia o belo artigo, na íntegra).

 

 

Justiça – 24.07.2014

TJ-BA aprova agregação
de comarcas e Justiça terá
turno único das 8 às 15h

Clique aqui para ler matéria>>

 

Comentário – 23.07.2014

O perigo ronda nossa paradisíaca vocação!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A gente de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, está desperdiçando sua paradisíaca vocação! Sendo mais preciso, mata o elã divinal com o qual todo livramentense nasce. A cidade está desfigurada, a roça empoeirada, a praça vilipendiada pelo moderno, até o sino da igreja ficou eletrônico.

Sem cachoeira para olhar, matas serranas devastadas, o sol parece cada vez mais fugir de nós, apesar de mais quente. Nossa magnifica paisagem está indo embora, levando acalantados sonhos de felicidade. Estamos morrendo, aos poucos, sem graça, em meio à paisagem envenenada.

Talvez não seja assim tão catastrófico, mas é o que acordei sentindo, hoje, após sonhar num paraíso em desencanto. Temo perder tão linda vocação para a felicidade e submergirmos nas penas do avestruz deprimido. Nossos jovens estão sufocados no quadrado de escolas ultrapassadas.

De tão burros, ou parecendo ser, elegemos políticos ineptos, mas espertos. Não aprendemos nada de sustentabilidade, nem de moralidade. Não nos incomoda, nem um pouco, cidade sem esgoto e sem água, cachoeira seca, gado esquálido, homens também. E que dizer dos passarinhos sem água?

As eleições estão chegando e nenhum item a nosso favor nos panfletos de campanha. Estamos indo eleger, democraticamente, como bem disse o saudoso João Ubaldo, nossos ladrões de sempre. Dá para esquecer tudo e olhar para como a cosa nostra se requalifica, em grupo e em família?

A indicação de Dunga pode enterrar de vez o sonho do hexa, de nossa geração, que tanto nos aliviaria. Pelo visto, porém, nunca virá. Deixe-me, então, só mandar um beijinho a todos, preferencialmente aos eleitores!

 

 

Eleição – 23.07.2014

Ex-primeira dama é
candidata à Câmara

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A ex-primeira dama do Município de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, Suzete Cristina Spínola Souto (foto), esposa do ex-prefeito Carlos Roberto Souto Batista, registrou sua candidatura a deputada federal, no Tribunal Superior Eleitoral, pelo Partido da República, da coligação Mais Mudanças, Novas Conquistas, formada pelas legendas PP/PDT/PT/PTB/PR/PSD/PC do B, encabeçada pelo candidato a governador Rui Costa (PT), apoiado pelo governador Jaques Wagner.

Ela disse que se candidatou para ajudar o partido, principalmente no que se refere ao preenchimento da cota de candidaturas femininas de 30%, em relação aos candidatos masculinos, segundo determina o art. 10, §3º, da Lei 9.504/97.  Suzete foi, inicialmente, secretária de Assistência Social e, depois, secretaria de Governo, na administração do seu marido (2005/2008-2009/2012).

Ainda que não seja para valer, mas só para cumpri o protocolo legal, a candidatura da ex-primeira dama satisfaz o objetivo da Lei Eleitoral, de estimular a participação feminina nas eleições. Quem sabe sua disposição chame a atenção das sertanejas para essa necessidade. A maioria das coligações teve dificuldades para preencher a cota, ante o desinteresse das mulheres.

 

 

Literatura – 21.07.2014

Viva João Ubaldo brasileiro!

Ilha de Itaparica (BA) – 21.01.1941
Rio de Janeiro (RJ) – 18.07.2014

 

Márcia Oliveira
Professora

O último final de semana foi marcado por duas grandes perdas no cenário da literatura brasileira, com o falecimento do baiano João Ubaldo Ribeiro e do mineiro Rubem Alves.
João Ubaldo Ribeiro, baiano nascido na Ilha de Itaparica, foi, sem dúvida, um escritor especial. Dono de uma linguagem, ora marcada pela ironia, ora pelo humor, fez registros das histórias vividas e contadas pelos personagens que existem dentro e fora das palavras, carregando em si um país cheio de invencionices, para mascarar a realidade de seu povo que ri, chora, mas que não perde sua fé.

A grande prova disso tudo está no livro que condensa aproximadamente quatro séculos de “história” do Brasil em mais de setecentas páginas instigantes e importantes para a literatura brasileira: Viva o povo brasileiro. Nela, realidade e ficção se misturam para criar um épico brasileiro com passagens heroicas e cômicas, tendo como pano de fundo momentos decisivos na vida do país, como a Revolta de Canudos e a Guerra do Paraguai. É o registro da saga de um povo em busca da sua identidade, personagens que lutaram e construíram o Brasil.
Conclui nos mostrando, na frase da ilustração abaixo, que:

Seu pai, Manuel Ribeiro, advogado de renome na capital baiana, político e professor, abominava a ideia de ter um filho analfabeto. Contratou um professor particular para alfabetizá-lo. João ingressou no Instituto Ipiranga e começou lendo literatura infantil, principalmente a de Monteiro Lobato. Depois, ainda influenciado pelo pai, leu obras de escritores consagrados, como Padre Antônio Vieira, Homero, Shakespeare, Miguel de Cervantes, Machado de Assis, José de Alencar e Padre Manuel Bernardes.

Estreou no jornalismo como repórter do Jornal da Bahia, depois foi editor-chefe da Tribuna da Bahia. Daí em diante, expandiu seu talento para outros jornais, aqui e no exterior, incluindo Alemanha, Portugal e Estados Unidos, países nos quais morou por algum tempo.

Casou-se, pela primeira vez, em 1960, com sua colega do curso de Direito Maria Beatriz Caldas, separando-se nove anos depois. Em seguida, casa-se com a historiadora Mônica Maria Roters, com quem teve as filhas Emília e Manuela. Ultimamente, era casado com a psicanalista Berenice Batella, mãe dos seus filhos Bento e Francisca.

Seu primeiro romance foi Setembro não faz sentido (1963), obra em que faz críticas aos mais diversos setores da sociedade, apontando a semana da pátria como algo sem sentido, vazio de alternativas e, às vezes de respeito cívico. Para ele, não passa de um desfile de tambores barulhentos numa mera comemoração ao 7 de setembro, que nada contribui para o entendimento da autenticidade histórica do processo de independência do Brasil.

“Sou pessimista em relação à humanidade. Acho que nós não melhoramos nada. Até hoje continuamos fazendo as mesmas coisas que fazíamos há dois mil anos. Esfolando gente, cortando cabeça. Isso acontece todo dia.(...) Então o ser humano é um bicho muito atrasado e muito primitivo. Eu não tenho muita fé no ser humano. Não sei se há uma saída.”

João Ubaldo foi escritor, roteirista, professor, jornalista e formado em Direito. Tornou-se membro da Academia Brasileira de Letras (1993) e ganhador de muitos prêmios, como do Prêmio Jabuti e do Prêmio Camões (2008), maior premiação para autores de língua portuguesa.

“Para ser sincero, não acho nada demais. Acho que ganhei porque mereço.”
Escreveu muito. Outros romances de renome são O sorriso do lagarto (adaptado para televisão), Sargento Getúlio (adaptado para o cinema), A Casa dos Budas Ditosos, crônicas, contos e ensaios, dissertações e teses.

“Um romance são tantos romances quanto forem seus leitores”.
“Não estou preocupado em conhecer os novos autores, esses que vão surgindo agora. Já li muito no passado, está bom.”

Com sua voz grave, pensamento reticente, algumas vezes enigmático, sempre com um sorriso largo e cigarro entre os dedos, esse baiano, apesar do prestígio que conquistou no meio literário, não abandonou o modo simples de levar a vida. Levantava cedo, ia à padaria e comprava o jornal numa banca que fica na mesma quadra. Era comum vê-lo numa mesa de botequim com amigos, trajando bermuda e chinelos, bebericando um guaraná Antarctica diet. Isso, depois que abandonou a bebida alcoólica, devido a pancreatite, mas nunca conseguiu se livrar do vício de fumar. Outra mania era de ler dicionários:

“Desde pequeno adoro ler dicionários. Eu não existo sem o Houaiss, o Aurélio e o Sacconi. Todos instalados no computador”.

João Ubaldo morava no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, mas não abandonava a sua casa real, a Ilha de Itaparica. Cenário das suas inspirações maiores, das crendices, ambiente daquela gente simples que o elegeu como seu verdadeiro porta-voz através das letras. Itaparica dos seus sonhos de menino, do mar que carrega nos barcos os amigos pescadores, dos causos contados na areia da praia, transformados em registros, que o fizeram conhecido mundo afora.

Certo dia perguntaram ao ilustre escritor: Ubaldo, é ruim envelhecer? Respondeu enfático: “Não, afinal de contas quem não morre fica velho. Depois de certa idade, esse negócio de mortalidade fica complicado. Antes dos quarenta, a morte é uma coisa que só acontece com os outros. Depois você começa a ver mortes de contemporâneos. Quando chega aos setenta, você nem brinca muito com esse assunto que dá depressão”.

Deixou inacabado o último romance. Não teve tempo de envelhecer nem de se deprimir. Faleceu na última sexta-feira, vítima de uma embolia pulmonar, aos setenta e três anos. Fechou os olhos o baiano do povo, mas ficou a janela aberta do seu riso constante em nossa memória de leitor.

“Se alguém dissesse que eu não poderia escrever mais, seria insuportável.”
(Imagens copiadas da internet)

 

 

Artigo – 21.07.2014

Geração WhatsApp

 

Zeferino Neto, psicólogo (*)
zifaneto@gmail.com

Lá estava eu, em mais uma tão sonhada e desejada sexta-feira à noite, sentado em um bar com alguns amigos, bebendo e comendo. No entanto, me sentindo da mesma forma que meus pacientes com depressão se sentem: completamente sozinhos, mesmo estando cercados por toda a família e amigos.

Essa é a sensação que tinge as pessoas que não se renderam ainda à febre do WhatsApp (aplicação multi-plataforma de mensagens instantâneas para celular). O diálogo está ficando cada vez mais difícil e raro, entre as pessoas que utilizam, de maneira quase patológica, esse aplicativo. (Clique aqui para continuar lendo esse interessante artigo, no espaço “E-mails recebidos”).

 

Administração – 20.07.2014

Arrecadação sobe, mas
serviço público é ruim

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O Brasil nunca arrecadou tanto dos contribuintes como nos últimos anos. A Prefeitura de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, é um exemplo. Do orçamento anual inferior a R$20 milhões, em 2005, subiu para mais de R$50 milhões, em 2014. Cresceu em torno de 150%, bem acima dos medidores de inflação, cuja média, no período, foi inferior a 60%.

Mas a prestação de serviços públicos, como na educação e saúde, nunca esteve tão ruim. Em Livramento, convivemos de perto com essa precariedade. A própria organização da máquina pública é vexatória. Há alguns dias, veio às minhas mãos uma prova dessa realidade, que não pode ser generalizada, mas é indício de má administrado.

As imagens deste texto são cópias de requisições de procedimentos odontológicos feitos pelo posto de atendimento da Matinha ao Centro de Especialidades Odontológicas (CEO). No lugar de formulários adequados, foram usados pedaços de papel, que não passam a ideia de economia de gastos, mas de amadorismo, baixa qualidade e descaso.

 

Justiça – 20.07.2014

Em decisão liminar, juíza
manda sites retirar matérias

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O Diário da Justiça da Bahia (14.07.2014) publicou decisão liminar da Juíza Márcia da Silva Abreu, de 27.09.2013, ordenando a retirada de matérias dos sites Mural de Notícias e Mandacaru da Serra, com referências à ex-controladora geral da Prefeitura de Livramento de Nossa Senhora, Edjaneyde Matos Lopes.

Edjaneyde Lopes: ex-controladora da prefeitura

A ex-servidora municipal solicitou da Justiça a retirada dos textos e censura prévia dos sites, alegando ser inverídica a informação de que era sócia da CPM-Consultoria Ltda., com a qual a prefeitura fez 11 contratos, sem licitação, na gestão em que a então controladora fazia parte.

O site apenas comentou o parecer prévio do Tribunal de Contas dos Municípios (Proc. N. 07579-12), que questionou sobre a moralidade e razoabilidade daquelas contratações. A empresa era representada por Geraldo Vianna Machado, também contratado como perito contábil da prefeitura.
Os dois são da cidade de Jequié e, à época, fomos informados, por fonte confiável, que a então controladora era sócia da empresa, mas ela convenceu a Justiça de que não era, motivando a decisão liminar da Juíza. A ação foi contestada e aguarda-se a decisão de mérito.
Na contestação, entre outras alegações, salientamos que a matéria sobre o parecer prévio do TCM, de mais de 40 linhas, apenas citou a controladora em única linha, e que, em tese, não é crime ser sócio de qualquer pessoa, principalmente se trabalham na mesma prefeitura.

 

 

Artigo – 15.07.2014

Falta muito para sermos
campeões pela sexta vez!

 

Crédito: imagens reproduzidas da internet

Raimundo Marinho
Jornalista

Na contramão, talvez, da maioria dos brasileiros, torci pela Seleção da Argentina, na final da Copa. Pesaram na minha decisão intuitiva o sangue latino e a aversão natural aos algozes impiedosos dos nossos canarinhos.

O torneio teve legados nunca imaginados, alguns até bizarros, mas de grande significado, como a cara de tacho dos comentaristas da TV Globo, ante o obvio de que ninguém pode dobrar as pernas de pau dos jogadores.

No contexto, claro, o “deus Neymar”, reduzido à insignificância de reles “anjo caído”.  Sob o peso do massacre histórico de 10 gols em duas partidas, terão de admitir que, há muito, deixamos de ser o país do futebol.

Dos 23 convocados, só quatro jogam no Brasil e, junto aos outros 19, foram eleitos estrelas de primeira grandeza do “futebol brasileiro”, com as quais o arrogante Scolari só conseguiu formar um time de quinta categoria.

Não tinha opção, mas desprezou a experiência de veteranos ainda jogando bom futebol, como Kaká e Ronaldinho Gaúcho. Quem teve olhos viu a perspectiva de fracasso no início, com o rombo no meio de campo.

Estava clara até na logomarca da Copa, do designer francês Maurice Eiffel, intitulada “inspiração”, que sugere uma pessoa preocupada e pensativa, logo associada à postura típica do médium Chico Xavier psicografando.

Parece, também, um homem de cabelo partido, cobrindo o rosto com vergonha, longe, portanto, da ideia de mãos interconectadas, simbolizando unidade, erguendo o famoso troféu, como imaginara o autor.

Antes de morrer, em 2002, Chico teria tranquilizado os que o cercavam: “no dia da minha morte, o Brasil estará em festa”. Morreu quando os brasileiros comemoravam a conquista do pentacampeonato mundial.

Em 2014, há quem jure ter o médium inspirado o desenhista na logomarca, para que, além de sugerir a lembrança do seu famoso gesto, fosse também um alerta, dizendo, com a mão cobrindo o rosto: “não quero nem ver”.

Ou seja, o artista gaulês, sem querer ou inspirado pelo além, desenhou, com bastante antecedência, a tragédia brasileira nessa Copa. E não nos esqueçamos, tão cedo não voltaremos a ser campeões mundiais de futebol!

 

 

Educação – 12.07.2014

Escolas não viram
as paredes caírem!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

No curso do Premem–Programa Estadual de Melhoria do Ensino Médio (1971), do qual poucos se lembram, trabalhamos, na disciplina Português, um texto intitulado “Aula sem paredes”, cuja autoria não me lembro.

O programa preparou professores para as “escolas polivalentes”, através da Universidade Federal da Bahia, no convênio MEC/USAID (Ministério da Educação/United States Agency for International Development).

Tudo de primeira, incluindo o modelo das escolas, das quais há uma em Livramento, hoje sem nada do que era antes. Desisti de ensinar, mas ficaram a recordação  e o belo diploma de professor que recebi, aos 22 anos.

“Aula sem paredes” projetava o ensino do futuro, somente agora possível, com a internet, não totalmente absorvido pela escola pública. O autor antecipou o mundo virtual de hoje, onde o “Prof. Google” nos supre das mais variadas formas de informação e conhecimento.

Em 1971, parecia-nos que o texto falava de aulas ao ar livre, trabalho de campo, com professor presente. E não duvido que o ator quisesse mesmo dizer isso, na típica situação de atirar no que ver e matar o que não ver, pois era impossível se prever o intrigante  mundo virtual de hoje.

A escola pública ainda aplica grade curricular da época da ditadura, com resquícios coloniais e passou a ver os alunos como desinteressados e os pais omissos. Como se interessar por uma escola cheia de paredes, fechadas para a realidade, totalmente desconectada do que acontece lá fora?

Torturam os alunos, mas há docentes que batem no peito: “não quero nem saber dessas modernidades”. Preferem o encardido “livro do professor”. Não é sem razão que perdem 20% das aulas tentando controlar indisciplina, a média mundial é 13%. E perdem mais 13% em tarefas administrativas.

São dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, entidade internacional que reúne 34 países, que também aponta que quase 90% dos professores brasileiros acham que a profissão não é valorizada na sociedade. A média internacional é inferior a 70%.

Os próprios professores costumam se desqualificarem, fazendo piadas de si mesmos, ao invés de lutar politicamente para mudar o quadro. E um passo importante seria exigir a inclusão das escolas na vastidão de conhecimentos disponibilizados pela internet, através das tecnologias da informação.

O professor era o próprio conteúdo, hoje o conteúdo fugiu do seu domínio. É necessário novas formas de ministrar o conhecimento, de gerir a classe, de administrar a escola. A internet forçou a ruptura das paredes, ao disponibilizar conteúdos em telas de computadores e smartfones.

Informação e conhecimento estão na ponta dos dedos. Alunos podem ser imaturos, sem formação e mal educados, mas não são burros. Bagunça e indisciplina estão vencendo o professor imperial. A eficiência e funcionalidade do ensino virtual tornaram as salas dispensáveis.

O aluno, agora, maneja quase tudo na palma das mãos, conflitando com o professor jurássico e arrogante dos tempos das cátedras, quiçá da palmatória, lousa e quadro-negro. Estamos na era do led e touch screen e  as escolas jazem nos tempos do giz e pincel atômico.

Secretarias de educação existem por si mesmas, meros cabides de empregos políticos.  Recrutamento de servidores é regido por leis casuísticas, como as do Reda e PST. Os projetos educacionais não têm efetividade, só servem para engordar currículos da tecnoburocracia.

Quem poderia identificar e denunciar as distorções seriam professores e dirigentes escolares, mas não o fazem para não se auto-incriminarem e por lhes faltar capacidade.

O desinteresse estudantil e a indiferença dos educadores vão aumentar, a bagunça e indisciplina crescerão, com o risco, inclusive, de descambar para a bandidagem, por faltar também orientação nos ambientes familiares.

Escolas correm risco de se consolidarem como redutos de rebeldia e agressividade, ameaçando alunos, docentes e funcionários, pois o ambiente tende cada vez mais a se esgarçar, ante o olhar distante dos governantes.

Imagens reproduzidas da internet

 

Azevedo x Azevedo – 11.07.2014

Vice processa prefeito
por crime de difamação

 

Prefeito Paulo Azevedo (E) e o vice Gerardo Júnior

Raimundo Marinho
Jornalista

O vice-prefeito de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, Gerardo Azevedo Junior, protocolou hoje, na Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia, ação penal contra o prefeito Paulo Cesar Cardoso Azevedo, por crime de difamação, conforme processo número 0010902-12.2014.8.05.0000, em petição assinada pelos advogados Jerônimo Luiz Plácido de Mesquita e Eduardo Mamede Couto Gonzalez.

Segundo Gerardo Júnior, o prefeito, com o qual compôs a chapa vencedora nas eleições de 2012, o ofendeu durante uma entrevista concedida à Rádio 88FM, de Livramento, quando o teria comparado aos condenados pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, mais conhecida como “processo do mensalão”.

O prefeito foi à rádio responder críticas feitas pelo vice-prefeito, em dezembro de 2013, segundo as quais a administração municipal estava sem rumo. Respondendo pergunta do radialista Alberto Lopes, o vice-prefeito disse, à época, que “o prefeito traiu compromissos de campanha, sua gestão é sem transparência e revela instabilidade, com mudanças constantes no secretariado.”

O prefeito respondeu com outra entrevista, na mesma emissora, tendo insinuado que o vice-prefeito não gostava dele, da mesma forma que José Dirceu, Delúbio Soares e outros condenados do mensalão não gostavam do ministro Joaquim Barbosa. Teria dito também que Júnior fora demitido da Secretaria da Saúde, em 2005, pelo então prefeito Carlos Batista, porque teria “cometido coisas absurdas”.

O relator do processo no TJ é o desembargador Pedro Augusto Costa Guerra, que hoje mesmo ordenou a expedição de carta de ordem, notificando o prefeito Paulo Azevedo para oferecer resposta, no prazo de 15 dias. O crime de difamação é previsto no art. 139 do Código Penal (Decreto Lei nº 2.848/1940), que diz: Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

 

Orgulho goleado – 09.07.2014

Horror verde-amarelo,
Barbosa foi redimido!

 

Foto da Internet/Página UOL

Raimundo Marinho
Jornalista

O Brasil veio abaixo, o mundo chocou-se e Barbosa teve a alma lavada, pois nada se igualará, tão cedo, ao horror de Belo Horizonte, quando 11 rapazes transmutaram-se em baratas tontas no gramado do Mineirão, sob o olhar atônito até dos adversários, sepultando o sonho do hexa.

Surpreendentemente, mataram a expectativa de milhões de brasileiros, que se postaram no estádio e diante da TV para vê-los jogar futebol, na esperança natural de ver a Canarinho em mais uma final de Copa do Mundo.

Was ist passiert? e Woher? Perguntas, em alemão, de preferência, que não se calam: O que aconteceu? e Por que”.  Levarão anos para compreendermos. Minha impressão é que existe uma máfia no futebol brasileiro, que se aproveita de nossa emoção e habilidade dos atletas para ganhar dinheiro.

Começa na escolha do técnico e inclui convocação e escalação do time, com explicações cínicas como se fôssemos débeis mentais. Atletas viraram outdoors ambulantes e são escolhidos pelo script publicitário. Até o desajeitado técnico aparece em dezenas de propagandas.

Tem participação da grande mídia. Quem duvidar, tente explicar a overdose de divulgação sobre um único jogador, Neymar Jr, elevado à categoria de craque e de astro, quando não passa de atleta mediano. Foi flagrado exibindo cueca de patrocinador, usado sob o calção da seleção.

Reprodução jornal A TARDE

Meu palpite é que jogadores como Ronaldinho Gaúcho, que comandou a vitória do Atlético Mineiro na Libertadores de 2013, foi vetado para não fazer sombra a Neymar. A seleção jogou todos os jogos com um a menos, apenas para manter Fred na vitrine, apesar de vaiado e motivo de piadas.

Ante o horror de BH, o goleiro Barbosa, transformado em vilão da derrota de 1950, foi redimido, segundo a filha adotiva Tereza Borba: “Ele tinha orgulho de ser vice. Estou triste por ser brasileira, mas feliz por honra ao Barbosa. Ele deve estar feliz agora", em entrevista ao UOL Esporte.

Veja, também, no link abaixo, texto do ex-jogador e atual deputado federal Romário, do qual destaco o seguinte trecho:

“Nosso futebol vem se deteriorando há anos, sendo sugado por cartolas que não têm talento para fazer sequer uma embaixadinha. Ficam dos seus camarotes de luxo nos estádios brindando os milhões que entram em suas contas. Um bando de ladrões, corruptos e quadrilheiros!”

(http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/07/09/romario-desabafa-e-diz-que-marin-e-del-nero-deveriam-estar-presos.htm)

 

 

Artigo – 08.07.2014

Cazuza, poeta da canção, para
quem A vida não pode parar

RJ – 04.04.1958
RJ – 07.07.1990

“Qualquer droga faz mal. Eu acho que a maconha faz mal, a cocaína faz mal, álcool faz mal, mas eu... não posso causar mal algum a não ser a mim mesmo”.



Márcia Oliveira
Professora

Há 24 anos, falecia Agenor Miranda de Araújo Neto, sem dúvida um dos grandes poetas e compositores brasileiros do século XX. Mais conhecido como Cazuza, antes mesmo de nascer, chegou a ignorar o próprio nome de batismo, só passando a gostar dele quando soube que um dos seus ídolos, Cartola, também se chamava Agenor.
Crianças costumam ter nomes genéricos, variando por regiões. No Sul do Brasil, por exemplo, guri significa menino, garoto, moleque. Em estados do Nordeste, como Pernambuco, origem do pai do cantor, chama-se menino de cazuza e assim ele foi apelidado, antes de nascer. No dicionário, cazuza é uma espécie de vespa cuja picada é temida.

“Pro dia nascer feliz”, esse “maior abandonado” escancarava a janela da realidade e não escondia sua rebeldia, seu lado boêmio, mostrando-se polêmico, cínico, menino e, muitas vezes, exagerado, ou, quem sabe, um vespídeo.

Não bata de frente comigo. De tanto cair eu aprendi a derrubar”.
Segundo Lucinha Araújo, mãe do cantor, desde pequeno era ligado à leitura, à música, muito quieto e parecia “alheio ao mundo lá fora”.  Isso até os 14 anos e ela mesma o incentivava a sair, fazer amizades. Depois, ele se transformou, descobrindo um mundo que não cabia dentro dele. Envolveu-se com as drogas e, aos 17 anos, confirmou o que ela indagou: “sou gay”.

Apesar da pouca idade, enfrentou a família, o falso moralismo de uma sociedade hipócrita e assumiu sua homossexualidade, sem medo de ser feliz. Poucos têm essa coragem e até, covardemente, casam-se, têm filhos e cavam a própria sepultura dentro do lar. Levam uma vida sofridamente dissimulada, causando infelicidade à esposa, aos filhos e a si mesmos.

Nada pode ser pior do que suprimir um desejo íntimo, vital, devido à cobrança da consciência por não assumirem o que realmente são.  Esse problema o bardo Cazuza não teve, inclusive, pagou com a vida, sem resmungar, a escolha devassa que teve a coragem de fazer. Morreu cantando! 

Não quero que finja sentimentos por mim, não quero que segurem a minha mão se tem a intenção de soltá-la. Só quero o que for verdadeiro”.

Filho único,mimado, protegido pela mãe, porque o pai sempre a repreendia quando, muitas vezes, alta

madrugada ela saía para atender a um chamado policial por ter apreendido Cazuza, menor de idade, dirigindo o carro dela, sem habilitação e com excesso de velocidade.

Com ela, teve acirrados desentendimentos. Todavia, ao mesmo tempo, era quem o apoiava em tudo e procurava entendê-lo, à maneira dela. Com o pai, João Araújo, Cazuza sempre teve um bom relacionamento, apesar da sua rebeldia. “Hoje, meus pais são os meus melhores amigos.” “É, os tempos mudaram e eu vivo muito bem acompanhado”.

“Acredite, existem pessoas que não procuram beleza, mas sim coração”.
Começou a escrever poemas e letras musicais em 1965 e os mostrava à avó Alice. Em 1972, de férias em Londres, tornou-se fã das canções de Janis Joplin, Led Zeppelin e Rolling Stones. Seu pai havia prometido presenteá-lo com um carro, caso fosse aprovado no vestibular e ele passou em Comunicação, mas abandonou o curso semanas depois.

Coisa da Burguesia!!! Cazuza começou a frequentar a vida boêmia do Baixo Leblon, quando seu pai decide criar um emprego para ele na gravadora Som Livre, da qual foi fundador e presidente. Depois de prestar algum serviço à empresa, foi para os EUA fazer um curso de fotografia, descobrindo também a literatura Geração Beat, os chamados poetas malditos, que mais tarde influenciaria sua carreira musical.

No Rio de Janeiro, participou do grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone, no Circo Voador, onde fez a sua primeira apresentação como cantor.

“Escrevo para não falar sozinho!”

Ganhou fama como vocalista da banda Barão Vermelho, juntamente com Roberto Frejat, parceria criticamente aclamada pelo público.

Cazuza sempre teve preferência por canções românticas, melancólicas, de cunho dramático, sendo influenciado por grandes nomes como Cartola, Dolores Duran, Lupicínio Rodrigues, Maísa, Noel Rosa, Dalva de Oliveira.

Cresceu ao redor dos cantores Caetano Veloso, Gal Costa, Elis Regina, Gilberto Gil, Novos Baianos e João Gilberto, tudo proporcionado pelo ambiente criado pelo pai.
O tempo não para na vida desse jovem poeta, autor de canções que marcaram os anos 1980, como Codinome Beija Flor, Ideologia, Preciso Dizer que te amo, Bete Balanço, O nosso amor a gente inventa, entre outras.

Parece que as coisas perderam o brilho... o que era insubstituível virou facilmente descartável, os momentos viraram lembranças.”

Cazuza  fez cair a cortina que encobria um Brasil, que é bonito por natureza, quando o convidou a tirar a máscara e cantou: Brasil, mostra a tua cara, quero ver quem paga pra gente ficar assim...”

Tanto tempo se passou e não sabemos ainda o nome dos sócios que nos deixaram assim, desprotegidos, abandonados, caminhando cada dia mais pelas calçadas da desigualdade social.

Tinha sede de compor, como se tivesse pressa para viver “Todo o amor que houver nessa vida”. Em 1987, o fantasma da AIDS se manifesta. Foi levado para os EUA, sendo submetido ao tratamento a base de AZT, durante dois meses. Volta para o Brasil e inicia as gravações do álbum Ideologia, incluindo Brasil e Faz parte do meu show.

“Decidi não ficar mais triste. Certas coisas não valem a minha dor.”
 “Não desisti, só não insisto mais.”
 “Os idiotas são mais felizes. Eles não sabem que vão morrer”.

Por mais que tenha cantado “A vida veio e me levou com ela”, foi aquele triângulo de luz, como um dia ele definiu a morte, que o levou no dia 7 de julho de 1990, aos 32 anos.

“Nós gostamos de ROCK e somos loucos/ Eles fazem besteiras e são normais/Que vivam os loucos de boa cabeça/ E pela metamorfose da vida/ Se tornem MALUCO BELEZA!”.

Ele foi assim, até o último momento. E deixou um recado otimista para os brasileiros:
“Espero que, no futuro, não se esqueçam do poeta que sou. Que as pessoas não se esqueçam de que, mesmo num mundo eletrônico, o amor existe. Existe o romance e a poesia. Que mais crianças venham a nascer e é fundamental o amor aos pais.”

Valeu, Cazuza! Foi-se um jovem talento. Ficou a poesia. Permanece a canção.

Acesse os links abaixo, para ouvir “Faz parte do meu show” e “Brasil”:
https://www.youtube.com/watch?v=nwoVI6qFr6w
https://www.youtube.com/watch?v=Gp35LvnRNHM

 

 

Esgoto - 07.07.2014

Fedor do pinicão repercute
e incomoda os vereadores

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A Câmara de Vereadores de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, voltou a divulgar as atas das sessões em seu site, embora com algum retardo. O post mais recente ainda é de 30 de maio, mesmo assim, parabéns presidente João Amorim.

Navegando por lá, dia 4, enquanto aguardava o jogo Holanda x Costa Rica, vi algumas coisas animadoras, como o vereador Antônio Luiz cobrando do prefeito Paulo Azevedo o Ponto Cidadão, que estaria ameaçado de não vir mais para a cidade.

Vi também a homenagem póstuma ao saudoso Norberto Pessoa, de que falarei em outro texto. Todavia, mais me chamou a atenção a repercussão da degradação da estação de tratamento de esgoto da cidade, denunciada por um morador no Livramento Agora e ampliada pelo O Mandacaru.

As duas bancadas, oposição e situação, uniram-se para reconhecer e verberar contra o absurdo, mas se perderam quando a discussão chegou ao ponto de definir quem era mais culpado o gestor atual Paulo Azevedo ou seu antecessor Carlos Batista.

Os dois são culpados, mas o vereador situacionista Ronilton Carneiro cuidou de estabelecer uma diferença, lembrando que o antecessor, além disso, consentiu que a Embasa despejasse dejetos de Rio de Contas no Rio Brumado, cuja água é consumida em Livramento.
E arrematou, em certo estilo hamletiano ou sucupiriano e seguindo a linha dos termos usados na reportagem de O Mandacaru, dizendo: “o que é pior, pisar na merda ou beber e tomar banho na merda?”.

Cremos que a combinação das duas coisas coloca os dois gestores como os piores de todos os tempos, em nosso município, e situa nossa geração como a mais silenciosa e omissa de todas as eras. Essa sessão específica da Câmara pode sugerir que devemos nos curar desse estado dissociativo.

 

Pesar por Norberto – 07.07.2014

Ele pediu perdão por pedir
água para o sertão com sede

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A Câmara de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, aprovou, por unanimidade, moção de profundo pesar (nº 04/2014) pelo falecimento de Norberto Ferreira Pessoa (foto), que já foi suplente de vereador, ocorrido em 16.05.2014, na comunidade de Bem Posta, distrito de Iguatemi.

Os vereadores lembraram que ele era um homem aguerrido e defensor obstinado da região sertaneja onde viveu, incluindo as comunidades carentes de Bem Posta, Barbosa, Cruz de Almas, Piranha e Iguatemi. Foi presidente da Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Bem Posta.

Norberto Pessoa era amigo de O Mandacaru. Em 21.10.2007, ele concedeu entrevista a este site, na qual pediu perdão ao então prefeito Carlos Batista pela insistência com que fazia as reivindicações em nome da sua comunidade. À época, foi ignorado pelo alcaide.

A matéria pode ser relida em www.mandacarudaserra .com.br/arquivo/2007/outubro.htm e começava assim: “O senhor me perdoa prefeito, ...mas a água é para o ser humano, não é para a roça. O senhor me perdoa, o senhor é uma grande autoridade, no município. É caso de calamidade”.

Ficou a dúvida se o “caso de calamidade” era o gestor ou a falta de água. Com essa lembrança da sua luta, homenageamos esse livramentense batalhador.

 

 

Administração – 06.07.2014

Advogada Mona Lisa deixa
governo de Paulo Azevedo

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A advogada Mona Lisa Machado Trindade decidiu deixar, ainda neste mês, a Secretaria de Governo da Prefeitura de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, e já teria avisado o prefeito Paulo Azevedo sobre essa decisão. É a sétima pessoa do primeiro escalão a deixar o governo municipal, na atual administração.

Ouvida por este site, a secretária não detalhou os motivos do seu pedido de exoneração, mas um deles seria a necessidade de retomar suas atividades privadas em seu escritório de advocacia, “que vinham sendo prejudicadas pelo exercício da função pública”.

Ouve-se dizer, porém, que é grande a insatisfação entre os auxiliares do prefeito Paulo Azevedo, cuja equipe estaria resumida apenas a duas pessoas, ele e sua esposa D. Helinete Azevedo, cujo recado aos insatisfeitos seria "ou aceita o sistema ou sai do sistema".

Quem pode sai e a prefeitura perde bons quadros, como o engenheiro Nilson Dantas (Secretaria de Obras), a médica sanitarista Efigênia Cardoso (Secretaria da Saúde) e, agora, a advogada Mona Lisa Trindade (Secretaria de Governo).

 

 

Artigo – 30.06.2014

O início, fim e meio de
um cowboy fora da lei

 (Salvador: 28.06.1945 - São Paulo: 21.08.1989)

“Quero a certeza dos loucos que brilham.
Pois se o louco persistir, acabará sábio.”

 

Márcia Oliveira
Professora

Raul Seixas cantou “eu nasci, há dez mil anos atrás, e não tem nada nesse mundo que eu não saiba demais...”. Mas, na verdade, nasceu na Terra há 69 anos, em Salvador, e viria a ser o principal representante do rock brasileiro. Foi um cara adiante do seu tempo.

Irreverente, inquieto, místico, questionador, músico, compositor, cantor, um “filósofo” que buscava respostas até mesmo para o indizível, cantando os paradoxos e contradições da vida.

“Eu prefiro ser / Essa metamorfose ambulante / Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.../ Se hoje eu sou estrela / Amanhã já se apagou / Se hoje eu te odeio / Amanhã lhe tenho amor...”

Sua mãe queria que ele fosse presidente da República, o pai vivia questionando por que um menino nascido em berço de ouro agia de modo tão diferente. Nasceu no fim da primeira guerra mundial.

“Fui fruto de uma juventude pós-guerra. Usei jaqueta de couro, cabelos a James Dean, bebia cuba libre, o que espantava meus pais burgueses de classe média. Meu pai ouvia o Repórter Esso, minha mãe colecionava a Revista O Cruzeiro e eu metido em brigas nos bairros: lambreta e conduíte”.

Nesse conflito de gerações, tentava, alucinadamente, defender suas ideias, através de canções, muitas vezes difíceis de serem entendidas.

“Enquanto você se esforça pra ser / Um sujeito normal / E fazer tudo igual / Eu do meu lado aprendendo a ser louco / Um maluco total / Na loucura real / Controlando a minha maluquez / Misturada com minha lucidez/ Vou ficar/ Ficar com certeza/ Maluco beleza...”
Inteligente e leitor voraz, mas não gostava das aulas: “Eu era um fracasso na escola. A escola não me dizia nada do que eu queria saber. Tudo o que eu sei devo ao mundo, à rua, à vivência e, principalmente, a mim mesmo. Repeti a segunda série cinco vezes. Nunca aprendi nada na escola. Minto. Aprendi a odiá-la”.

A vasta biblioteca do seu pai era seu brinquedo favorito, por lá ficava horas devorando o “Livro dos Porquês” do “Tesouro da Juventude”. Queria ser escritor como Jorge Amado. Gostava de literatura, psicologia e filosofia. Ficava horas e horas pensando e se questionando, seu mundo interior era muito rico e intenso.

Quando eu era guri lá na Bahia, música pra mim era coisa secundária. O que me preocupava mesmo eram os problemas da vida e da morte, o problema do homem, de onde eu vim, pra onde eu vou..”.  Após muito tempo, é que descobriu que tudo isso era filosofia e não maluquice do seu mundo imaginário e enigmático.
“Às vezes, você me pergunta / Por que é que sou tão calado / Não falo de amor quase nada / Nem fico sorrindo ao seu lado...”

Deixou a escola e resolveu abraçar a música. Criou algumas bandas como Os Panteras. Fã do imortal Elvis Presley, Raul também acrescentou em seu rock ritmos da música nordestina, como baião, xaxado e música brega. Teve influência musical do próprio Elvis, além de Luiz Gonzaga, Roberto Carlos, Led Zeppelin, John Lennon, Bob Dylan, The Beatles, Frank Zappa e outros.

Estreitou laços com parceiros musicais como Caetano Veloso, Tom Zé, Marcelo Nova e Paulo Coelho.

“Num planto capim-guiné / Pro boi abaná rabo/ Tô virado no diabo / Tô retado cum você / Tá vendo tudo e fica aí parado cum cara de viado / Que viu caxinguelê...”

Teve muitos relacionamentos amorosos: Glória Vaquer, Tânia Barreto, Ângela Afonso (Kika Seixas), Lena Coutinho e Edith Wisner, esta a primeira esposa, filha de um pastor protestante americano, cuja resistência ao namoro o cantor teve de enfrentar.

Resolve terminar o segundo grau, faz cursinho pré-vestibular e passa em Direito, Filosofia e Psicologia. Casa-se com a americana, com quem teve a filha Simone, e desiste de estudar, ao aceitar o convite de Jerry Adriani para ir para o Rio de Janeiro.
Dos outros casamentos, nasceram Scarlet e Vívian. Raul, na verdade, tentou encontrar um amor que coubesse no seu universo de valores livres como a vida e amou várias vezes: “Só há amor quando não existe nenhuma autoridade”, cantou.

“É pena / que você pense que eu sou seu escravo / Dizendo que eu sou seu marido / E não posso partir / Como as pedras imóveis na praia / Eu fico ao teu lado sem saber / Dos amores que vida me trouxe / E não pude viver/ Porque quando eu jurei meu amor/ Eu traí a mim a mesmo/ Que ninguém/ Nesse mundo é feliz / Tendo amado uma vez...”

Quando chegou ao Rio de Janeiro, enfrentou dificuldades e passou a compor para cantores, como Renato e seus Blue Caps, Trio Ternura, Ed Wilson, Jerry Adriani, Diana e Balthazar.

Conhece Paulo Coelho (hoje o brasileiro mais traduzido no mundo, acima de Jorge Amado), com quem funda a Sociedade Alternativa, que os levou ao exílio, nos EUA, após serem presos e torturados pela ditadura militar, que achou ser a tal “sociedade” uma revolta armada contra o governo, mas era apenas um movimento esotérico.

Segundo Vivi, filha caçula de Raul, Paulo Coelho nunca foi amigo do seu pai. Eram apenas parceiros na música, como declarou o próprio Coelho: “nós fomos inimigos íntimos”. Da parceira rompida só restou a Sociedade Alternativa, mas, para alguns críticos, o sucesso de Paulo Coelho na literatura, anos depois, deve-se ao eterno Maluco Beleza.

“Viva, viva, viva a Sociedade alternativa / Se eu quero/ E você quer / Tomar banho de chapéu / Ou esperar Papai Noel/ Ou discutir Carlos Gardel...!.”
Gita, Trem das Sete, Tente outra vez, Metamorfose Ambulante, Medo da chuva, Carimbador Maluco, Eu nasci há dez mil anos atrás, Mosca na sopa, Cowboy Fora da Lei são músicas consagradas e mais pedidas nos shows que os covers de Raul fazem pelo Brasil, como Eli Pinto, da cidade vizinha de Rio de Contas.

Raul Seixas teve vida conturbada. Alcoolismo e drogas estiveram na contramão da sua existência, que não sabia muito para onde ir, mas tinha plena consciência de que o caminho se estreitava cada dia mais para chegar onde chegou.

A depressão o levou fundo na bebida, ocasionando recisão de contratos, fim de relacionamentos conjugais e vexames em shows, como em Caieiras (SP), quando tentou se apresentar embriagado, em estado deplorável, e a população não o reconheceu e quis linchá-lo, pensando ser um impostor.

Através da música, procurou alertar as pessoas a não sonharem sozinhas e sim juntas, para o sonho se realizar, que tivessem fé em Deus e na vida, porque a canção não estava perdida e que a cabeça não aguenta se a gente parar e... o cowboy fora da lei parou.

Parou de seguir o que escreveu, cantou e, de repente, perdeu o medo da chuva, mas naufragou nas nuvens negras do vício e contraiu pancreatite aguda, que o matou aos 44 anos. Tentou encontrar o certo por estradas tortuosas e abreviou uma vida que poderia ter sido tão ampla quanto sua genialidade.

PENSAMENTOS DO ARTISTA:

. Sonho que se sonha só / É só um sonho que se sonha só / Mas sonho que se sonha junto é REALIDADE!
. Ninguém morre. As pessoas despertam do sonho da vida!
. Meu egoísmo é tão egoísta que o auge do meu egoísmo é querer ajudar!
. Há homens que nascem póstumos.
. A formiga é pequena, mas elas são um exército quando juntas.
. É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro.
. Quanto mais conheço a humanidade mais eu amo os meus cachorros.
. A saudade é um parafuso que, quando a rosca cai, só entra se for torcendo, batendo não vai. Mas, quando enferruja dentro, mesmo distorcendo não sai.
. Quero a certeza dos loucos que brilham. Pois se o louco persistir na sua loucura, acabará sábio.
. Deus é aquilo que me falta para compreender o que eu não compreendo.

(Para recordar e matar saudades, clique nos links e ouça “Tente Outra Vez”:
https://www.youtube.com/watch?v=vD_qEj-AIsY e "Maluco Beleza": https://www.youtube.com/watch?v=Rxo9o-Twz3I).

 

Comentário – 29.06.2014

Nossa falta de atitude!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O Brasil, país da alegria do futebol, segue na Copa, na malemolência do ponto facultativo e no entorpecimento geral. Graças a Deus que ainda existe algo que nos move, as eleições, de dois em dois anos, e a Copa do Mundo, no torpor ou na dor.

Não importa o que tudo isso nos traz de bom e ou de ruim. Se o Brasil perder o campeonato, haveremos de encontrar um consolo. Ontem, nossas esperanças seguiram para as quartas de final. Só de pensar no verde-amarelo no gramado da final, também me emociono.

Os movimentos de rua do ano passado mostraram que estamos vivos também para outras coisas, inclusive ruins, mas foram só um ensaio. Eles mostraram que temos capacidade, como a de não deixar a imundície política descolorir o verde-amarelo nesta Copa.

Aqui na terra de Nossa Senhora o verde-amarelo parece brilhar mais que em qualquer outro lugar, no frescor do clima ameno e na beleza das decorações juninas, onde o povo parece viver em outro planeta. Somos um povo sem atitude, voltado para o egoísmo dos escaninhos pessoais.

Circunda-nos a perturbadora deterioração social e ambiental. Não vemos nem sentimos qualquer desconforto. Em ano de eleições, políticos são as vedetes da vez e mostram que não têm mesmo vergonha. Requebram-se na dança do ventre para lamber todos que postulam o governo estadual.

A única preocupação é posar abraçados ou pertos das “estrelas”. Ninguém, até agora, apresentou propostas aos candidatos a governantes com as necessidades da nossa Livramento. Pior, nenhum foi convidado a conhecer nossos problemas e assegurar que projetos têm para nós.

Entre nossos grandes problemas, além da pobreza endêmica, estão falta de esgotamento sanitário, precariedade do sistema de tratamento de água, hospital onde pessoas morrem à míngua, crescimento desordenado da cidade, estradas vicinais abandonadas.

A oferta de serviços públicos é um deboche. O atendimento na área estadual e ou federal tem de ser buscado em outras cidades, como os demandados na Receita Federal, Detran, Medicina Legal, Identidade, Carteira de Motorista, Justiça Federal, Justiça do Trabalho etc.

E não tomamos qualquer atitude, quer estejamos no conforto de nossas casas luxuosas quer nas submoradias da periferia da cidade!

(Fotos copiadas da internet)

 

Justiça – 29.06.2014

TJ confirma que vai
“agregar” comarcas

 

Desembargador Eserval Rocha

Raimundo Marinho
Jornalista

Atendendo solicitação deste site, a Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça da Bahia nos enviou nota, também divulgada em seu portal, confirmando a Proposta de Resolução do órgão, desembargador Eserval Rocha, para desativação de 25 comarcas, entre elas a vizinha Rio de Contas, que se juntará à de Livramento de Nossa Senhora.

O Tribunal diz que não será “desativação” e sim “agregação”, pois, segundo explica, os fóruns das comarcas a serem agregadas continuarão funcionando normalmente, inclusive recebendo novos processos e os antigos não serão transferidos, nem haverá remanejamento de servidores.

Desembargadora Marielza Brandão

Assegura que a medida visa “requalificar o atendimento judiciário em comarcas do interior”.  Salienta que, de acordo com o projeto, 25 comarcas e igual número de varas judiciais, de entrância inicial, de até 200 km2, serão agregadas a comarcas vizinhas, dentro de critérios técnicos.

Outro critério, previsto na Lei de Organização Judiciária, que autoriza a agregação, seriam número de processos, igual ou menos de 50 por mês, no último triênio, ou, ainda, que não tenha juiz titular. É diferente de 2011, lembra a nota do TJ, quando houve desativação efetiva de 41 comarcas.

A notícia teve forte repercussão entre advogados, servidores, magistrados e, principalmente, nas comunidades afetadas. A presidente da Associação dos Magistrados da Bahia, juíza Marielza Brandão, por exemplo, disse não ser contra a medida, mas acha que o processo deveria ser democratizado.

Osvaldo Laranjeiras, OAB Brumado

Admite que algumas comarcas devem, de fato, serem desativadas, por terem poucos processos, mas outras não. Para a diretoria do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sinpojud), a desativação das comarcas é um retrocesso da Justiça baiana.

Da mesma opinião é o presidente da Subseção da OAB de Brumado, Osvaldo Laranjeiras, com jurisdição em Rio de Contas, uma das que serão desativadas. Todas essas reações, porem, foram antes do TJ esclarecer que não haverá “desativação” e sim “agregação”, sem remanejamentos.

 

 

Comentário – 23.06.2014

Temos de evoluir politicamente!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Embora corrompida, talvez no grau máximo, a Política é a forma pela qual a sociedade deve ser organizada. É triste ver que justamente num regime democrático ela tenha se tornado abrigo de tanta corrupção. Mas a esperança nunca deve ser perdida e que sejam afugentadas as tentações de desânimo.

Livramento de Nossa Senhora é o foco deste site. Temos duas lideranças fortes que nos representam, mas que não se comunicam, o que se torna fator de atraso de nossa comunidade. O objetivo, que deveria ser o interesse público, passa ser a disputa pelo poder e os interesses individuais dentro dos respectivos grupos.

Em quase oito anos de mandato, o governador do Estado não colocou os pés em nosso município, mesmo vindo várias vezes ao vizinho Rio de Contas, a cerca de nove quilômetros, onde o prefeito é do seu partido. Foge de Livramento, porque os dois líderes antagonista são de sua base política, comprovando que o povo não conta.

Em abril de 2012, em pré-campanha por aqui, o secretário estadual da Agricultura, Eduardo Salles, fez reuniões separadas, como nos velhos tempos de “Arena 1” e “Arena 2”, para não haver dispersão de apoios nem de votos. E o eleitor até acha isso excitante, quando, na verdade, em um descaso para com o interesse coletivo.

Não me canso de repetir que precisamos nos livrar do ranço da política colonial coronelista e evoluir para a política moderna, abrangente, ditada pelos princípios da Constituição Cidadã de 1988, que deu plena autonomia aos municípios, com total proteção aos cargos e mandatos públicos.

Esperava-se que os políticos contemporâneos de nosso município, apesar da falta de preocupação em melhorar o nível de instrução e de conhecimento das leis, fossem mais determinados e corajosos, mas continuam subservientes.

Os pré-candidatos já foram várias vezes aos vizinhos Brumado, Paramirim e Rio de Contas e estão ignorando Livramento, embora seja um reconhecido polo de desenvolvimento. Mas nossos políticos vão lá bater continência e posar para fotos, subservientemente.

Nada contra essa babação, desde que levassem projetos e reivindicações a serem cobrados dos ora candidatos, quando eleitos. Nem mesmo os convidam para vir à nossa cidade, para aqui serem sabatinados sobre os planos que têm para merecerem nossos votos.

Conveniência pessoal é o princípio norteador desses políticos. Sequazes do ex-prefeito Carlos Batista foram hipotecar apoio ao pré-candidato Paulo Souto, da oposição, em Rio de Contas, enquanto ele apareceu sem eles, na recepção ao pré-candidato Rui Costa, da situação, em Guanambi.

 

 

Eleições 2014- 23.06.2014

Júnior confirma que disputará
vaga na Assembleia Legislativa

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Foto do site livramentoagora.com.br

Os eleitores de Livramento de Nossa Senhora e região terão nova opção para votar em deputado estadual. O vice-prefeito livramentense Gerardo Azevedo Junior (PT) confirmou ontem (22) sua pré-candidatura nas eleições deste ano (foto do alto). Terá o apoio de ninguém menos que o ex-deputado federal e jornalista Emiliano José, um dos ícones da resistência e combate à ditadura militar, no Brasil, e do ex-governador da Bahia e atual vereador de Salvador Francisco Waldir Pires de Souza, ex-titular de importantes cargos na República, era consultor geral quando foi deflagrado o golpe militar que depôs o presidente João Goulart. Eles estiveram em Livramento no lançamento da pré-candidatura de Júnior, que se coloca como uma promessa de mudança na representatividade política do sertão e disse que “nossa candidatura representa o anseio de nossa região”. Em recente entrevista a este site, ele falou de algumas de suas bandeiras e afirmou:

Júnior: candidatura é anseio da região

A nossa pré-candidatura que está colocada vai no sentindo de contribuir para o desenvolvimento da nossa Bahia, da nossa região, especialmente da microrregião a que pertence também Livramento. Especificamente em relação à nossa terra, veja que estamos muito atrasados em relação a outros municípios. Em Caetité, vai ter hospital do câncer, onde também existe o maior parque de geração de energia eólica do Brasil, o segundo do mundo. Cândido Sales, um município de 28 mil habitantes, recebeu a ordem de serviço para construção de uma adutora de aproximadamente R$15 milhões, levando água para o sertão de lá. E em Livramento estamos lutando para colocar água na zona rural desde de 2006 (adutora Iguatemi).

Pedi ao governador o prolongamento da adutora do algodão, que já vai chegar a Lagoa Real, para os distritos de Iguatemi e São Timóteo. Cadê a pressurização do Bloco I? [Perímetro irrigado do DNOCS] Cadê o projeto de transposição do rio Taquari-Vereda que iria beneficiar toda a região? A Universidade da Chapada começa a ser discutida só agora. Estamos defendendo a interligação da BA 569 à BR 142, que vai de Itanagé, passando por São Timóteo, chegando até Maniacu, em Caetité, e também até o município de Lagoa Real.

Precisamos lutar para a construção de um grande hospital do câncer na Região Sudoeste e a construção de um grande hospital geral regional em Livramento, assim como tem Guanambi e contribuir para melhorar o sistema de saúde dos municípios, principalmente dos menores. Enfim, estes são alguns exemplos do que temos para defender em um eventual futuro mandato legislativo.

(http://mandacarudaserra.com.br/noticias/2014/junior.html)

 

Aniversário – 19.06.2014

Chico Buarque de Holanda, 70
anos de vida por trás da canção

Rio de Janeiro, 19 de junho de 1944

Mas você não sabe por que aquilo apareceu na tua cabeça. E você não vai sossegar enquanto não transformar em canção, em verso 
                                                                           
                                 (Chico Buarque)

 

Márcia Oliveira
Professora

Hoje você é quem manda, falou tá falado, no alto dos seus 70 anos de vida e melodias. Verdadeiros hinos que deram vida e voz a figuras marcantes, anônimos tão conhecidos de todos nós como mulheres, malandros, amores, o Rio de Janeiro, fantasias, mas sem perder o viés da realidade que fala de política, censura, ditadura, opressão, temas de quem tem uma cabeça pensante e de quem é politicamente engajado. Através das suas músicas, dos seus sambas, ele nos presenteou com personagens como Geni, Carolina, Ângela, Terezinha, Pedro Pedreiro, Beatriz, mostrando-nos um Brasil cada vez mais perto de nós.

Francisco Buarque de Holanda ou simplesmente Chico Buarque, como é mais conhecido, é filho do historiador e jornalista Sérgio Buarque de Holanda e da pianista e pintora Maria Amélia Cesário Alvim. Músico, dramaturgo e escritor brasileiro, Chico Buarque é uma das maiores referencias da MPB, tendo adotado também gêneros musicais como Bossa Nova, Choro e Samba. Teve a influência musical de grandes nomes da nossa música, entre eles Noel Rosa, Cartola, Tom Jobim, Baden Powell, Ismael Silva e Vinícius de Moraes. Ganhou notoriedade quando venceu o Festival de Música Popular Brasileira com a canção A Banda (1966).

Socialista declarado, Chico Buarque exilou-se na Itália (1969) devido à grande repressão do Regime Militar, no chamado Anos de Chumbo. Ao retornar ao Brasil, em 1970, tornou-se um dos artistas mais combativos contra a repressão política e ativos na luta pela redemocratização no país. Algumas de suas músicas foram censuradas, como “Roda Viva”, “Construção”, “Partido Alto”, “Cálice” e “Apesar de você”, esta, segundo ele, não foi uma crítica ao ex-presidente Emílio Garrastazu Médici, mas uma referência à situação. Adotou o pseudônimo Julinho de Adelaide para driblar a censura, concedendo entrevistas e dando a ele cédula de identidade. Uma das canções que faz uma severa crítica política, em forma de carta, é Meu caro Amigo, homenagem a Augusto Boal, que vivia no exílio, na época da Ditadura Militar.

Como escritor, recebeu o Prêmio Jabuti pelas obras Estorvo, melhor romance (1992), Budapeste (2004) e Leite derramado (2009). Outras obras literárias: Fazenda Modelo, Chapeuzinho Amarelo, A bordo da realidade, Rui Barbosa e o livro Benjamim (1966). É autor de muitas peças teatrais: Morte e vida Severina (baseada no poema de João Cabral de Melo Neto), A ópera do malandro, Roda Viva, Calabar (coautoria de Rui Guerra), Gota D’Agua e O grande Circo Místico. Para o cinema: Quando o carnaval chegar (coautor), Certas palavras, Para viver um grande amor (coautor), Ópera do Malandro e O Mandarim (ator).

Teve como grandes parceiros Edu Lobo, Francis Hime, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Toquinho, Milton Nascimento, Caetano Veloso e Rui Guerra. Muitos também interpretaram suas memoráveis canções, como Elis Regina, Maria Bethânia, Cauby Peixoto, Nara Leão, Ângela Maria, Gal Costa, Ney Matogrosso, Simone e outros. Na Itália, tornou-se amigo de Dalla e fez a versão, para o português, da inesquecível música Minha História, cujo título original é Gesú Bambino, de autoria de Lúcio Dalla e Paola Palotino.

No vasto mundo criador de Chico Buarque, onde há espaço absoluto para cantar o amor, a saudade, a beleza, a mulher, infelizmente, há lugar de sobra para tristeza, desigualdade, abandono e a violência, presentes nas ruas e favelas do Brasil, quando crianças desafortunadas protagonizam histórias com desfechos trágicos como nos mostra a canção O meu guri.

“Quando, seu moço, nasceu meu rebento, não era o momento dele rebentar/Já foi nascendo com cara de fome/E eu não tinha nome para lhe dar/Olha aí, olha o meu guri, olha aí. É o meu guri...”

Foi casado com a atriz Marieta Severo (a Dona Nenê, de A Grande Família), por 33 anos (1966 a 1999) e tiveram três filhas: Sílvia Buarque (atriz), Helena e Luiza. É irmão das cantoras Miúcha, Ana de Holanda e Cristina. O renomado autor do dicionário Aurélio Buarque de Holanda era primo distante do pai de Chico Buarque.

Chico Buarque, sensibilizado e encantado com o universo de beleza e grandeza da mulher, adotou um eu-feminino para cantar o amor, a poesia e a realidade desse ser, aparentemente frágil, nas canções Terezinha, Olhos nos olhos, Atrás da porta, Folhetim, Com açúcar e com afeto, esta escrita para Nara Leão. Em Mulheres de Atenas, longe de ser machista, Chico faz uso de metáforas e antíteses para alertar as mulheres, quando canta  “Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas, vivem pros seus maridos, orgulho e raça de Atenas...” Ele quis dizer: Mirem-se no exemplo delas, mulheres, que vocês irão ver no que vai dar. A canção é um verdadeiro hino contra a submissão feminina nos modelos da sociedade patriarcal.

Chico, apesar de ser adepto de futebol, em plena época de Copa do Mundo, resolveu ir para Paris terminar o seu mais novo romance, que pretende lançar ainda este ano. E, lá, também está comemorando seus 70 anos, ao lado da namorada, a cantora Thaís Gullin.

Parabéns, a esse extraordinário dono de uma voz calma, ao moço tímido, cujos olhos azuis brilhantes escondem tantos segredos, que aos poucos são revelados de forma sutil ao cantar o amor na sua forma mais singela e sincera, como nos mostra em “Olhos nos olhos, quero ver o que você diz/quero ver como suporta me ver tão feliz...” ou ainda em “O meu amor tem um jeito manso que é só seu/E que me deixa louca/Quando me beija a boca/Minha pele toda fica arrepiada/E me beija com calma e fundo/Até minh’alma se sentir beijada. Eu sou sua menina, viu?/E ele é o meu rapaz/Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz...”.

São inúmeras canções de arrepiar o coração. Músicas que nos levam à reflexão. São 70 anos de história, grande Chico, por trás de cada canção!

PENSAMENTOS DO ARTISTA:

A felicidade morava tão vizinha que, de tolo, pensei que fosse minha.
Se você soubesse como gosto de suas cheganças, você chegaria correndo, todo dia.
Veja a multidão fechando todos os meus caminhos, mas a realidade é que sou eu o incômodo no caminho da multidão.
A saudade é o pior tormento. É pior do que o esquecimento.
Eu sempre desconfiei, desde garotinho, que eu iria ficar velho.
As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem.
Ás vezes o que a gente procura, não é o que a gente procura. É o que a gente encontra.
Você que inventou a tristeza, ora, tenha a fineza de desinventar.
Era televisão e futebol. Construíram estádios e essa rede impressionante de telecomunicações por todo o Brasil, e ao mesmo tempo uma degradação crescente em termos de educação e saúde. Tudo isso foi descuidado.

http://www.youtube.com/watch?v=PizNex3ldmU
http://www.youtube.com/watch?v=66For4DyLOc

 

Administração – 18.06.2014

Asfalto também fará
história em Livramento

 

Usina de asfalto em Livramento (foto adaptada de livramentodiário.com.br)

Raimundo Marinho
Jornalista

O prefeito Paulo Azevedo, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, revela gosto especial pelo espetacular. E deu o primeiro sinal disso já no ato de posse, quando, referindo-se à gestão do seu antecessor, Carlos Batista, afirmou que “um tsunami dura cerca de oito minutos, mas em Livramento ele durou oito anos”.  

Realizou o “festival das sucatas”, com veículos imprestáveis da Prefeitura, mas não divulgou as providências tomadas. Posou na cabine de uma retroescavadeira, mas os melhores espetáculos foram as ligações Polivalente-Estocada e Av. Nelson Leal-Taquari, maiores intervenções urbanas dos últimos 20 anos, na cidade.

Agora, divulga outra notícia espetacular, liberação de usina processadora de asfalto, para pavimentar, inicialmente, a pista, hoje em paralelepípedos, da ponte do Taquari ao Primeiro Gole, zona norte da cidade, compreendendo as avenidas Leônidas Cardoso, Edilson Pontes e Presidente Vargas.

Outra vez, faz história, ao trazer pavimentação asfáltica para a sede municipal. Mas, talvez, haja equívoco na escolha da área a ser beneficiada. Deveriam ser as áreas novas citadas (Polivalente-Estocada/Nelson Leal-Taquari). Sem falar que a Presidente Vargas asfaltada será um perigo. Ficam o alerta e nossa sugestão!

 

Eleições – 18.06.2014

Ministério Público fiscaliza
igualdade entre candidatos

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O promotor Millen Castro Medeiros de Moura (foto), da 101ª Zona Eleitoral, que abrange os municípios de Livramento de Nossa Senhora, Dom Basílio, Rio de Contas e Jussiape, na Bahia, instaurou procedimento administrativo para fiscalizar a atuação dos gestores municipais neste ano de eleições. O objetivo é monitorar a realização de festejos financiados com recursos públicos, a fim de evitar que os mesmos sejam utilizados para favorecer candidatos às próximas eleições.

O procedimento foi instaurado através da Portaria número 7030112109/2014, datada de 13.06.2014, baixada com base na legislação eleitoral, tendo como finalidade coibir o abuso de poder, assegurando a igualdade de condições entre os candidatos. Visa, também, preservar o princípio da moralidade e proteger os interesses sociais.

A lei, por exemplo, proíbe shows em comícios e veda a presença e que se faça referência a candidatos em inaugurações de obras públicas. Segundo a portaria do promotor eleitoral, a desobediência às recomendações da citada portaria caracterizará infração à lei eleitoral, por configurar propaganda irregular, e os infratores serão responsabilizados.
Veja íntegra das recomendações do Ministério Público Eleitoral>>

 

Artigo - 12.06.2014

Dia dos Namorados: Amar é...

 

Márcia Oliveira
Professora

Amar é... enamorar-se um do outro todos os dias!
Amar é... escrever mensagens de amor!
Amar é... não se esquecer do Dia dos Namorados!...

Você já preparou a mensagem para a pessoa amada?

Não me refiro a presentes materiais, mas às manifestações de carinho, através de gestos singelos, como andar de mãos dadas, ouvir uma canção de amor, preparar juntos um jantar romântico, ficar em silêncio e ouvir o coração um do outro, dançar de rostinho colado, recordar o dia em que se conheceram, coisas assim.

Para muitos, podem parecer bobagens, mas para outros tantos são de extremo valor. Que tal tirar um retrato, juntinhos, como os casais das fotos que ilustram este texto, ou mesmo fazer uma self photo?

Tudo tem que ser bonito! Enamorar-se de alguém é fantástico, manter esse sentimento é divino! Quantos conseguem, satisfatoriamente, mantê-lo, sem cobranças? Amar livremente é dizer que “faria tudo novamente ao seu lado”.

Tem de poder afirmar que “todos os dias, junto a você, são maravilhosos, que valeu a pena enfrentar tudo, construir nosso lar, criar nossos filhos...”. Tudo isso e muito mais, como tomar a sopa que ela fez, com tanto carinho, mas que estava horrível, só para agradá-la.  Dizer que o cabelo dele estava legal, mesmo sendo raros fios sobre sua cabeça brilhante! É preciso valer a pena, senão não é enamorar-se, não é amar! É preciso estar um no outro, mesmo quando distantes, mas sem perder a sintonia.

Muitos casais conseguem fazer com que cada dia seja Dia dos Namorados, até mesmo quando “discutem a relação”. O segredo é não irem brigados para a cama, porque cama não é trincheira nem esconderijo, e deve sempre ser cenário para o amor, not for war.
No outro dia, podem até se perguntarem: “onde foi mesmo que paramos nossa discussão, ontem?” Ou ele, simplesmente, olhar para ela e perguntar: “Na paz?”. O amor é realmente lindo e deve ser como escreveu o inesquecível poetinha Vinícius de Morais, em
Soneto de Fidelidade
(Vinicius de Moraes)

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Clique em https://www.youtube.com/watch?v=ly-Gzbd1eI0 e ouça a canção de Vinicius de Moraes, com Maria Creuza

 

Educação – 09.06.2014

Fundo fora da lei Numa reunião para examinar a prestação de contas do Fundeb de 2013, em 8 de abril deste ano, compareceram apenas quatro dos 11 membros do Conselho do Fundeb de Livramento, responsável  pelo acompanhamento e controle da movimentação de recursos, cujo valor supera o próprio orçamento da Educação. A denúncia que a vice-presidente do Conselho, Eliane de Souza Bomfim Santos, protocolou no Ministério Público Federal merece mais reflexão. Clique e veja nova matéria>>

 

Política – 07.06.2014

Paulo e Helinete Azevedo
declaram apoio a Rui Costa

 

Rui Costa ladeado pelo casal Paulo Azevedo e

D. Helinete

Raimundo Marinho
Jornalista

A assessoria do pré-candidato Rui Costa, da situação, distribuiu release hoje comunicando o apoio à sua candidatura ao governo da Bahia do prefeito Paulo César Cardoso Azevedo, de Livramento de Nossa Senhora, oficializado durante encontro na vizinha cidade de Paramirim. A mensagem fez questão de mencionar que o apoio também era da primeira dama do município, Helinete Azevedo.

O prefeito teria dito “que o apoio a Rui vai garantir o avanço e aprofundamento dos novos vetores de desenvolvimento para a Bahia”, pois incluiriam outros municípios da região, como Caetité, Guanambi, Érico Cardoso e Brumado. A decisão de Paulo Azevedo só surpreende por contrariar os padrinhos Geddel Vieira Lima e Lúcio Vieira Lima, que o apoiaram na eleição de prefeito.

Pode ser vista também como um aviso de independência em relação ao ex-prefeito Emerson Leal, que ainda não veio a público dizer a quem apoia e não será nenhuma surpresa se, ao lado do filho deputado Nelson Leal, vir a apoiar a chapa oposicionista, encabeçada pelo ex-governador Paulo Souto, que pontuou na frente da última pesquisa divulgada.

Vale lembrar que o apoio do prefeito ao pré-candidato governista é gratuito ou tem motivações pessoais, pois, em quase oito anos seguidos de mandato, o governador Jaques Wagner, que indicou Rui Costa, nunca visitou Livramento, nem Dom Basílio, e não realizou qualquer obra importante no município.

 

 

Perigo na REL – 06.06.2014

Casa dos Estudantes de
Livramento, uma vergonha!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Vida de estudante pobre sempre foi dura, penosa, às vezes humilhante. Já passei por isso e experimentei o quanto é sofrido. Mas não precisa, não pode e não deve ser degradante, principalmente no Brasil de hoje. Todavia, a Residência dos Estudantes de Livramento de Nossa Senhora (REL), em Salvador, está na contramão desse “Brasil de hoje”.

Visitamos o local, esta semana, e constatamos o caos. O ambiente é insalubre e inseguro, expondo os estudantes a doenças e ao risco de acidentes, devido às péssimas condições das instalações, principalmente as partes elétrica e hidráulica. Janelas quebradas, vazamentos, banheiros infectos, chuveiros frios, pisos soltos, janelas podres e sem tranca, desarrumação total.

Fica num prédio com térreo e primeiro andar, no bairro do Garcia, onde meninos e meninas se viram como podem e são unânimes em dizer: “Se tivesse condições sairia daqui”. São, atualmente, 28 ocupantes, vivendo em meio a ácaros, mofo e expostos ao perigo. Suportam tudo para poder estudar.

A Prefeitura paga aluguel mensal de R$10 mil e cerca de R$1.500,00 de água e luz, mas não exige manutenção, pelo proprietário, conforme reza o contrato. Os estudantes cobrem o resto, inclusive consertos emergenciais improvisados e afirmam que a última reforma, tipo “tapa buraco”, ocorreu em 2009.

O prefeito Paulo Azevedo, que não atendia as solicitações dos estudantes, segundo se queixam, ligou pessoalmente para saber quem fez as denúncias e teria solicitado a expulsão dos responsáveis. O secretário da Educação, Rafael Tanajura, visitou o local, ouviu queixas e pedidos e, depois, sumiu.

A isso junta-se a passividade dos estudantes, das famílias e da sociedade livramentense como um todo. Existem 35 vagas na casa e o prefeito teria ameaçado reduzir para 16, despejando 12 dos atuais ocupantes, incluindo os que denunciaram a degradação da residência.

Tentamos cinco telefones celulares do prefeito (9954-2290, 9837-6719, 8875-2549, 8835-5999, 8868-9515) e em seu gabinete (3444-2900), para falar sobre o assunto, e não conseguimos contato.

Veja mais fotos>>

 

Debates na ABI – 05.06.2014

Paulo Souto preocupado
com as finanças estaduais

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Segundo presidente da ABI, Walter Pinheiro (C) encontros buscam conhecer pré-candidatos "olho no olho"

No segundo encontro com pré-candidatos ao governo Bahia, ontem, na Associação Bahiana de Imprensa, o ex-governador e ex-senador Paulo Ganem Souto apontou como grandes preocupações suas o endividamento crônico do Estado e a degradação de serviços públicos essenciais, como segurança pública, educação e saúde.   

Não abriu os números da divida estadual, mas se sabe que ela cresceu 72% entre 2012 e 2013 e estaria em torno de R$40 bilhões. Referindo-se claramente ao PT, mas sem citar a sigla, Paulo Souto disse ser “inadmissível sobrepor-se os interesses partidários aos do Estado”.

Paulo Souto: o Estado está acima dos partidos

Justificou a candidatura como convergência das oposições, junto com a opinião pública, pela necessidade de um caminho novo na gestão estadual, segundo ele, alvo de intensa insatisfação popular. “A confiança em meu nome aumentou minha disposição de enfrentar o processo eleitoral”, disse.

Sobre o que teria dado errado em 2006, quando era franco favorito e perdeu, no 1o  turno, para Jaques Wagner, opinou que a população teria se influenciado muito pela maciça presença do governo federal, que tinha um forte candidato à Presidência da República, à época.

Sobre as críticas do pré-candidato da situação, que se auto intitulou o melhor, Paulo Souto responde que está preparado para atender à população e que  “quem dirá quem é o melhor é o eleitorado”, que Rui Costa “representa a continuidade do que está ai, então cabe à população escolher se deseja ou não essa continuidade”.

Brincou, dizendo que o candidato da situação “me conhece em detalhes, acho que um dia ele foi meu eleitor”. Criticou as comparações que o opositor faz e omite que tiveram a oportunidade que nenhum outro grupo teve de governar por oito anos seguidos.

Pede “cuidado com candidato novo”, lembrando que “sempre inovei e estou antenado a isso”, citando como exemplos o Serviço de Atendimento Móvel (SAC), a lei das organizações sociais, o Planserv e o plano habitacional do servidor. “Nunca deixei de inovar, de lançar desafios novos”, lembrou.

Paulo Souto (terno escuro) entre os jornalistas Aloisio Franca Rocha (mediador), Walter Pinheiro e Raimundo Marinho

Ainda respondendo a Rui Costa, Paulo Souto citou algumas de suas realizações, como Bahia Azul (saneamento básico), recuperação de encostas, avenidas Gal Costa e Assis Valente, Maternidade José Maria Magalhães, Instituto do Coração e recuperação da área do antigo Clube Costa Azul.

Afirmou que Salvador, além de novos eixos viários, precisa de alternativas novas, como ciclovias, e de programas que tragam autossuficiência de serviços nos bairros, evitando os deslocamentos que tanto congestionam o trânsito e a consequente dificuldade de mobilidade urbana.

O pré-candidato da oposição prometeu debruçar sobre questões como quantidade de órgãos da administração, hoje com 32 secretarias, e funcionalismo, inclusive a Polícia Militar, para melhorar a relação de confiança, ter diálogo e transparência, evitando transtornos à população.

Vai rever projetos como ponte Salvador-Itaparica, que seria com recursos privados, mas já tem R$5 bilhões de recursos públicos; projetos culturais, que estariam abandonados; centro de convenções, que está degradado; obras interrompidas da barragem do Colônia; projetos de mineração, também privados; e tornar produtivos os assentamentos de reforma agrária.

Além de diretores da ABI, compareceram representantes de diversos veículos de comunicação de Salvador

 

Educação – 05.06.2014

Conselheira denuncia Fundeb
ao Ministério Público Federal

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A vice-presidente do Conselho do Fundeb (Fundo para Desenvolvimento da Educação Básica) de Livramento de Nossa Senhora (BA), Eliane de Souza Bomfim Santos, professora da rede municipal de ensino, protocolou no Ministério Público Federal, Salvador, em 24.04.2014, pedido de investigação da conduta daquele colegiado, conforme processo PR-BA-00017208/2014.

Segundo o documento, “a educação municipal de Livramento vem sofrendo graves problemas referentes aos recursos vindo do Fundeb e o Conselho não está cumprindo com suas atribuições legais com reuniões mensais, em local público e divulgada nos meios de comunicação”. Acrescentou que, em 2013, das 12 reuniões obrigatórias só foram realizadas duas.

A denúncia cita o vereador Paulo Roberto Lessa Pereira, que a denunciante diz ter conduzido a assinatura do parecer sobre a prestação de contas do Fundo, referente a 2013, feito em papel timbrado da Prefeitura, exercício em que o vereador foi gestor dos recursos, como secretário da Educação.

Consultado, Paulo Lessa disse que “não existem irregularidades, apenas picuinhas politicas, que a mesma denúncia foi feita ao Tribunal de Contas dos Municípios e foi indeferida”, que foi “convidado, já como vereador, para participar da reunião”, em 08.04.2014, quando o tal parecer foi aprovado,  aberta a quem quis comparecer, não vendo qualquer anormalidade nisso.

Clique e veja os LINKs:
1. Denúncia ao MP Federal
2. Parecer do Conselho do FUNDEB
3. Parecer do TCM

 

 

Desenvolvimento – 03.06.2014

Livramento, um município
fraco em saúde e educação

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Com preocupante índice de pobreza, Livramento de Nossa Senhora, Bahia, é um município cujo desenvolvimento socioeconômico deixa a desejar. Está na 4003ª posição nacional e 71ª estadual, com 0,55 pontos, numa escala em que o mínimo é 0 e o máximo é 1, segundo dados oficiais de 2011.

A constatação é do IFDM (Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal) divulgado, esta semana, pelo Sistema FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), após levantamento feito nos mais de cinco mil municípios brasileiros, abrangendo emprego, renda, saúde e educação.

No quesito educação, é o 4257º do país e o 76º na Bahia. Na saúde, também é um dos últimos do país, na 4089ª posição, e o 101º entre os 417 municípios baianos. É um município economicamente rico, mas socialmente pobre, com elevado grau de miséria.

 

Ganha e não leva – 03.06.2014

Prefeito diz que não paga
diferença aos professores

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Segundo a diretoria do SPEL (Sindicado dos Profissionais da Educação de Livramento de Nossa Senhora, Bahia) o prefeito Paulo Azevedo informou que não fará o pagamento da diferença do piso salarial, conforme determinado pela juíza da comarca local. A alegação é de falta de recursos e já teria recorrido da decisão.

Com isso, o passivo trabalhista do município sobe para as alturas, pois já deve aos docentes mais de R$12,5 milhões, relativos a outra ação judicial, também herdada da gestão de Carlos Roberto Souto Batista.

Para piorar, a categoria vive uma crise de representação e com certo sentimento de orfandade, pois o antes aguerrido SPEL teve seus fundadores cooptados com cargos em comissão na própria Secretaria da Educação, que antes combatia, e depôs as bandeiras de luta.

O grupo que atormentou os secretários da Educação, na gestão passada, vivem hoje no mais absoluto silêncio, incluindo o vereador Paulo Roberto Lessa Pereira. Alguns filiados do SPEL estão debandando para a APLB-Sindicato, que congrega docentes estaduais e municipais.

 

 

Sabatina – 31.05.2014

ABI inicia debates com
pré-candidatos na Bahia

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O presidente da ABI, Walter Pinheiro, conduziu a sabatina ao pré-candidato do PT

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) iniciou ontem (30) uma série de debates com os três principais pré-candidatos ao governo da Bahia, Rui Cosa, Paulo Souto e Lídice da Mata. O primeiro a ser sabatinado foi o economista e deputado federal Rui Costa Santos, da situação, que admitiu ser desconhecido de pelo menos 70% do eleitorado, mas que vai reverter essa situação com uma intensa estratégia de comunicação.

Deputado Rui Costa: "sou o mais preparado"

Afirmou que sua candidatura surgiu do cenário de desenvolvimento alcançado pelo Nordeste, a partir do governo Lula, o qual, segundo ele, através de programas sociais e distribuição de renda, teria rompido com a tese de “deixar o bolo crescer para depois repartir”, incluindo acesso à habitação e aos bens básicos de consumo, que teriam sido ampliado para a educação superior e o ensino técnico.

Perguntado sobre as reais motivações da sua candidatura, lembrou a origem pobre, dizendo que cresceu numa encosta de Salvador, e ajudava a mãe a fazer faxina em casa de família. Reconhecendo que essa realidade de famílias pobres ainda persiste, justificou que “é para mudar isso que quero ser governador”. Ao recordar a obstinação da mãe em conseguir uma bolsa de estudo para que ele pudesse estudar, não resistiu e chorou.

De todos os postulantes ao cargo, Rui Costa se considerou o mais preparado, dizendo que a determinação herdada da mãe é o que o trouxe até aqui. Reconheceu que o aval do governador é importante, mas não é suficiente. Garantiu que não foi imposto por Jaques Wagner e sim pelas bases do partido (PT), pois “em qualquer prévia,  teria o apoio de dois terços da legenda”.

Rui Costa (C) com diretores da ABI (Aloisio Franca Rocha, Raimundo Marinho e Walter Pinheiro)

“Não gosto de retórica nem de mentira, vou trabalhar com a realidade, caminhar com meus valores, nas condições postas, com metas e fazendo os acordos necessários”, afirmou. Disse que vai priorizar o esporte e a cultura entre os jovens, que não vai pensar o Estado apenas pela lógica de Salvador. Defendeu o pacto federativo e a reforma tributária, como formas de enfrentar os problemas advindos com a grandeza territorial da Bahia.

Garantiu que se empenhará para acelerar projetos urgentes como segurança pública, desenvolvimento social e grandes obras como metrô e a ferrovia oeste-leste. Defendeu as obras da copa do mundo, dizendo que o evento ajuda a despertar o interesse e a vontade do turista conhecer o Brasil, mas admitiu que algumas delas  são passíveis de questionamentos, em relação, por exemplo, a tamanho, quantidade e localização.

 

 

Educação – 29.05.2014

Juíza manda Prefeitura pagar
diferença de piso ao professor

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A juíza Márcia da Silva Abreu, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, condenou o Município a pagar, de uma só vez, a diferença sonegada, de 27.04.2011 a 31.12.2011, relativo ao piso salarial nacional da categoria, previsto na Lei nº 11.738/2008, conforme divulgado no Diário Oficial da Justiça, em 20.05.2014.

A decisão ocorreu em ações movidas pelo Sindicato dos Profissionais de Educação (SPEL), através do advogado Zeferino Ângelo Teixeira Junior, sendo defensor da Prefeitura o bacharel Thiago Carneiro Vilasboas Gutemberg. O débito será corrigido pelo INPC, até a citação, e com juros e correção monetária.

Serão beneficiados 87 professores, de 40 e 20 horas, mas ainda cabe recurso. Em 2011, quando foi considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal, o valor do piso era de R$1.187,97, atualizado para R$1.697,00, em 2014.

O sindicato convocou assembleia para dia 31 deste, 9h, na Câmara de Vereadores, para tratar desse assunto, do incentivo à formação, reajuste salarial retroativo a janeiro de 2014, além da reformulação do Plano de Cargos e Salários.

Clique aqui e lei o Edital, na íntegra>>

 

 

Ensino – 29.05.2014

Mais 66 colam grau na UNIP

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Mais 66 formandos colaram grau, este mês, pela Universidade Paulista (UNIP), através do polo de ensino à distância de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, nos cursos de Pedagogia (28), Letras (26), Matemática (10) e Ciências Contábeis (2).

A UNIP é instituição de ensino privado, com sede em São Paulo, que têm trazido oportunidades de qualificação profissional para esta região, em cursos nas áreas da educação (licenciaturas e bacharelados) e gestão (administração e recursos humanos).

A solenidade de colação de grau, no Centro Diocesano, foi dirigida pela coordenadora dos cursos, Ilone Ribeiro Guimarães Nogueira, que destacou a presença do padrinho das turmas, prefeito Gilberto dos Santos Freitas, de Jussiape, que apoiou a maioria dos formandos, dentro do programa de qualificação de professores daquele município.

Veja mais fotos, enviadas pela coordenadora>>

 

 

Descalabro – 27.05.2014

Pisando na merda, literalmente!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Livramento de Nossa Senhora, Bahia, 20.546 habitantes somente na sede, 42.705 no total, orçamento de R$55 milhões para 2014, polo comercial e de fruticultura, que fatura em bilhões, vasta rede de ensino, agências de três grandes instituições financeiras (Banco do Brasil, Caixa Econômica, Bradesco), dezenas de clínicas médicas, escritórios de advocacia, sede da Justiça e do Ministério Público, diocese, não tem mais tratamento de esgoto.

O título elegante seria Pisando na bola, mas é difícil ser elegante quando se pisa em bosta. Descalabro, descaso, improbidade, incompetência seriam termos brandos para classificar a situação. Estamos literalmente no meio da merda, sob o silêncio eloquente da nossa gente valente e civilizada, incluindo lideranças religiosas, sociais, políticas, empresariais e, claro, Câmara de Vereadores!

O chamado pinicão, composto de três lagoas que formavam o sistema, que já era insuficiente, devido à grande expansão urbana dos últimos anos, está inativo, há meses. A adutora (400m) que conectava o local à rede coletora está em pedaços, os dejetos correm a céu aberto pelas pastagens particulares.

Grave problema de saúde pública, denunciado por moradores, no blog Livramento Agora (14.05.2014), mas nenhuma providência foi tomada. Os principais responsáveis são o ex-prefeito Carlos Batista (2005-2008 e 2009-2012), que negligenciou a manutenção, e o prefeito Paulo Azevedo (a partir de 2013), que deixou a merda correr solta. Ambos médicos!

O secretário de Obras, engenheiro Jorge Requião, que não sabe quantos domicílios são ligados ao sistema, culpa os donos dos terrenos, que teriam quebrado a tubulação para irrigar mangueiras. Disse que a atual gestão já encontrou o caos, que não existe projeto de recuperação, só o preço dos canos, que Dr. Paulo estaria trazendo de Salvador, estimados em R$100 mil.

Querem transferir a fossa para a Embasa, mas já se sabe que a empresa não quer e ameaça devolver o próprio sistema de água, para não arcar com os investimentos necessários. Nessa volta aos primórdios, nossos rios e pastagens vão sendo adubados com os fertilizantes que saem de nossas privadas.

Mas não fiquem tristes, começaram os domingos de sol do Passa Quatro, há de ter água limpa por lá, fica perto da estação de tratamento da Embasa, enquanto aguardamos, falta menos de um mês, o show de R$300 mil de Zezé de Camargo e Luciano! Ah, também estamos em plena copa do mundo e em ano de eleição!


Veja mais fotos>>

 

 

História – 25.05.2014

Advogado recupera sobradinho
e embeleza Praça da Bandeira  

 

Raimundo Marinho
Jornalista

“Com origem na era colonial, Livramento de Nossa Senhora é rico em edificações históricas, com um valoroso acervo arquitetônico, o segundo da microrregião em que está situado, conhecida como Serra Geral ou Cordilheira do Espinhaço. Nenhum dos monumentos, porém, goza de proteção legal e, apesar da importância histórica, estão caminhando para o desaparecimento e certamente um dia serão apenas uma lembrança, como já aconteceu com alguns”. (in Livramento é de Nossa Senhora, de Raimundo Marinho e Eduardo Lessa, 1995).

Diante do descaso e falta de sensibilidade, principalmente dos prefeitos, 19 anos depois, a situação piorou. Mas, em meio ao desencanto, surge uma gota no oceano, de grande simbolismo e esperança. O advogado Paulo Sérgio da Silva Barros adquiriu e restaurou uma dessas joias arquitetônicas, a Casa do Sobradinho, na antiga Praça da Bandeira, atual Dom Hélio Paschoal, que ia para o desmoronamento. Sorte que não teve a Casa Grande, mais conhecida como Casarão dos Alcântara, em avançado estado de degradação.

Sobre a razão da iniciativa, Dr. Paulo Sérgio responde: “Fiquei com dó de deixar cair patrimônio tão importante e também para embelezar a praça”. Está de parabéns! Seria bom se um outro Dr. Paulo pensasse igual. Mas as autoridades não estão nem aí, apesar de ter total cobertura da Constituição Federal (art. 216) e da Lei Orgânica do Município (art. 153-B) para promover tombamentos ou mesmo desapropriações, para fins de preservação.

 

 

Aniversário – 25.05.2014

“Seu Regi” chega aos 96 anos

 

Raimundo Marinho
Jornalista


Seu Reginaldo Tanajura Machado, carinhosamente mais conhecido como “Seu Regi”, completa hoje 96 anos de idade, festejados ontem (24), em casa, ao lado de familiares e inúmeros amigos, aos quais ofereceu uma bonita e aconchegante recepção. Filho de Alfredo Machado e D. Esther (falecidos), é um dos pouco mais de 40 livramentenses perto dos 100 anos. Parabéns! No convite, foi solicitado que os presentes fossem substituidos por alimentos não perecíveis, a serem doados a instituição de caridade.

Comerciante vitorioso, começou na década de 40, com uma sortida loja de tecidos. Viúvo de D. Jacy, é pai de Marinalva, Marinaldo (falecido), Maria Antonieta, Maria Nalcy, Elber Antônio, Helder Mauro (nascido morto) e Helbert Fernando. Avô de Marcelo, Marinaldo Júnior (falecido), Janaina, Fábio Roberto, Roberto Filho, Renata, Niomar, Yan Bela, Isis Loren, Ana Glória, Mauro, Helbert Fernando, Carol, Daniele, Luana, André e Leila; e muitos bisnetos.

 

 

Homenagem – 23.05.2014

Emerson recebe comenda
da Assembleia Legislativa

 

Raimundo Marinho
Jornalista

“Agradeço a medicina, a minha família, a política e a minha gente de Livramento, que sempre foram a minha própria razão de ser, de existir, de lutar e de viver”. Com estas palavras o Dr. Emerson José Osório Pimentel Leal, prefeito por quatro vezes de Livramento de Nossa Senhora, emoldurou seu agradecimento ao ser homenageado, na manhã de ontem (22), com a Comenda 2 de Julho, em sessão especial da Assembleia Legislativa da Bahia.

Natural de Livramento e, atualmente, diretor-presidente da Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comércio (Sudic), órgão da Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração do Estado da Bahia, Dr. Emerson ou Priquitão, como é mais conhecido em sua terra natal, despertou-se para a vida pública como médico do hospital local, de onde partiu para ser candidato a prefeito, em 1976.

“Venci a eleição e hoje estou absolutamente convencido de que a militância política é um caminho sem volta. Tanto isso é verdade que fui eleito quatro vezes”, afirmou. Formado em política na clássica escola do “carlismo”, aprendeu a ser extremamente dócil com os seguidores e implacável com adversários e inimigos políticos, embora sempre aberto a conciliações. Tornou-se um mito em sua terra!

A iniciativa da homenagem de ontem, na AL, foi do deputado Euclides Fernandes (PDT), que justificou, dizendo que “Emerson Leal é um médico cuja prática da medicina e na vida pública se dá de forma humanística e solidária”, destacando “sua impressionante dedicação com muita qualidade, competência e, sobretudo, coerência na incessante luta contra as situações de injustiça e desigualdade que atingem a maioria da nossa sociedade”.

O presidente da casa, Marcelo Nilo o qualificou como “homem sério, político exemplar, excelente pai de família que dedicou sua vida ao crescimento da Bahia”. Emerson Leal foi prefeito de Livramento de 1977/1983, 1989/1992, 1997/2000 e 2001/2004. Foi superintendente do IAPSEB, presidente da EBDA e presidente da União dos Prefeitos.

Na sessão especial de ontem, foi aplaudido de pé pelo auditório, lotado de parentes, amigos e muitos políticos. Entre os familiares, estavam a esposa D. Lia Leal, os filhos André, Ana Paula e o deputado Nelson Leal (compondo a mesa), além de genro, noras e netos, e a irmã Maria da Graça, desembargadora do TJB-BA.

(Fotos: site da AL)

 

 

Escola – 19.05.2014

Realizações no Boaventura

Sem fazer referência ao artigo do ex-diretor José Maria de Jesus sobre a recente derrubada de mangueiras no entorno do Colégio Estadual Edivaldo Machado Boaventura, onde foi construída uma quadra de esportes coberta, a professora Aurileide Brandão, atual diretora do estabelecimento, nos enviou um relato de suas realizações à frente da unidade, tida como um dos melhores educandários de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, ao lado do tradicional João Vilas Boas e da Escola Polivalente.
Lembramos que as escolas estaduais locais são muito bem aquinhoados de verbas educacionais, vindas da Secretaria Estadual da Educação, nem sempre bem aplicadas, como mostra matéria deste site postada em 27.03.2014. Pelo elenco de realizações apresentado pela diretora, o Boaventura parece aplicar bem os recursos.
Clique aqui e leia o relato da professora Aurileide, enviado via e-mail>>

 

Indignação – 18.05.2014

Mangueiras mutiladas

O professor José Maria de Jesus, ex-diretor da escola, está indignado com a derrubada de mangueiras no entorno do Colégio Estadual Edivaldo Machado Boaventura, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, ocorrida na semana passada. Para ele, houve uma devastação e, assim que as árvores foram mutiladas, tornou-se visível a cobertura de enorme galpão, onde existe uma quadra de esportes. Sobre o assunto, José Maria nos enviou um comentário em que condena a ação e relembra a origem das árvores. Clique aqui e leia, na íntegra>>

 

 

Qualifica Bahia – 18.05.2014

Programa realiza cursos
em Livramento e região

 

Técnica de vendas com inglês - Livramento

Raimundo Marinho
Jornalista

Livramento de Nossa Senhora, Dom Basílio, Rio de Contas, Caculé e Rio do Antônio estão entre os beneficiários dos cursos de qualificação profissional oferecidos pelo programa Qualifica Bahia, da Secretaria Estadual do Trabalho Emprego, Renda e Esporte, com parceria local do Centro de Formação e Organização Comunitária (CEFORC).

Em Livramento, os cursos formam cabelereiros, técnicos de vendas (com inglês) e eletricista predial.  Para Rio de Contas e Caculé, foi disponibilizado o curso de pedreiro polivalente. Em Dom Basílio, a formação oferecida foi para manicure, pedicure e pintura. Rio do Antônio também ficou com a formação para pintor.

Segundo o presidente do Ceforc, Hugolino Lima, o objetivo é habilitar trabalhadores para o mercado de trabalho, de acordo com as vocações de cada município. Nessa etapa, acrescenta, 160 pessoas na região estão sendo habilitadas. (texto produzido com informações do Ceforc)

Pedreiro – Rio de Contas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . Pedreiro – Caculé

Pintor – Rio do Antônio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manicure e Pedicure – Dom Basílio

 

 

 

Treinamento – 18.05.2014

Senai prepara mão-de-obra
para a Indústria Cidadã

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A divisão baiana do Serviço Nacional da Indústria (Senai) está ministrando em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, um curso sobre processamento e controle de qualidade de sucos, polpas e néctares de fruas, geleias e doces, promovido pela Sudic (Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comercial da Bahia), cujo presidente é o ex-prefeito de Livramento Emerson Leal.

A mão-de-obra será lotada e os produtos processados na Indústria Cidadã, instalada no bairro Benito Gama, que deverá ser inaugurada, finalmente, ainda este mês. Segundo o coordenador da unidade, Valdir Sampaio (da Barrinha), além da geração de novos empregos, serão reaproveitadas frutas do próprio polo de fruticultura da região. 

Acrescenta que estão empenhados na concretização do projeto o próprio superintendente Emerson Leal, o deputado Nelson Leal e o prefeito Paulo Azevedo, além dos representantes do Senai e do Sebrae. (Texto produzido com informações do coordenador da Indústria Cidadã)

 

 

Fazendo história – 17.05.2014

Semáforo é um marco
histórico em Livramento

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Hoje não se registra mais! Todavia, antigamente, na época, por exemplo, de Mário do Carmo Tanajura e de Rodrigo Alves Meira, certos acontecimentos de relevo para a cidade eram registrados, em anotações particulares, e ficaram na história de Livramento de Nossa Senhora, então Livramento do Brumado. São exemplos: primeiro juiz, primeiro banco, primeiro automóvel, chegada do telégrafo, do telefone e muitos outros.

Ontem à tarde, foi ligado o primeiro semáforo da cidade, divulgado com certa frugalidade, inclusive pela Prefeitura, apesar de levar a assinatura do atual prefeito Paulo Azevedo. É um evento importante, ainda que tardio, pois insere a principal zona urbana do município na modernidade. Será instrumento importante de inserção dos moradores no mundo da civilidade e de respeito em relação aos espaços de circulação humana.

Embora “cidade grande” nem sempre seja sinal de conforto, de alegria e de bons serviços, o semáforo indica que nossa cidade está crescendo, tornando-se necessário que o fluxo de seus automóveis e de pedestres tenha uma orientação técnica adequada, ou seja, moderna. Parabéns, pois, ao prefeito que, finalmente, concretiza, em pouco tempo, um projeto muito desejado e reivindicado.

Por ora, foram acionados apenas os faróis da Praça Zezinho Tanajura, em frente ao Colégio João Vilas Boas, que estão em fase de ajustes. Faltam os da Praça Francisco de Cássia Tanajura, em frente ao Centro Diocesano. A novidade surpreendeu e até irritou alguns motoristas, que estavam acostumados a trafegarem sem qualquer controle e sem respeitar a travessia de pedestres.

 

 

Novo sindicato – 17.05.2014

APLB faz convênios em
favor de seus associados

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O professor Jânio Soares Lima, ex-diretor do Colégio Estadual João Vilas Boas, suplente de vereador e diretor do núcleo regional da APLB Sindicato, órgão dos professores da rede estadual, está introduzindo um conceito novo, para a região, de presença sindical. E ganha destaque, principalmente depois do sumiço do SPEL, que congrega profissionais da educação municipal.

Tem procurado atrair a atenção da categoria, formada de profissionais da educação do Estado e do Município, para a discussão dos temas do setor, tendo como com um dos alvos principais, no momento, o descaso do atual governador para com a classe, inclusive sonegando o pagamento das atualizações salariais da URV, apesar da decisão judicial favorável aos docentes.

A APLB divulgou um livreto, muito bem elaborado, trazendo uma campanha de filiação, em Livramento, sob o lema “Filie-se à APLB, pegue sua carteira, e ganhe descontos”, seguindo-se de uma lista de 27 prestadores de serviços, onde o filiado poderá obter descontos, incluindo clínicas médicas, laboratórios, farmácias e diversos estabelecimentos comerciais.

 

 

MPB fica de luto – 09.05.2014

Jair Rodrigues,
o rei da música negra

Igarapava (SP) – 06.02.1939
Cotia (SP) – 08.05.2014

 

Márcia Oliveira
Professora

Prepare o seu coração/pras coisas que eu vou contar... Não houve tempo de nos preparar para a triste notícia sobre a morte desse fenômeno musical. Não importa, para nós, como ele morreu, mas, sim, como viveu. Apesar dos seus 75 anos de idade, Jair esbanjava vitalidade e não aparentava ter essa idade, talvez pelo seu jeito sapeca de eterno menino, da sua maneira de ver a vida, trazendo consigo a sua forte marca registrada: o sorriso.

Triste madrugada foi aquela em que ele se despediu desse mundo cheio de contradições. Talvez não quisesse, de maneira nenhuma, escrever a letra desse seu último samba, que, em vez de fazer o povo cantar, dançar, o fez chorar.

Jair começou a sua carreira participando de shows de calouros. De 1965 a 1968, ao lado de Elis Regina, comandou o programa O Fino da Bossa (TV Record), que iniciou, assim, os primeiros capítulos da MPB. Tornou-se ainda mais conhecido na época do Festival da Record, em que interpretou a música Disparada (Geraldo Vandré e Theo de Barros), em 1966.

Muitas canções se tornaram memoráveis na voz desse grande intérprete da MPB, como A majestade, o Sabiá, Romaria, Rancho fundo, Tristeza e, segundo os críticos da música, foi Jair Rodrigues quem inaugurou o ritmo “rap”, no Brasil, com Deixa isso pra lá, no início dos anos 1960.

Casou-se com Clodine e tiveram os filhos, também cantores, Jairzinho e Luciana. No dia seis de maio, Jair Rodrigues fez seu último show em São Lourenço (MG), para pessoas da terceira idade e, num momento de descontração, pediu para que uma equipe de enfermeiros aferisse sua pressão arterial e festejou, estava 12 por 8. “Plantou bananeira no palco”, o que sempre fazia e mandou um recado carinhoso para sua saudosa Elis Regina: “Pimentinha, dê um abraço em São Pedro e diz que eu não tô com pressa de ir!”.

Mal sabia que já estava a caminho de abraçar, não só o querido santo, como também a sua parceira de tantas canções. E, assim, se despedia daquelas mais de mil e quatrocentas pessoas da Feliz Idade, que o aplaudiram pela última vez.

Certamente, Elis Regina, na manhã de ontem, cantou para Jair: “Deixa isso pra lá/vem pra cá/o que é que tem?/Eu não estou fazendo nada/ nem você também/ Faz mal bater um papo assim gostoso com alguém?...” E ele foi ao encontro dela e de outras celebridades da música, que, felizes, o acolheram no Céu dos cantores.

No momento em que, na Terra, o samba chora, a música silencia, o sorriso abandona o rosto das pessoas, Jair Rodrigues entra em sua “morada celestial”, com seu jeito moleque de ser, cantando: “Tristeza, por favor, vá embora/minha alma que chora/está vendo o meu fim/fez do meu coração a sua moradia/Já é demais o meu penar/Quero voltar aquela vida de alegria/Quero de novo cantar...” Não, meu caro Jair, não é o seu fim. É um recomeço! Cante, Jair, e não apague o seu sorriso!

Sempre quando ouço a música Disparada, minha memória auditiva me transporta aos meus primeiros anos de vida, época em que tive a primeira noção do que era morte e de que as mães também morriam. Foi quando morreu D. Maria, esposa do senhor Josias Lessa, mesmo a certa distância em que eu estava da casa dela, aos meus ouvidos de menina chegavam o choro, os soluços dos seus filhos, pela perda da mãe querida. E por mais que a canção nos convida a “ver a morte sem chorar”... é impossível! É deveras impossível

Com essa canção, que se tornou um grande registro da MPB e marcou, de alguma forma, momentos não só da minha vida, mas da vida de tantas pessoas, convido, você, leitor, para um mergulho no tempo e recordar o inesquecível e emblemático Jair Rodrigues, nesse momento que é só saudade!

Prepare o seu coração para o vídeo que eu vou mostrar...

Acesse: www.youtube.com/watch?v=82dRs2z6iQs

 

Meio ambiente – 06.05.2014

O gigante com medo, talvez!

 

Foto: Raimundo Marinho/Mandacaru da Serra

Raimundo Marinho
Jornalista

Um relatório de 1.300 páginas, envolvendo 240 cientistas, deve ser divulgado, esta semana, pelo governo dos EUA, sobre mudanças climáticas causadas pela poluição ambiental, e seus impactos no território daquele país.

A notícia está em  www.luizprado.com.br, dedicado ao meio ambiente e desenvolvimento. O documento revela o que já vem sendo discutido amplamente pela maioria dos países e, no fundo, só confessa o reconhecimento da realidade, pela ainda mais poderosa nação do planeta.

Seria o indício de que o gigante das américas, que sempre resistiu aos acordos para controle dos poluentes industriais, teria se rendido aos graves sinais de resposta da natureza aos ataques destrutivos da humanidade. Que isso sirva para estimular a ampliação dos estudos e pesquisas a respeito.

Um trecho do relatório, citado por Luiz Prado, revela que “As mudanças climáticas, antes consideradas um conjunto de eventos para o futuro distante, moveu-se com firmeza para o presente.  As evidências são visíveis desde a mais alta atmosfera até o fundo dos oceanos”.  O que era previsto só para daqui a 100 anos poderá chegar na metade desse tempo.

Fonte da imagem: Internet/via Google . . . . . . .. . . Foto: Raimundo Marinho/Mandacaru da Serra

Acrescenta que “Os norte-americanos estão percebendo as mudanças climáticas em todos os lugares à sua volta.  Os verões estão mais longos e quentes, e os períodos de calor extremo se estendem mais do que qualquer norte-americano jamais experimentou.  Os invernos tornaram-se mais curtos e quentes.  A chuva chega em pesadas tempestades, embora em muitas regiões ocorram prolongadas secas entre elas”.

Aqui em nosso sertão, o mandacaru já não fulora mais na seca, nem a menina brinca mais de boneca. As chuvas este ano chegaram depois do Dia de São José, entre outros sinais. Mas a estupidez ambiental permanece, apesar de não termos parques industriais.

A água continua sendo depredada, solo, subsolo e o ar já estão contaminados por agrotóxicos, rios secaram, o bioma da caatinga e suas flores correm perigo. Tudo pela ação voluntária e violenta do homem, sob a leniência dos que deveriam fiscalizar.

Isso, no entanto, não é nada para a vastidão da natureza. Mas será tormentoso para os animais, o ser humano incluso, quando o ar se tornar rarefeito e a água ficar imprestável. Para se ter uma diminuta ideia disso, imagine um só dia em que a Embasa deixa faltar água em sua casa.

Sem falar no risco de degeneração do sistema reprodutivo de nossos meninos e meninas, ou mesmo dos bichos, fazendo nascer crias deformadas. Não sabemos o que o gigante fará do seu relatório, mas acordou! E nós?

 

 

Câmara – 06.05.2014

TCM acata denúncia de
Cambuí e multa Amorim

 

Contrato de João Amorim (D) foi denunciado por João Cambui

Raimundo Marinho
Jornalista

O presidente da Câmara de Vereadores de Livramento de Nossa Senhora (BA), vereador João de Amorim e Silva, foi multado em R$2.000,00 pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), por contratar serviços de contabilidade por R$130 mil, em 2013, considerado irrazoável.

A condenação se deu no julgamento de denúncia apresentada por João Batista Miranda Cambuí, conforme processo número 05941-13, alegando que o valor do contrato foi quase o dobro do ano anterior, para realização dos mesmos serviços.

Amorim ponderou que o valor foi compatível com o mercado, razoável e proporcional ao objeto pretendido. Mas não convenceu os conselheiros do TCM, para quem o gestor violou os princípios da moralidade, razoabilidade e economicidade, impondo ônus excessivo ao erário.

Clique aqui para ler a íntegra da decisão>>

 

 

Liberdade de Imprensa – 05.05.2014

Informação, um direito
fundamental do cidadão

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O ordenamento jurídico brasileiro elevou a informação ao patamar de direito fundamental do cidadão, incluindo a liberdade de imprensa como regra intocável. Dia três último foi o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) e hoje, dia 5, é o Dia Mundial das Comunicações.

Em meio às comemorações, no Brasil, emerge a lembrança do crescimento da violência e intimidações contra jornalistas, incluindo assassinatos, como ameaças graves ao exercício livre da profissão, única que garante ao cidadão aquele direito básico de cidadania.

Segundo as entidades de classe, 70% dos assassinatos, ocorridos nos últimos 20 anos, contra jornalistas, ficaram impunes. A Bahia está entre os estados mais agressivos nesse sentido.

Recentemente, foi condenado pela Justiça o ex-jornalista de A Tarde Aguirre Peixoto, hoje na Folha de S. Paulo, por denunciar crimes ambientais ligados ao setor imobiliário de Salvador.

No município de Saúde, o jornalista e radialista Ribeiro Souza, foi agredido, junto com seu filho menor, por um advogado, que ele denunciou por extorquir idosos em processos de aposentadoria. Chegava a cobrar R$3.500,00 por cada processo, bem acima do permitido pela lei, que é 20% sobre valores conseguidos na ação.

Livramento, infelizmente, está entre os municípios com pessoas envolvidas nesses tipos de falcatruas e também de descontentes com a divulgação de malfeitos. Existem várias ações intimidatórias nesse sentido.

A questão requer reflexão, nestas datas comemorativas, pois sem a informação os cidadãos serão mais facilmente manipulados e dominados pela falta de escrúpulo de certos profissionais e pelos políticos corruptos e criminosos.

Leia mais, em:

http://abi-bahia.org.br/site/violencia-contra-jornalistas-mantem-ameaca-a-liberdade-de-imprensa/

http://abi-bahia.org.br/site/no-dia-mundial-das-comunicacoes-entidades-repudiam-condenacoes-e-violencia-contra-jornalistas/

http://abi-bahia.org.br/site/entidades-protestam-contra-condenacao-de-jornalista-que-denunciou-crimes-ambientais/

 

 

Administração – 04.05.2014

Prefeito de Livramento faz
novo rodizio de secretários

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O prefeito Paulo Azevedo, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, rege novos passos na dança de cargos do primeiro escalão do governo municipal. Em única canetada, último dia 2, exonerou a secretária da Fazenda e a controladora geral, nomeando em seguida os respectivos substitutos.

No lugar de Kallyne Aguiar Cordeiro, que passa a coordenar uma tal de “distribuição de materiais de apoio pedagógico”, colocou, como secretária da Fazenda, Maria Rosa Gomes da Silva, exonerada da Controladoria Geral do Município, que passou a ser ocupada por Altemar Pinto Silva.

Não foram divulgados currículos dos nomeados. É a terceira mudança da atual gestão na Fazenda e Controladoria Geral. Veja atos nomeatórios em http://www.livramentode nossasenhora.ba.io.org.br/arquivos_clientes/edicoes/2014_05_02856004671.pdf.

O novo secretário da Fazenda terá de enfrentar um grave desafio, que é equilibrar as finanças do município, sem caixa até para a folha de pessoal, que já teria extrapolado o limite da lei de responsabilidade fiscal.

 

 

Artigo – 30.04.2014

100 anos de Caymmi,
o poeta do mar!

Salvador – 30.04.1914
Rio de Janeiro – 16.08.2008

 

Márcia Oliveira
Professora

Ele foi um cantor, violonista, pintor, ator e compositor que teve como tema a Bahia e todo o seu mistério: sua vida, seu povo, seu drama, amores, sua luta e toda poesia que está presente em cada canto da cidade, em cada olhar que busca entender os encantos de uma canção.

Caymmi foi pluralidade em suas músicas, cantou o mar em sua dimensão, suas dores e dissabores, nas ondas que levam nos saveiros os pescadores que partem sem saber se vão voltar: “É doce morrer no mar, nas ondas verdes do mar...”

Nas ladeiras da antiga Salvador, nas malícias do Rio Vermelho, na praia de Itapuã, cresceu o menino Dorival Caymmi. Unindo realidade e sonho fez das serenatas, das rodas de samba, dos terreiros de santos, da pesca, da preguiça gostosa, embalada na rede do tempo, o rascunho das suas canções, provando que “Quem não gosta de samba bom sujeito não é, é ruim da cabeça, ou doente do pé. Eu nasci com o samba, no samba me criei, do danado do samba nunca me separei...”

Podemos dizer que Caymmi foi o grande Patriarca de uma família Cantante. Casou-se com a mineira Stella Maris e tiveram três filhos: Nana, Dori e Danilo, que herdaram do pai o gosto pela música.

Sua sensibilidade era movida por tudo aquilo que dita o nosso cotidiano, a vida tranquila no ambiente doméstico, o cafuné imediato, que vem das suaves mãos da mulher amada, do riso pueril das crianças inquietas, das crendices, do cheiro gostoso, vindo da cozinha, da brisa noturna que convida para uma canção, tocada no violão...

Tudo para ele era sempre motivo para cantar! “Vejo, na música de hoje, uma evasão de sentimentos incontidos A necessidade de fugir a uma certa timidez que sempre houve no caráter do brasileiro”.

Caymmi é a imagem da própria Bahia, quer na pintura ou na música, no olhar sereno ou na voz grave que tatuou em nossa memória histórias cantadas que jamais serão esquecidas.

Nas engrenagens das notas musicais do seu coração eternamente apaixonado, escreveu “A maior e mais formosa arma de sedução é o silêncio. Nada se diz nem que ela pergunte. Muito acima de mim está minha querida, minha amada Stella”.
Foi um grande enamorado, sem dúvida alguma.

Crescemos ouvindo muitas composições de Dorival Caymmi. Canções que nos acompanham ao longo da vida:

“Marina, morena, Marina você se pintou/Marina, você faça tudo, mas faça um favor: não pinte esse rosto que eu gosto/E que é só meu/Marina, você já é bonita com o que Deus lhe deu...”.

Foi o pequeno Dori, o filho, que inspirou essa música, quando tinha quatro anos e vivia dizendo: “tô de mal, tô de mal”. A partir daí, surgiu a história de Marina, a moça que se pintou: “Desculpe, Marina morena, mas eu tô de mal”.

Ai! Minha mãe/Minha mãe Menininha/Ai minha mãe Menininha do Gantois...”

“Eu vou pra Maracangalha, eu vou/Eu vou de uniforme branco, eu vou/Eu vou de chapéu de palha, eu vou/Eu vou convidar Anália, eu vou/Se Anália não quiser ir eu vou só, eu vou só...”

Fotos da internet, via Google

“Quando eu vim pra esse mundo/Eu não atinava em nada/Hoje eu sou Gabriela, Gabriela iê, meus camarada...”

“O que é que a baiana tem?/O que é que a baiana tem?...”

Tem as doces lembranças e o reconhecimento de que Caymmi deixou para nós, em forma de canção, a história da Bahia, os mistérios de Iemanjá, os segredos da oração, o gingado do samba e a doçura do amor.

Suas músicas são um retrato da terra onde nasceu e delas destacamos Saudades da Bahia, como bem mostra o vídeo de Noemia Hime, publicado no Youtube. Acesse e veja: https://www.youtube.com/watch?v=2YSuvqqSPyM.

 

 

História do CEJVB – 25.04.2014

“Pingos” nos “is” e...
“cem anos de gratidão”!

O Colégio Estadual João Vilas Boas, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, que fez 64 anos em março, tem uma rica história, inclusive de dramas, como o vivido na década de 1990, quando suas instalações quase foram a leilão, para pagamento de indenização trabalhista, em ação que a direção teria deixado correr à revelia. Diante da ameaça, a comunidade interna se mobilizou e conclamou a sociedade em geral para um esforço no sentido de salvar o estabelecimento. E o fizeram com muita garra, determinação e esperança. Um instigante artigo do colaborador deste site, Jorge de Piatã, fala desse episódio e de um “misterioso” advogado que intermediou o acordo judicial que pôs termo à ação e tranquilizou a população. No texto, ele coloca “pingos” em muitos “is”. Clique aqui e leia, na íntegra>>

 

 

Administração – 27.04.2014

A dança dos secretários!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O prefeito Paulo Azevedo... ...já demitiu seis secretários, em apenas 16 meses de administração

O prefeito Paulo Azevedo, de Livramento, precisa voltar à Terra e abrir os vidros blindados onde é acusado de se esconder, se quiser evitar que sua administração seja fracasso mais retumbante do que foi a do antecessor. A onda amarela que o elegeu pouco lhe cobra e precisa acordar!

Primeiro, necessita sair da toca e passar a dar plantão nos canteiros das obras para as quais anunciou ter angariado recursos da ordem de R$28 milhões junto ao governo federal. Deve começar pelas inacabadas ligações Polivalente/Estocada e Avenida Nelson Leal/Bairro Taquari.

A inédita rotatividade do secretariado é sinal eloquente da falta de planejamento e de indispensáveis parâmetros técnicos de gestão. Assim como nomeia, aleatoriamente, aceita e promove as exonerações, mantendo-se impermeável às sugestões para que, de fato, governe.

Há secretários que saíram e nunca deveriam ter entrado, mas existem outros, como a doutora Efigênia, de reconhecida experiência, que, apesar de parente próxima do alcaide, teria deixado de implementar projetos  importantes por absoluta falta de acessibilidade ao gestor.

Em síntese, o caro prefeito mostra-se dominado pela síndrome do caramujo, na tosca visão administrativa em que leva mais em conta a opinião familiar, o que soa antirrepublicano, inconsequente e temerário, pois traz riscos de graves prejuízos para a comunidade.

E o tempo urge! Pela contagem normal, passaram-se 16 meses. Porém, no acelerado de 44 anos em 4, transcorreram-se 176 meses, quase 15 anos. Se não for drástico agora, dificilmente retomará o rumo no tempo que resta e terá sido apenas mais um a entravar o desenvolvimento do município.

 

 

Educação – 27.04.2014

APLB tem pauta ampliada
na campanha salarial 2014

 

Jânio Soares Lima, diretor da APLB

Raimundo Marinho
Jornalista

O núcleo regional da APLB-Sindicato, com sede em Livramento de Nossa Senhora, lançou a Campanha Salarial e Social 2014, cuja pauta contempla, além da atualização salarial, a saúde do professor, gestão escolar e qualidade do ensino e do serviço públicos.

O diretor do núcleo, Jânio Soares Lima, afirma que encaminhou o conteúdo da campanha à Câmara de Vereadores e à Prefeitura, apresentando o quadro diretivo da unidade regional da APLB.

Uma novidade trazida pela entidade é a união dos trabalhadores da educação do estado e do município. Deverá suprir a omissão do sindicato local, que abandou suas bandeiras assim que suas lideranças ocuparam cargos comissionados na gestão municipal.

Segundo Jânio Lima, está sendo reivindicado a aplicação do piso salarial, conforme a Lei Federal n. 11.738/2008, e garantia das vantagens do Plano de Carreira dos trabalhadores da Educação de Livramento, na forma da Lei Municipal n. 1.169/2011.

O piso determinado pelo Ministério da Educação para 2014 é de R$1.697,39, para 40 horas. A proposta salarial da campanha vai do piso a R$ 2.388,41, a depender  da carga horária, nível e tempo de serviço.

Sobre a saúde da categoria, a preocupação vem dos resultados de estudo da Universidade de Brasília, revelando que o professor está exposto a 57 tipos de doenças, na sua atividade laboral. Faltou mencionar as agressões físicas e morais que costumam receber dos próprios alunos.

Clique aqui para ver texto completo da campanha>>

 

Jesus vivo – 20.04.2014

Ele está no meio de nós!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A natureza humana é a mesma desde que o barro se fez carne ou que a evolução das espécies nos emancipou. Eliminar Deus de nossas considerações não clareia o enigma da engenharia humana, cuja eloquência está na própria engenhosidade da nossa anatomia.

Junto retalhos a que posso alcançar, para construir minha crença, iniciada no Pai-Nosso e na Ave-Maria que D. Maria me ensinou, quando eu nem sabia quem era eu. Na convicção de quem fuça a vida, vivo a realidade de Deus, Jesus é meu amigo e Maria, sua mãe, minha madrinha.

O sentido para a vida está dentro de nós. A busca é incessante! Mas nossas maldades e estupidez são demais e nos cegam! Continuamos surdos à mensagem de Jesus, que há mais de dois mil anos prendemos, açoitamos, humilhamos e deixamos agonizar até a morte em uma cruz.

E continuamos a torturá-lo, todos os anos, na simbologia da via-sacra, após a qual retornamos para casa, para nossa vidinha relutante e imutável. Saímos do gólgota das igrejas para nosso cotidiano de concupiscência, gula, malquerença, vingança, intolerância, desamor, corrupção e egoísmo!

Embriagamo-nos no vinho da intolerância e falta de compaixão, no viver mesquinho que nos torna desumanos e nos escurece a alma. Necessitamos do verdadeiro Jesus, que não está nas igrejas mundanas! Vamos buscar o Jesus que expulsou os vendilhões do templo, o amigo das criancinhas!

O Jesus, amigo de Madalena, que nos disse para vivermos como irmãos, para sermos reconhecidos como filhos de Deus! Vamos seguir o exemplo do Yeshua açoitado, cuspido, cheio de lama, coroado de espinhos, imolado na cruz e festejarmos com Ele a páscoa da verdadeira ressurreição.

 

 

A tortura do Messias – 18.04.2014

Nunca devemos esquecer:
Jesus foi cuspido e arrastado
no esgoto antes de ser morto

 

Raimundo Marinho

Jornalista

Os sofrimentos de Jesus foram muito mais brutais do que narram os evangelistas. Por conveniências políticas, nem Pilatos nem Herodes quiseram condenar o Cristo. Não viram nele qualquer crime que justificasse a pena de morte. E também tinham medo do poder do Messias, embora não reconhecessem isso publicamente.

Herodes fingiu ter visto nele apenas um tolo e o devolveu a Pilatos, que lavou as mãos e o entregou para ser condenado pelos seus inimigos. Eles distribuíram dinheiro para a claque e amedrontaram a população, dizendo que se Jesus não fosse morto, todos seriam perseguidos e castigados por Cesar, o rei de Roma. E a multidão ignorante gritou pela execução do Mestre.

Cansados e furiosos com as longas caminhadas, indo e vindo entre os palácios de Pilatos e Herodes, os inimigos descarregavam a raiva toda em Jesus, com as mais cruéis e abomináveis formas de tortura e de ultraje. Herodes sorria ao ver Cristo, de que tanto ouvira falar, reduzido a um trapo, sujo, imundo e coberto de sangue. Nem parecia mais gente!

Ao ver o Messias daquele jeito - desfigurado, desgrenhado, rosto dilacerado, imundo, túnica suja de lama – o rei virou o rosto, com um gesto de nojo e dó, dizendo aos sacerdotes:“Levai-o daqui, limpai-o. Como podeis trazer à minha presença um homem tão sujo e maltratado?”.

Herodes pediu a Jesus que provasse tudo que dele ouvira falar, os milagres as curas e se era mesmo filho de Deus, dizendo-lhe: “Que espécie de rei és tu?”. Como Jesus nada respondeu, o rei disse: “Levai este tolo, pois é mais um doido do que um criminoso”.

Jesus não foi só chicoteado, atiraram toda sorte de sujeira nele, fizeram-no andar sobre lama, para vê-lo tentar se equilibrar, cambalear, como se estivesse dançando, somente para ridicularizá-lo. Arrastaram-no por um esgoto, fazendo sua cabeça bater em paredes e pedras.

Muitos batiam nele, dizendo representar cada região onde moravam. Deram-lhe pauladas na cabeça e Jesus olhavam para os algozes de forma suplicante, gemendo de dor. Para zombar, os torturadores imitavam seus gemidos. Cada brutalidade era acompanhada de gargalhadas e insultos. Não houve quem lhe mostrasse piedade.

Então, gente, para alcançar a salvação, temos um longo caminho à nossa frente. Relembrar os sofrimentos atrozes contra Jesus, de ano em ano, na Semana Santa, é muito pouco. É muito comodismo dizer que Jesus já nos salvou. Se fosse hoje, provavelmente estaríamos entre aqueles furiosos torturadores.

Então, o que esperar do Messias e de Deus? Temos de fazer por merecer a sua complacência e sua benevolência! Podemos começar assumindo a vida de verdadeiros cristãos, sem hipocrisia, sem falsidade e conscientes de que o caminho é duro e de muitas dores.

Mas não desanimem, até o último momento, Jesus foi modelo de magnanimidade, que veio para passar a lição de Deus. No estertor da morte ainda insistiu e balbuciou: “Pai, perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem!”.

(Imagens copiadas na internet)

 

Letras de luto – 18.04.2014

Solidão na Literatura,
morreu García Márquez

Aracataca (Colômbia): 06.03.1927
Cidade do México: 17.04.2014)

 

Márcia Oliveira
Professora (*)

Foi com grande tristeza que li sobre a morte desse monstro sagrado da literatura mundial. Gabo, como era chamado pelos amigos, faleceu ontem, vitima de câncer, aos 87 anos. De Cem anos de solidão, ficamos ainda mais solitários, pois García Márquez, além de escritor renomado, foi ativista, editor, jornalista, político, um manancial de conhecimentos. Detentor de uma subjetividade inesgotável, transformava a palavra em sentimento e o sentimento em palavras, mesmo sendo elas, muitas vezes, insuficientes para revelar tudo que em sua alma transbordava.

Desde menino, despertou o seu interesse pela leitura. Com sabedoria e perspicácia, questionava sempre “por que se admitem letras mudas ou duas letras diferentes com o mesmo som e tantas outras normas sem razão?”. Teve a adolescência marcada pelo livro A metamorfose (Franz Kafka), que, segundo ele, mudou sua vida. Foi influenciado pela obra do “mestre escritor” norte americano William Faulkner, além de outros como Ernest Hemingway, Albert Camus... O nobre escritor colombiano era amante de boleros e, entre seus cantores preferidos, estava o brasileiro Nelson Ned: “Mas tudo passa, tudo passará/E nada fica, nada ficará/Só se encontra a felicidade/Quando se entrega o coração...”.

Mas os livros do grande artífice das letras não passarão, ficarão para todo o sempre, porque ele encontrou a felicidade entregando o coração em cada página que escreveu. Saudade, amor e solidão foram palavras recorrentes em sua obra: “Nostalgia é a matéria prima da minha literatura”, dizia. Seguro das escolhas políticas, fascinado pelo poder, foi amigo de Fidel Castro e, quando questionado sobre sua posição política, respondeu, enfaticamente: “A revolução não é perfeita”. Perfeição esteve, porém, achamos nós, na sua maneira de fazer literatura. Inigualável!

Vendeu mais de 40 milhões de exemplares de sua obra, traduzido em 36 idiomas. Criou o realismo mágico na literatura latino americana. Entre os muitos prêmios que recebeu, está o Nobel de Literatura (1982), pelo conjunto de sua produção. Sua obra prima foi Cem Anos de Solidão (1967), onde escreve sobre guerras, crendice e tragédias, na vila fictícia de Macondo. Esta seria, na verdade, Aracataca, onde o escritor nasceu - aldeia empoeirada, silenciosa e cheia de mortos. No livro, destacou, sobretudo, o ser solitário que existe em cada um de nós, como se extrai da frase: “O segredo da velhice agradável consiste apenas na assinatura de um honroso pacto com a solidão”.

García Márquez foi muito além de um literato perfeccionista, foi um encantador de palavras, transformadas em mensagens profundas, que mexem com sentimentos de todos nós, nos fazendo refletir e ter a sensação de que ele escreveu, muitas vezes, tudo aquilo que temos vontade de fazê-lo e não sabemos como, a exemplo de:
“Um único minuto de reconciliação vale mais do que toda uma vida de amizade”.
 “Ninguém merece tuas lágrimas, mas quem quer que as mereça não te vai fazer chorar.”

Fotos copiadas da internet, via Google

Em Amor nos Tempos do Cólera, Gabo é pura inspiração: “Ele ainda era demasiado jovem para saber que a memória do coração elimina as coisas más e amplia as coisa boas,  e que graças a esse artifício conseguimos suportar o peso do passado”.
Fora da ficção, claro, casou-se com Mercedes Barcha, com quem teve dois filhos: Gonzalo e Rodrigo. É impossível acreditar que o dono de uma mente prodigiosa pudesse, nos últimos anos, ficar sem o encanto de suas criações devido à demência senil e à perda de memória. Lutou contra um câncer linfático, por cerca de 15 anos, ao qual veio a sucumbir, ontem, na Cidade do México. Escreveu a autobiografia Viver para contar (2002) e teria deixado inacabados Tigra e Em agosto nos vemos. Não teve tempo para contar tudo o que, na verdade, gostaria de deixar para a posteridade, mas suas obras são o muito que sentiu, pensou e viveu.

Eu não gostaria de escrever essa Crônica de uma morte anunciada, como fez o grande escritor colombiano. Gostaria, na verdade, de escrever-lhe uma crônica sobre o viver, abraçando o lado mágico da liberdade criadora, o encantamento encontrado na literatura, como fez você, Gabo, que nos deixou como legado inúmeras obras, marcas do seu renascer para as gerações futuras, reconhecendo que você levantou a autoestima dos latinos.

Graças a você, a Literatura latina se fez conhecida e reconhecida no mundo inteiro, apesar dos pesares. Dias de solidão certamente viveremos nós, amantes da literatura, face ao silêncio total, desse momento,  em nossas almas, porque morreu Gabriel García Márquez!

(*) Márcia Oliveira ensina Literatura e Língua Portuguesa no Colégio Estadual João Vilas Boas, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia.

 

Estado no caos – 16.04.2014

Desgoverno do governo
e uma greve anunciada

 

Raimundo Marinho
Jornalista

PM em formação: foto reproduzida do Portal Alagoinhas News

A greve da Polícia Militar tem, sim, forte componente político, mas tudo no Estado é político. Além disso, desde quando só deve haver política entre os políticos, os governantes? Seria  uma tremenda e inaceitável desvantagem para os governados, sobretudo em nosso Brasil, de tantos políticos e governantes corruptos e desavergonhados!

A despeito das graves consequências para a população e da ilegalidade da greve, a tropa está no legítimo direito de impor ao governo aquilo que ele jamais faria pelas vias normais, que é proporcionar condições dignas de trabalho ao setor. Falar em melhorar a educação e a segurança pública sem incluir condições dignas de trabalho e salario é um enojante cinismo.

Jaques Wagner e Marcos Prisco, lider da greve de 2012 (foto internet)

A Constituição Federal de 1988, art. 142, parágrafo 3o, inc. IV, proíbe expressamente sindicalização e greve por militares, devido à natureza de suas funções, que têm de ser exercidas em plenitude. Caberia, então, ao Estado fazer sua parte e impedir, dentro dos parâmetros da proporcionalidade e razoabilidade, as motivações para greve, evidentemente rebatendo eventuais intransigências.

Por conta do que reza a Constituição, a atual greve já foi decretada ilegal pelo Tribunal de Justiça da Bahia, em decisão monocrática do desembargador Roberto Frank. Mas o governo estadual, repita-se, é cínico, não cumpre a obrigação constitucional de prover a segurança pública, que incluiu a dignidade dos servidores.

O próprio secretário estadual da Segurança Pública disse que o governo vem negociando há nove meses com os militares. É a confissão da incompetência para se resolver, com agilidade, um corriqueiro problema de gestão pública!

No desgoverno, em meio a desculpas de sempre, os bandidos assumiram o comando e promoveram uma quarta-feira de horror, na capital, ficando a comunidade, comerciantes, trabalhadores, famílias expostas à insegurança pública total, com medo, de portas fechadas, antes os assaltos, os arrastões, os saques e a depredação.

 

Visita – 16.04.2014

Presidente do TRE visita
cartório em Livramento

 

Dr. Lourival e servidores Breno e Guilherme, na 101a Zona Eleitoral

Raimundo Marinho
Jornalista

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Lourival Almeida Trindade, fez uma visita informal, ontem, às instalações do cartório da 101a Eleitoral, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia. Foi recebido pelo chefe da unidade Guilherme Moreira de Souza.

Segundo Guilherme, houve uma conversa amena sobre as atividades do cartório, tendo os funcionários aproveitado para saudar o desembargador pela assunção ao cargo de presidente. A 101a Zona Eleitoral, a que o cartório serve, tem como titular o juiz João Lemos Rodrigues.

 

Falta d’água – 14.04.2014

Embasa fala verdade e
denuncia os irrigantes

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Na região do Itaigara e Pituba, em Salvador, está faltando água. Segundo o síndico do meu prédio o motivo seria greve de funcionários da Embasa, que não vi noticiada nos veículos locais de comunicação. Um absurdo o governo estadual, leia-se Jaques Wagner, deixar a situação chegar a esse ponto!

Faz lembrar Livramento de Nossa Senhora, a 720 quilômetros da capital, onde também falta água, por causa diversa, mas também humana. O escritório local da Embasa distribuiu nota, dia 8, dizendo que a causa é a ação ilegal de irrigantes, que impede a água de chegar ao local de captação.

Acrescenta que a empresa está acionando a fiscalização e monitorando o curso do rio a fim de impedir o desvio ilegal cometido pelos produtores. Não é a primeira vez que isso acontece, no trecho do rio entre a barragem de Rio de Contas e a barragem de derivação do DNOCS, em Livramento.

Pelo visto, há reincidência. Então, que sejam identificados e denunciados os autores do crime. É hora da Polícia entrar em campo, do Ministério Público agir, da Agência Nacional da Água fazer alguma coisa, do Inema dizer para que existe. E, principalmente, da população mostrar que está viva.

Parabéns à Embasa de Livramento, que deixa de culpar a seca para apontar o que, de fato, provoca falta de água para o consumo humano na cidade. Mas não custa perguntar: onde estão as autoridades municipais, como prefeito e vereadores, e outras lideranças, que não fazem nada?

 

Entrevista – 08.04.2014

Corrupção refina-se
e corrói a sociedade

O desembargador Lourival Trindade, natural de Érico Cardoso, na Bahia, antiga Água Quente, que adotou Livramento para trabalhar, onde constituiu família, casado com D. Elizabeth, pai de Alan e das advogadas Mona Lisa e Palas Atenas, e aqui fez sua brilhante carreira como profissional do direito. Agora, é, também, presidente do Tribunal Regional Eleitoral. Ele teve a deferência de conceder entrevista exclusiva ao O Mandacaru, respondendo perguntas do jornalista Raimundo Marinho. Deu verdadeira lição de cidadania e verberou contra a corrupção que esgarça, cada vez mais, o tecido social, no Brasil. Segundo o jurista, “a corrupção é erva daninha que se alastra nos indivíduos e nas sociedades”. Clique aqui e leia, na íntegra, a entrevista>

 

 

Imprensa – 08.04.2014

Dia do Jornalista lembra
as lutas e as dificuldades

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O jornalista sempre incomodou ocasionais ocupantes do poder ou quem dele, de alguma forma, se locupleta. Costuma despertar sentimentos variados, conforme a ocasião. Na minha trajetória, por exemplo, já fui alvo de ódio, admiração, inveja, respeito, carinho, gentileza, amor, parabéns, incentivo, revolta, descontentamento, bajulação, amizade etc.

A reportagem já me levou aos mais profundos contrastes sociais, da pobreza comovente nas periferias urbanas, à suntuosidade dos palácios governamentais. Na maioria das vezes, fui tratado com gentilezas, embora algumas soassem falsas, ou eram para o jornal que eu representava.

Mas o que sempre me interessou foram os benefícios da informação, democraticamente distribuída. Como dizia Ernesto Simões Filho, fundador de A Tarde, minha escola de jornalismo, muitos têm na imprensa a última instância e o jornalista o único interlocutor ao seu alcance.

Só em situações especiais, como quando fui injustamente processado por uma promotora de justiça, é que costumo revelar as durezas das veredas percorridas, por considerar que os espinhos fazem parte do caminho.

Os perigos vão de simples ameaças e tentativas infames de desacreditar o profissional ou mesmo o assassinato de jornalistas. Segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras, o Brasil é o primeiro nas américas em mortes de jornalistas e o terceiro no mundo.

Em nosso país, jornalistas costumam ser intimidados por máfias de criminosos e pelas autoridades, estas através de processos judiciais, por insurgirem-se contra a corrupção e os desmandos governamentais.

Para nós, Justiça, Ministério Público, Imprensa e entidades como a Ordem dos Advogados são, em nosso país, vigilantes atentos e guardiões do Estado Democrático de Direito.

Obrigado ao distinto amigo Vinicius Costa, advogado, que assim se expressou, lembrando o dia da nossa categoria: “Meu reconhecimento ao importante papel de todos jornalistas na edificação do estado democrático e da cidadania. Parabéns a todos jornalistas, nas pessoas dos amigos Clécio Max, Raimundo Marinho, Lucia Oliva, Yonélio Sayd e Marcos Santos".

Manifestação da Federação Nacional dos Jornalistas

Nós, reunidos no 36° Congresso Nacional dos Jornalistas, saudamos, a partir de Maceió (AL), toda a categoria, pelo dia 7 de abril, Dia Nacional do Jornalista. A data é celebrada em um período especialmente conturbado para a profissão.

Constatamos a falta de compromisso do governo brasileiro, que chega ao final de mais um mandato apostando na aliança com o setor de telecomunicações e abrindo mão de implementar políticas públicas a partir de propostas construídas no processo democrático da 1ª Conferência Nacional de Comunicação.

Assistimos à perigosa e crescente fragilização do papel da mediação, valor tão caro à democracia moderna, como um processo de retrocesso político no país. Testemunhamos as agressões à jornalistas evoluírem até seu ponto máximo no assassinato do repórter cinematográfico Santiago Andrade, da TV Bandeirantes.

Mas, a cada golpe contra os jornalistas, o jornalismo e a democracia na comunicação no país, nossa resposta tem sido a luta. Apontamos para a unidade da categoria na luta contra a violência, por melhores condições de trabalho, por mais regulamentação profissional e pelo aprofundamento dos valores democráticos na sociedade brasileira, como a principal forma de transformar essa realidade.

 

 

Tempos bons – 06.04.2014

Flagrante que se eterniza!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Esta foto, no melhor do tradicional preto & branco, é do arquivo de Diva Tanajura, postada no face book, para deleite de saudosistas como nós.  Nos remete a 1955, na pequena Caetité (BA), formatura como professoras desse encantador grupo de mulheres, muitas delas de Livramento.

Remonta ao tempo em que professor, diferente de hoje, era tratado com respeito, pela escola, alunos e pela sociedade. Na época, Caetité, berço do genial Anísio Teixeira, era a capital sertaneja da educação, cultura e saber.

Na rede social, o professor Francisco Bastos, um ás da profissão, referiu-se a seu mestre Alfredo José da Silva, que está no retrato, escrevendo:  Ensinava português no Seminário de Caetité. Os alunos chamavam-no de prof. "per si"... porque na hora da prova ele recomendava: "agora, cada um de per si...".

E nas sabatinas ele lhe dizia: "dá um quinal aí, no seu colega, seu Rêgo!!!...". Sabem o eram “sabatinas”? E “quinal,” alguém sabe? Chico recorda, ainda, as “disputatios publicas”, adotada pelos professores de latim, francês e grego, às quais compareciam até as altas autoridades locais.

Ano 1955, da excursão do Botafogo pela Espanha, com Mané Garricha e tudo, onde empatou de 2 x 2, com o Real Madri. Tempos dos cabelos curtos, da Aero Willys, mas no sertão o principal meio de transporte era o animal. As meninas de Livramento faziam a viagem em duas etapas, dormiam em São Timóteo. O presidente do Brasil era Café Filho.

Fotos pequenas: tiradas da internet

Little Richard, com Tutti Frutti; Chuck Berry, com Maybellene; Elvis Presley, com Mystery Train; e The Platters, com Only You, lideravam os sucessos musicais internacionais. Entre os nacionais, despontavam: Ataulfo Alves (Pois é...), Luiz Vieira (Nossos destinos), Geraldo Pereira (Escurinho), Tito Madi (Como é triste um adeus) e Zequeti (A voz do morro).

Mas voltemos às meninas da foto. São elas, segundo lista enviada por Diva Tanajura, de cima para baixo e da esquerda para a direita: Luciene, Dulce Magalhães, Azelma, Bernadete Meireles, Ana Flora, Darcy Tanajura, Edimar, Maria do Livramento Guimarães, Nivalda Fernandes, Lenita, Diva, Isabel, Osvaldina, Teresinha Brito, Avani, Clarice Correia, Edimar, Iracema, Denise, Maria de Lourdes Pessoa, Jurandir, Elenisa Pichimel, Maria do Carmo (Lili), Maria Aparecida Meira (Lili), Paquita, Teresinha Moura, Clarice Vilasboas, Adir, Zelia (Lapa), Neusa Alcântara, Alice, Inês, Annete Alcântara, Madalena. Professores: Alfredo e Nisinha (irmã de Helena Lima).

 

 

Muito teatro – 05.04.2014

Jogo de cena dos políticos!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Acertamos ao antecipar aqui que Paulo Souto seria o pré-candidato oposicionista ao governo da Bahia, nas próximas eleições. Dissemos o obvio, mas vamos arriscar um pouco mais de longe: ele será eleito governador. Oposição e situação fizeram jogo de cena, no processo de escolha dos pré-candidatos, para anunciar o que já se sabia desde o início.

O objetivo foi manter os nomes dos pretendentes nos espaços midiáticos, em busca de visibilidade eleitoral, beneficiando, principalmente, os afetados por atuações medíocres como políticos. Os mass media cederam à manipulação e saturaram os canais jornalísticos com o enredo novelesco fabricado, com direito a “cenas do próximo capítulos”.

São partes do jogo os muxoxos de Marcelo Nilo e Geddel Vieira Lima, pois sabem que não têm ainda a largura exigida pela magna função de governador, como não a tem o desconhecido Rui Costa, poste que Jaques Wagner quer empurrar goela abaixo dos baianos. Ao meu amigo Marcelo restou disputar e perder a vice, ficando em patamar ainda mais baixo.

A Geddel, de bons palavrões, em ambientes fechados, mas também conhecido pela inteligência e arrojos políticos e administrativos, sobrou a dura disputa da vaga para o Senado, com Otto Alencar, ou  uma nanica e suicida candidatura solo, já que muito lhe falta dos pré-requisitos de acesso, ainda que pelo voto, à mais alta magistratura do Estado.

Lembro-me dele em dois momentos, em Livramento: ao entrevistá-lo e numa promessa aos eleitores, quando era ministro da Integração Nacional. Perguntei-lhe se iria concluir o Perímetro Irrigado do Brumado, paralisado há mais de 20 anos. Com certa deselegância, permeou a resposta com a frase: “eu sou ministro do Brasil, não sou ministro apenas de Livramento” (http://www.mandacarudaserra.com.br/arquivo/2008/abril_2008.htm).

A promessa foi na inauguração do comitê eleitoral de Carlos Batista (2008), quando proferiu a sugestiva frase: “me entreguem Carlão prefeito e nós vamos fazer a nossa parte”. Foi-lhe entregue e ele não cumpriu a promessa (http://www.mandacarudaserra.com.br/politica/2008/politica_julho_2008.html).

 

 

50 anos depois – 03.04.2014

Dia de lembranças na
entidade dos jornalistas

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Contrastando com o que fora, segundo relatos da época, os dias sombrios de abril de 1964, a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) viveu hoje, 3 de abril, uma manhã calma, com depoimentos dramáticos, porém serenos, de jornalistas que passaram pela torturante experiência do Golpe Militar, com apoio civil, deflagrado no Brasil, em 31 de março de 1964, quando se instalou no país uma das mais cruentas ditaduras latino-americanas.

Jornalista Emiliano José: torturado no Barbalho

Os depoimentos ocorreram na Mesa Redonda Imprensa e Censura, com a qual a ABI iniciou suas reflexões sobre os 50 anos do evento fatídico que durou 21 anos. Foram convidados para compor a mesa o fotógrafo Valter Lessa, o escritor Emiliano José, o professor Nelson Cerqueira e o ex-presidente da entidade Samuel Celestino. Mas falaram, também, João Eurico Mata, Agostinho Muniz e Romário Costa Gomes.

As falas giraram sobre a drástica censura à imprensa, perseguição, tortura e morte de adversários do regime, além da figura dos torturadores. O número de mortos é estimado em 500 mil, mas novas pesquisas sinalizam para número maior. A nosso ver, o testemunho mais comovente, mas objetivo, foi do ex-deputado Emiliano José, jornalista e escritor, autor de Lamarca – Capital da Guerrilha, coautoria com Oldack de Miranda, também jornalista.

R. Marinho, Samuel Celestino e Walter Pinheiro

LEVADO NU PARA TORTURA

Emiliano começa narrando o ato da sua prisão e que foi introduzido, pelos militares, no forte do Barbalho, local da tortura, em Salvador, completamente nu. Passou pelo pau-de-arara, asfixia na água, choques elétricos e outras formas de sofrimento físico.

Ficou preso durante quatro anos e se considera um sobrevivente. Falou da frieza e sadismo dos torturadores e destacou um deles, que voltou algumas vezes para lhe pedir perdão. Enfim, foi apresentado um painel do horror que foram os chamados “anos de chumbo” da vida brasileira.

Em 1964, eu tinha 14 anos, estava no Ginásio (Ensino Fundamental II de hoje), em Livramento, com pouco acesso às informações. A boataria era grande e se dizia que os militares tomaram o poder para evitar o comunismo e que isso era bom para o país. Não nos foi esclarecido que, na verdade, foi deposto um governo constitucional, através de um golpe de estado.

A junta militar do governo provisório prometia eleições democráticas, mas acabou tomando o poder definitivamente. A crueza e dura realidade só vim conhecer em Salvador, para onde fui em 1971, em pleno governo do general Médici. Foi sob a égide da constituição ditatorial e do Ato Institucional n. 5, que cursei a Escola de Jornalismo (1972-1975) e de Direito (1979-1983).

A mesa redonda da ABI, coordenada pelo presidente da entidade Walter Pinheiro, foi um momento de lembranças, daquelas que fazem chorar, sobretudo diante da narração de episódios de censura aos jornais, como o que relatou Nelson Cerqueira, em que uma edição do então Jornal da Bahia circulou com os espaços da manchete em branco, pois a matéria fora retirada por um general, tarde da noite, quando não era mais possível colocar outra.

Fotos: Juarez Matias/ABI

 

 

Greve relâmpago – 02.04.2014

Nova greve paralisa os
serviços públicos na Bahia

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Apenas cinco dias após a paralisação de 28 de março último, os servidores públicos da Bahia voltam a ser convocados para outra parada de 24 horas, neste 2 de abril. Quem convoca é a Federação dos Trabalhadores Públicos do Estado da Bahia, que congrega as entidades de classe do segmento.

Nem foi divulgado o resultado do movimento anterior e outra parede é anunciada. Na pauta, reajuste salarial e a diferença da URV, que o governador Jaques Wagner não quer pagar. A APLB-Sindicato, dos profissionais da Educação, reforça a convocação e conclama os filiados a cruzarem os braços.

A decisão de parar ocorreu em assembleia no Ginásio dos Bancários, em Salvador. Na capital, haverá concentração na Assembleia Legislativa, a partir das 9h. O núcleo da APLB de Livramento informa que haverá reunião plenária, no Centro Pastoral Paroquial, a partir das 8h.

Os servidores têm razão de espernearem. Além dos baixos salários, são ignorados pelos governantes e por boa parte da sociedade. Talvez as entidades da classe devam abrir a pauta, tornando-a menos corporativa, para discutir, por exemplo, a qualidade da educação e a segurança pública.

A maioria das escolas está um caos, devido à má gestão, ao agravamento da indisciplina, da insegurança e à própria postura de docentes e gestores, que avacalham a própria profissão. É vergonhosa, por exemplo,  a aprovação graciosa de alunos relapsos e faltosos, só para se verem livres deles.

É o que costuma acontecer, como em Livramento, no tal conselho de classe, criado em respeito a alunos dedicados, merecedores de uma segunda chance, mas foi transformado em algo indecoroso, que agride os critérios regimentais, para aprovar alunos só porque planta maracujá, trabalha na manga, é bom de bola ou toca na fanfarra da escola.

 

 

ADAB na Escola – 31.03.2014

Projeto forma jovens para
praticar ações sanitaristas

O desenvolvimento da agricultura, no Brasil, tem sido fundamental para o incremento da produção e a respectiva elevação da renda econômica, mas também trouxe muitas mazelas, como o tratamento predador do meio ambiente, principalmente através do uso abusivo dos recursos naturais e da utilização indiscriminada de produtos químicos.

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) trouxe para Livramento de Nossa Senhora, através do escritório local, o projeto ADAB na Escola-Formando Jovens Sanitaristas, que pode minimizar essas mazelas. O objetivo é discutir temas da saúde animal e vegetal, despertando os estudantes e as famílias para a adoção de hábitos saudáveis e seguros que levem à garantia da saúde e a consequente melhoria da qualidade de vida.

Os professores treinados e a equipe técnica da ADAB

Como parte do projeto, técnicos da ADAB promoveram o treinamento de professores, dias 27 e 28 de março, no Centro Educacional David Mendes Pereira, distrito de Iguatemi, em parceria com a prefeitura. Os docentes vão trabalhar com alunos da 6a. Série. Foram abordados os seguintes temas:

O que é ADAB (Antônio Fidalgo), Projeto ADAB na Escola (Maria das Graças Gusmão e Heloisa Brandão), Brucelose e tuberculose (Gladys Teixeira Silva), Febre aftosa (Antônio Valentim Fidalgo), Mel (Rejane Peixoto Noronha), Raiva dos Herbívoros (Wanderley Lauria Junior), Agrotóxicos e Campo Limpo (Weber Aguiar),  Defesa Sanitária Vegetal (Ricardo Falcão de Sá) e Métodos Pedagógicos Aplicáveis no Projeto ADAB na escola (Ivany Mendonça).

 

 

Política – 30.03.2014

Acho que será Paulo Souto!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O portal Bahia Notícias, do meu amigo Samuel Celestino, em texto assinado por Evilásio Júnior, divulgou ontem o que seria “ato falho” do prefeito de Salvador ACM Neto, ao se referir ao secretario James  Correia como “representante do governador Paulo Souto”, na posse da nova diretoria da Ademi (Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia).

Na interpretação do site, a “derrapada” do prefeito teria sido a antecipação inconsciente do anúncio, prometido para a semana que vem, de que Paulo Souto será o escolhido para encabeçar a chapa das oposições na eleição de governador deste ano, em detrimento do outro pretendente o ex-ministro Geddel Vieira Lima, que minimizou o fato: Acho natural.  Se eu estivesse lá, ele diria ‘o ministro Geddel Vieira Lima’ (A Tarde, 30.03.2014, p. B2).

Também não acredito que tenha havido “ato falho” no sentido que lhe fora atribuído pelo Bahia Notícias. Seria mais no sentido de coisa natural, como frisa Geddel, de se chamar Paulo Souto ainda de “governador”, por já ter ocupado o cargo. O constrangimento de Neto seria, portanto, por trocar as bolas, uma vez que o governador, na verdade, é Jaques Wagner.

Mas, isso à parte, arrisco a dizer que o escolhido por Neto será mesmo Paulo Souto, apesar do vasto currículo político e administrativo de Geddel Vieira Lima: deputado federal, cargos administrativos no governo estadual, vice-presidente da Caixa Econômica  e ministro da República. Entretanto, a nosso ver, perde para o ex-governador em densidade eleitoral e no que, entendo, a maioria do eleitor tem como perfil ideal para ser governador do Estado.

As ponderações supostamente feitas são que a escolha é semelhante à de Sofia, haveria perdas dramáticas em qualquer situação. Mas seria apenas perdas políticas do grupo contrariado, que não alteram o ânimo do eleitor. E o que se espera é que Neto, pela experiência que acumula, não se pautará pela dramaticidade grupal e sim pelas perspectivas de resultado eleitoral.

Se a escolha recair sobre Paulo Souto, a tendência é o esperneio somente do grupo restrito de Geddel, mesmo assim não serão todos, que passaria a ser o melhor candidato ao Senado. Se o escolhido for o ex-ministro, a reação tende a contaminar o  eleitorado que, aí sim, é o que conta, devido à densidade eleitoral do ex-governador, tida como maior que a do peemedebista.

Ou seja, a ponderação não é de humores de bastidores e sim da vastidão dos eleitores, do que ACM Neto é exímio conhecedor. Então, aposto que o escolhido será Paulo Souto, em nossa opinião, único capaz de ameaçar ou mesmo deter as pretensões do petista Rui Costa, ungido de Wagner.

 

 

Itaipava Brasil – 30.03.2014

Lei da Copa afronta os
aposentados brasileiros

 

Foto:futebolememoria.files.wordpress.com

Raimundo Marinho

Jornalista

Na Copa, nosso país será mera acessão da Fédération Internationale de Football Association e poderia se chamar Itaipava Arena Brasil Fifa. Não proibimos a propaganda de bebidas alcoólicas, mas o Ministério da Saúde impõe seja colocado nos anúncios o alerta: “beba com moderação”. Isso significa nada num pais com alto índice de alcoolismo, que destroça tantas vidas e tantas famílias.

Porém, ao abrir as pernas para a cervejaria, está a dizer: “beba até cair”. A Lei da Copa (n. 12.663/2012) mostra a extensão da abertura de pernas, que leva tudo às entranhas dos brasileiros, sob aplausos políticos e midiáticos. Nos artigos 12 a 15, impõe total controle da imprensa e uso de imagens e informações, preservando os insaciáveis planos comerciais da FIFA.

Mas o absurdo maior da Lei nada tem a ver com a FIFA e sim com a safadeza brasileira. Está no art. 37 e seguintes que concedem a cada jogador titular ou reserva das equipes campeãs das copas de 1958, 1962 e 1970 um prêmio fixo de R$100 mil, à vista, sem encargos, e aposentadoria vitalícia pelo teto do INSS (R$4.390,24), chamada “auxílio especial mensal para jogadores sem recursos ou com recursos limitados”. Quando o beneficiário morrer, fica para os sucessores (viúva, filho menor de 21 anos ou inválido).

De certa forma, isso afronta os aposentados brasileiros, muitos dos quais não podem comprar nem mesmo os remédios de que necessitam na velhice, muito menos pagar um plano de saúde. Sem falar que, para se aposentar hoje no Brasil exigem-se 35 anos de contribuição, ou 30 se mulher, além de ter de cumprir outras exigências rigorosas, como idade, ágios etc.

Para ver a íntegra da Lei, acesse: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Lei/L12663.htm

 

Justiça Eleitoral – 29.03.2014

Dr. Lourival silencia plateia
com discurso contundente

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Na sessão especial, ontem, homenagem dos seus pares pela posse como presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia, ocorrida último dia 13, o desembargador Lourival Almeida Trindade silenciou e levou a plateia à reflexão, com um discurso contundente, objetivo e lírico ao mesmo tempo, realista e emocionante, na classificação dos que o cumprimentavam.

Manejou com maestria citações de diversos autores, do poeta Thiago de Melo ao jurista Hermes Lima, de Lord Thomas Cochrane ao filósofo Michel Foucault,  de Caetano Veloso ao poeta Fernando Pessoa, para espelhar a realidade socioeconômica, moral e político-eleitoral do país. E fez uma “convocação cívica” a jovens e mulheres para o voto nas eleições deste ano.

“Não estou envaidecido, mas comprometido com o cargo”, disse, frisando que não se apartará do “ético e do estético, no lirismo da vida”, unido aos servidores da casa, a cuja dedicação e qualificação  fez menção por várias vezes. Pediu desculpas pelo que chamou de “lirismo de funcionário público”, modestamente qualificado por ele de “lirismo vagabundo”.

Foto: site do TRE-BA

O TRE é a “casa da cidadania e da democracia, de que o voto é a representação”. Lembrou a utopia da juventude,  como no seu tempo, cheia de arroubos, que impulsiona para o futuro, onde se saboreava o passar das horas, sem pressa, “o destino e a certeza eram o horizonte, havia capacidade de sonhar, mudar a vida e o mundo, o que se refletia na política”.

Hoje, “a juventude está desalentada com os políticos”,  “vive-se o reinado do instante, do aqui e agora, do culto aos prazeres, de sonhos anulados, perda da capacidade de amar e acreditar no futuro”, “o desenvolvimento tecnológico levou ao subdesenvolvimento moral”. Mas não vê culpa nos jovens, pois “em meio à crise de motivação, todos somos vítimas e na sociedade de vítimas não se sabe quem é o culpado”.

Vê o “triunfo do cinismo”, em que “o certo e o errado, o justo e o injusto perderam o sentido”, que “a sociedade moderna é gerenciada pelo cinismo” e a globalização é o “fascismo branco do século 21”, que a nação virou um mercado e os cidadãos transformados em súditos, em mercadoria.

“A esfera pública perdeu sua natureza iluminativa”, em face do capitalismo selvagem, na convivência indigna do banquete festivo de poucos e a fome pelo mundo afora, no rigor da velha tese de “poucos com muito e muitos com muito pouco”.

Acredita ser temerária a difusão da ideia errônea de que  o “absenteísmo na política é irrelevante”, frisando que a impunidade torna os corruptos ainda mais ousados. Condenou qualquer tipo de censura à imprensa, com a intenção de encobrir a onda de corrupção, qualificando esta como “erva daninha que se entranha no indivíduo e na sociedade”.

Apesar de tudo, disse que não perdeu a esperança nem a fé e ainda vê espaço para a “utopia esperançosa”, como nos idos da sua juventude. Manifestou certeza de que a fase ruim passará, “a primavera da esperança há de alvorecer, chega de desesperança e de descrédito” e tudo pode começar neste ano, com a eleição de representantes legítimos.

Ao encerrar, pediu a colaboração dos pares, dos funcionários, da comunidade e, com bastante ênfase, da imprensa, que considerou indispensável ao processo democrático e à construção de uma nova ordem, no seu papel vigilante e vasculhador da atividade pública.

A tônica dos oradores antecedentes, foi de elogios ao novo presidente, destacando, à unanimidade, sua notabilidade como juiz, defesa e cultivo de princípios éticos, morais e humanitários, cultura e erudição, bem como a lhaneza no trato humano. “Ganha o Tribunal, a Justiça e os jurisdicionados”, resumiu o juiz Saulo Casali Bahia.

 

 

Parabéns! – 28.03.2014

Colégio João Vilas Boas faz
hoje 64 anos de fundado

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Talvez só venha merecer uma singela mensagem em carro-de-som, mas o tradicional Colégio Estadual João Vilas Boas, de Livramento de Nossa Senhora, na Bahia, completa hoje, sem festa, 64 anos de fundado. Não é nenhuma data redonda, mas sempre emociona os que, como eu, por lá passaram e o tem como referencia educacional ou mesmo de vida.

Ele perdeu muito do que foi um dia, mas quem lá está, atualmente, garante que é feito o possível para preservá-lo. Sofre de mazelas preocupantes como a perda da qualidade do ensino, falta de professores, deficiências de gestão e até mesmo desrespeito aos mestres, combinado com o desinteresse dos estudantes em se preparar para  a vida.
Mas, se não é mais o mesmo, o estabelecimento já passou por situação pior, como em 1994, quando esteve ameaçado de fechar, por conta da penhora de suas instalações, em razão do ajuizamento de uma ação para pagamento de dívida trabalhista, em processo que se deixou correr à revelia.

Mário do Carmo e João Vilas Boas (D)

Mas a comunidade escolar mobilizou a sociedade, que fez sua parte, e contou com o inestimável apoio do advogado Jorge Soares Oliveira, um dos muitos egressos do colégio, que conseguiu evitar a execução judicial, conduzindo um acordo na Justiça para parcelar o débito, salvando a escola do fechamento.

Quem sabe a escola não esteja necessitando, hoje, de igual atenção e apoio da sociedade, para voltar a ser a fonte de saber e a escola respeitável que foi por muitos anos. Está a exigir a colaboração de todos para, junto com alunos, pais, mestres e gestores, se possa devolver-lhe  o status de qualidade que já teve.

Em artigo repleto de emoção e importantes informações históricas – nome original, fundação, primeiros professores e alunos - a professora Maria Aparecida Alves Meira, lembra a data magna e parabeniza a instituição, da qual foi diretora e renomada professora.
Clique aqui para ler o artigo>>

 

 

Educação – 27.03.2014

Sobra dinheiro em escolas
estaduais de Livramento

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O professor Osvaldo Barreto Filho, secretário da Educação da Bahia, escreveu com muito otimismo artigo no jornal A Tarde, edição de 10.03.2014, p. A3, ao dar boas-vindas aos estudantes, em 2014, mostrando-se satisfeito com o que considera “momento importante para a educação pública estadual”.

Destacou os avanços alcançados pelo setor, coincidindo com sua gestão, exemplificando com Todos pela Educação, Pacto com Municípios pela Alfabetização, Gestão da Aprendizagem Escolar, Programa de Educação Integral e Ensino Médio com Intermediação Tecnológica.

E nomeou recursos: R$103,9 milhões para alimentação escolar, R$96,7 milhões para infraestrutura, R$20 milhões para fardamento e R$45,9 milhões para transporte. De fato, o Estado tem pensado a educação de forma correta, mas acho que ainda falta alguma coisa no planejamento.

Colocamos como sugestão, por exemplo, a revisão dos critérios de indicação e formação de gestores escolares e que seja dada mais atenção à qualificação dos professores, principalmente aqui no alto sertão, onde os pensares governamentais ainda não fazem efeito.

Faz-se urgente a fixação de metas de qualidade e sua rigorosa aferição, além de inspeção rotineira na gestão escolar. Há muito dinheiro em jogo, como em Livramento, onde as escolas estaduais receberam, de 2011 a 2013, juntas, R$2,9 milhões, para funcionamento e alimentação escolar.

Segundo o portal da transparência do Estado, elas não gastaram tudo, sobrando cerca de 60%. O mais contemplado, naquele período, foi o Colégio Estadual João Vilas Boas, com R$1.205.524,00, sendo R$535.428,00 para manutenção e R$670.096,00 para alimentação escolar.

Seguem-se Escola Polivalente, com R$705.366,00 (R$398.301,00 para manutenção e R$307.065,00 para alimentação escolar); Colégio Edivaldo Boaventura, com R$568.854,00 (R$387.136,00 para manutenção e R$181.718,00 para alimentação escolar); e Escola Dona Tina com R$457.833,00 (R$304.919,00 para manutenção e R$152.914,00 para alimentação escolar).

Verba de 2014: João Vilas Boas – R$253.112,00, sendo R$87.560,00 para funcionamento da unidade e R$165.552,00 para alimentação escolar; Polivalente – R$7.314,00 , dos quais R$4.008,00 para funcionamento e R$3.306,00 para alimentação escolar; Boaventura – R$22.757,00, com R$20.189,00 para funcionamento da unidade e R$2.568,00 para alimentação escolar; e Dona Tina – R$52.332,00, destes R$37.195,00 para funcionamento e R$15.137,00 para alimentação escolar.

 

Paralisação – 27.03.2014

Servidores convocados para
greve geral amanhã na Bahia

As entidades de classe que representam os servidores públicos da Bahia veicularam comunicado na TV anunciando paralisação geral da categoria, próximo dia 28, sexta-feira, em protesto contra o parcelamento do reajuste linear de seus vencimentos imposto pelo governo estadual, à revelia do funcionalismo.

Em adesão ao movimento, a APLB-Sindicado, que representa os trabalhadores na educação pública, também distribuiu nota conclamando os servidores da área a cruzarem os braços na sexta-feira, em repúdio à decisão do governador de parcelar o reajuste.

O núcleo regional da entidade, com sede em Livramento, pelo seu diretor Jânio Soares Lima, também antecipa que haverá assembleia da categoria na primeira quinzena de abril, onde este e outros temas estarão em pauta.

 

 

Dia da Água – 24.03.2014

ASAMIL faz capacitação de
manejo para lembrar data

Dia Mundial da Água, que transcorre em 22 de março, foi comemorado pela Asamil com a realização do que chama capacitação em SISMA - Manejo de Sistema Simplificado de Água para Produção de Alimentos, envolvendo 42 famílias das comunidades quilombolas de Lagoinha e Olhos D’Água do Meio, no Distrito de Iguatemi, a cerca de 50km da sede do município de Livramento de Nossa Senhora, na Bahia.

O evento foi orientado pelo coordenador do projeto Dilto Aguiar, os técnicos de campo João Aparecido e Romilson Oliveira, os instrutores David Borja e Ana Paula, além do representante dos agentes comunitários de saúde Vitório Rocha. Os moradores aprenderam como montar um canteiro econômico para produção de alimentos e utilização da água de maneira sustentável, sendo conscientizados sobre a preservação do meio ambiente.

Foi lembrados pelos dirigentes da Asamil que, devido à destruição da natureza e dos recursos naturais, que se registra mundo afora, a ONU afirma que em 2050 será impossível a prática da agricultura familiar, a produção de alimentos e até mesmo a sobrevivência em algumas regiões do semiárido brasileiro, que poderá se tornar deserta.

As famílias são beneficiárias do Projeto Mais Água, executado pela ASAMIL (Associação do Semiárido da Microrregião de Livramento), através do convênio 266/2012, com a Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza – SEDES do Estado da Bahia. (Texto, corrigido, enviado pela assessoria da Asamil)

 

Artigo – 24.03.2014

22 de março:
Dia Mundial da Água

(MAIOR BEM DE NOSSA TERRA ESTÁ ACABANDO.
 COMO SERÁ NOSSO FUTURO?)

José Maria de Jesus
Professor

Só percebemos o valor da água
depois que a fonte seca.

Provérbio popular

Em alguns países, a poluição esta contaminando as fontes naturais de água potável. Segundo a revista Despertai 01/2009, (www.jw.org) todos os anos, cerca de dois milhões de pessoas morrem por causa de água contaminada e condições precárias de saneamento, 90% das vitimas são crianças. A verdade é que a crise da água e do saneamento básico afeta severamente mais de um terço da população mundial.

O problema é grave, principalmente na África, onde 6 de cada 10 pessoas não tem nem sequer banheiro apropriado - um fato que, de acordo com relatório da Organização Mundial da Saúde, favorece  “a contaminação de fontes de água, de alimentos e do solo, por bactérias, vírus e parasitas encontrados em excrementos humanos”.

A água tem sido chamada de ouro líquido, o petróleo do século 21. Mesmo assim, as nações estão desperdiçando esse precioso bem, de tal maneira que não sobra quase nada em seus principais rios para escoar no mar. 

Em nossa região, não é diferente. Em Livramento de Nossa Senhora-Bahia, temos dois rios: Brumado e Taquari, que, anos atrás, passavam fluentemente por baixo da ponte da cidade de Dom Basílio e hoje nem chegam até lá. Suas águas eram  subtraídas por bombas enormes que armazenadas em tanques particulares, para irrigação e o restante evaporava-se naturalmente.

A água que bebemos não é boa, vem do pé da cachoeira e é captada pela EMBASA  depois de receber esgoto da cidade de Rio de Contas. Tem sabor ruim, devido ao alto índice de produtos químicos para descontaminá-la. Antigamente, a água era doce, a melhor da região, hoje deixa muito a desejar, mesmo tratada não é boa.

Temos uma barragem em rio de Contas, construída exclusivamente para consumo humano e servir aos agricultores do município de Livramento, mas hoje serve também aos agricultores de Dom Basílio. Sendo assim, houve um aumento de usuários em mais de 500%, provocando evasão muito rápida. Vemos, também, um gasto/desperdício indiscriminado: na agricultura, nas residências, nas lojas, construções, postos de lavagens de automóveis e outros.

A barragem Luiz Vieira foi construída para armazenar cerca de 105 milhões de metros cúbicos e está com aproximadamente 25 milhões, está secando. Se não chover o suficiente para aumentar a quantidade d’água, nossa região passará por uma crise sem controle. Diante de todos esses problemas, é preciso sensibilizar a comunidade sobre esse risco iminente.

Não podemos fechar os olhos ao futuro, que poderá ser catastrófico. Todos precisam abrir os olhos e não pensar como muitos talvez pensem e até digam: “ISSO JAMAIS ACONTECERÁ EM NOSSA CIDADE, DEUS É GRANDE.”
Deus nos deu água limpa, quem sujou?
Deus nos deu as matas, quem desmatou?
Deus nos deu a inteligência, quem sabe usá-la? 
Vamos usar nossa inteligência para salvar a nós, nossos descendentes e aos outros.   
“SE ACABAR A ÁGUA, ACABARÁ  A VIDA” 
Provérbio do Uzbequistão 

 

São José – 20.03.2014

Carpinteiro foi exemplo de
cuidado para com a esposa

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Existe certa polêmica, para mim, inútil, sobre a relação matrimonial de Maria com o carpinteiro José, em razão do dogma da virgindade da mãe de Jesus. Há quem defenda que José e Maria formaram um casal normal e que Jesus foi concebido como toda criança vinda a este mundo.

Mas, para a Igreja Católica, ela foi engravidada pelo poder do Espírito Santo, dando à luz o Menino Jesus. José seria apenas o pai adotivo do Messias, convocado por Deus para apoiar Maria, que lhe era prometida como esposa, protegendo-a contra o costume de se execrar as mães solteiras.

Assim, o zeloso obreiro ganhou notoriedade nos relatos bíblicos. Tornado santo, é reverenciado em 19 de março, sendo cultuado nas igrejas Ortodoxa, Anglicana e Católica. Em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, tem um bairro em seu nome, onde está sendo erguida uma igreja em seu louvor.

Os festejos, no local, encerraram-se ontem, culminando com missa campal, rezada por Dom José Armando Bucciol, que atraiu pessoas de várias partes da cidade. O bispo destacou o zelo de José para com Maria e seu filho Jesus.

Descreveu traços especiais da vida e personalidade de José, que deveriam ser imitados hoje, como união da família pelo amor e os cuidados recíprocos no seio do casal que se ama, incluindo a prole gerada.

Transmitiu a recomendação do Papa Francisco para se cuidar dos mais frágeis da Terra, como idosos, os pobres, povos indígenas, dependentes químicos e demais espécies vivas da natureza, alvos constantes de objetivos econômicos.

São também preocupações pontifícias a cumplicidade cômoda e silenciosa diante dessa realidade, principalmente a matança dos nascituros, perigosa cultura do descartável, que coloca a própria existência humana em risco.

Dom Armando confrontou tais preocupações com a figura zelosa de José, diferente da realidade de hoje, em que há ausência total de disponibilidade para se viver conforme o Plano de Deus, afrontado pelo projeto egoísta do homem.

Sugeriu que os devotos seguissem o herdeiro da descendência do Rei Davi. Convidou a todos para fazer dos domingos dia da verdadeira festa dos cristãos, na prática religiosa constante, exercendo o amor que São José inspira e ensina.

 

Dia de São José – 19.03.2014

“Misericórdia é colocar seu
coração na miséria do outro”

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Hoje é dia de São José, uma das figuras bíblicas mais citadas pelos cristão, na condição de esposo de Maria, a mãe de Jesus. É padroeiro de Morrinhos, Rocinha e bairro São José, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, onde haverá missa solene, às 19h30, por Dom Armando Bucciol, na igreja ainda em construção.

Na última novena, ontem, o padre Ademário, vigário da paróquia de Nossa Senhora do Livramento, convocou os devotos de São José para o exercício da solidariedade e a verdadeira vivência comunitária, como estavam ali a demonstrar a multidão de fiéis, lotando o templo ainda inacabado.

Elogiou e agradeceu a todos por deixarem o conforto da individualidade de seus lares para a união em torno da devoção ao santo, o que considerou um grande sinal de Deus, seguindo o exemplo de São José, que acatou a convocação divina para amparar Maria na missão de ser a mãe do Cristo Redentor.

Pediu que a mesma disponibilidade existisse, na prática, entre os casais de hoje, com esposo e esposa contribuindo para a realização um do outro, construindo a verdadeira família, tal como a família sagrada, formada por José e Maria.

Disse que essa é a simbologia da misericórdia, que consiste, na verdade, em colocar o “seu coração na miséria e na desgraça do outro”, como foi o exemplo de Jesus, no milagre da multiplicação dos pães, tema da liturgia da missa.

Lembrou que, quando nos colocamos no lugar do outro, o milagre acontece. Condenou a injustiça de poucos reterem muito, enquanto muitos passam necessidade, aniquilando o mandamento cristão da solidariedade e do amor.

Ensinou que a solidariedade também pode estar em gestos simples, como um sorriso para o outro, no amor, no abraço, no aperto de mão, no colocar-se no lugar do outro para avaliar e socorrê-lo em seu sofrimento, frisando que “a festa de São José é a festa do encontro e da solidariedade”.

 

Educação – 18.03.2014

Foto lembra bons tempos
do Colégio João Vilas Boas

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Nestes tempos da cultura oca do Lepo Lepo e do culto a ídolos sem causa como Bell Marques, cujo recente sloganUm jeito novo de caminhar”, seria plágio do verso “Não, não tenho caminho novo. O que tenho de novo é o jeito de caminhar” (A vida verdadeira), do poeta amazonense Thiago de Melo, rememorar o passado, ainda que na inspiração estática de uma foto, pode ser consolador.

É o que nos proporciona a foto acima, do arquivo de Jorge de Irene (Jorge de Jesus Viana Martins), postada no face book e reproduzida em blogs da cidade. Mostra “formandos” da 4ª série ginasial do Colégio João Vilas Boas, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, em 1964. Verdadeiro emblema, que nos conduz a gratificante passeio pelo tempo, pela história e pela consciência.

O país vivia o tremor do golpe militar que, no próximo dia 31, completará meio século, a que se seguiram os chamados “anos de chumbo” da ditadura militar brasileira, com a qual teriam colaborado os gabinetes do Pentágono e da Casa Branca (EUA), que queriam submeter a América Latina ao poder do Tio Sam.

Eu estava na 1ª série ginasial e, para mim, aquilo tudo era muito confuso. Mas ainda me lembro de figuras marcantes do episódio, como Jango, Brizola e, por que não dizer, Humberto de Alencar Castelo Branco, o qual, sob o engodo de salvar o país do comunismo, o fez mergulhar em tenebroso regime totalitário.

Sam Cooke encantava com A Change is Gonna Come, The Temptations ia de My Girl, Elvis Presley dava Viva Las Vegas, Frank Sinatra embalava sua Fly Me to the Moon, Barbara Streisand com People e o vozeirão de Louis Armstrong bradava Hello, Dolly, entre tantos outros sucessos musicais internacionais.

No Brasil, lembramos: Roberto Carlos (Parei na Contramão), Altemar Dutra (Que Queres Tu de Mim), Jair Rodrigues (Deixa Isso Pra Lá), Silvana (Pombinha Branca), Dalva de Oliveira (Rancho da Praça XI), Waldik Soriano (A Carta), Jorge Goulart (Cabeleira do Zezé), Wilson Simonal (Nanã), Claudette Soares (Tristeza de Nós Dois), Adilson Ramos (El Reloj).

Mas, voltemos ao “João Vilas Boas”. Tínhamos um colégio de verdade. A postura dos estudantes e a impecabilidade do fardamento, na foto, mostram a qualidade do ambiente vivido na instituição, hoje deformado até por agressões a professores e violação das leis. Era melhor do que muitas faculdades de hoje e se encontra nivelado ao baixo nível da educação brasileira.

Está sob o domínio do deboche, da falta de postura e decoro, da indisciplina, do sem noção, da má gestão, do Deus dará, sob o olhar complacente das autoridades educacionais e da própria sociedade. A desculpa é a mesma: “Não é só em Livramento!”. Os projetos governamentais até que são bons e atualizados, mas se deturpam na ponta, por falta de qualificação dos executores.

Os governos civis pouco fizeram para remover os destroços da administração militar, mantendo a juventude na ignorância. Lembro-me do slogan atribuído a professores do ensino público (anos 1980): “O governo finge que paga, fingimos que ensinamos e os alunos fingem que aprendem”. Acrescentei, recentemente: “pais fingem que não veem!”. Então, chegamos ao que é hoje!

Na 1ª série, 14 anos, eu olhava admirado para aquela turma mais adiantada: (esq. para dir.) João, Analice, Cleonice, Regina, Maria Terezinha, Altamirando, Marlene, Carmem, Valdo, Edilson, Carlito, Romilson, Celina, Sônia, Leda, Zélia, Maria Batista, Terezinha, Fátima, Zulmira, Célia, Gilda, Gracinha, Lourão e Raimundo Meira. No centro deles, D. Corina e Raimundo Tanajura (professores).

Quem poderia salvar nosso “João Vilas Boas” e fazê-lo voltar aos bons tempos de respeito, postura, de trajes adequados, de qualidade, de alunos disciplinados, aplicados e estudiosos, de professores respeitados e respeitáveis, de diretores preparados e eficientes? Enfim, aos tempos em que era, de fato, um Colégio!

 

 

Paralisação – 15.03.2014

CNTE anuncia greve na
educação em todo Brasil

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convocou a categoria para uma greve geral, em todo o Brasil, dias 17, 18 e 19 deste mês, para exigir dos governos pagamento do piso salarial, plano de carreira, investimento dos recursos provenientes de royalties do petróleo na valorização dos educadores, votação imediata do Plano Nacional de Educação e destinação de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para a educação pública.

O órgão de classe nacional é contra a atualização do piso salarial em 8,32% anunciada pelo governo, calculados a partir da estimativa de custo por aluno do Fundeb, baseada em dados de 2013. A entidade sustenta que o reajuste deveria ser de no mínimo 15%, mas o governo federal, através do Ministério da Educação, teria alterado o critério para atender reivindicações de prefeitos e governadores, que alegam falta recursos para pagamento do piso.

Na paralisação, o núcleo regional do APLB/Sindicato, com sede em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, programou continuidade das visitas, iniciadas no último dia 10, de diretores sindicais às escolas da rede municipal, dias 17 e 18, e uma reunião plenária para o dia 19, das 8h às 10h, no Centro Pastoral Paroquial. Na pauta, plano de carreira, aposentadoria, piso salarial e plano nacional de educação. A paralisação na rede municipal só deverá ocorrer no dia 19.

Seria, também, um bom momento para os servidores da educação, através dos seus órgão representativos, cuidarem do que talvez seja o mais tormentoso problema do seu dia-a-dia: a segurança no próprio ambiente de trabalho, diante do crescimento de ameaças e agressões a professores por parte dos próprios alunos. Casos graves avolumam-se por todo o país, inclusive em nossa Livramento, sem que as entidades de classe tomem qualquer posição.

 

Mídia e Polícia – 14.03.2014

Major vê exageros em
blogs e pede colaboração

 

Raimundo Marinho
Jornalista

As manchetes de alguns blogs de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, sobre ocorrências policiais, estão preocupando o comandante da 46ª Companhia Independente da Polícia Militar, major Luiz Afrânio (foto). Exemplificou com o título de um deles que, referindo-se a único fato, disse haver onda de assaltos na cidade.

Convidou, ontem, editores dos portais para falar sobre o assunto, na sede do comando, quando solicitou colaboração dos comunicadores para apurar melhor os fatos e evitar generalizações. Estas, segundo ele, transmitem a falsa ideia de ineficiência policial e podem levar as pessoas ao pânico ou até mesmo atrair malfeitores, com a ilusão de vida mais fácil, por aqui, para bandidos.

O major afirmou que manterá, enquanto for o comandante, o rigor das ações, inicialmente qualificadas de “tolerância zero”. Questionando sobre se teria havido um “esfriamento” nessas ações, respondeu que essa sensação que as pessoas, às vezes, têm é por conta da grande redução das irregularidades.

Disse que não houve óbitos por acidentes de moto, nos oito meses em que está no comando. Informou que foram apreendidas e estão retidas com a Polícia mais de 400 motocicletas, 80% das quais das chamadas “Pokémon”, nome do personagem de um jogo eletrônico, de fabricação japonesa.

São veículos adquiridos, através de um golpe, via financiamento, por pessoas que não se importam em ter seus nomes sujos ou usam documentos falsos. O golpe consiste em obter o crédito, receber o veículo e não pagar as prestações, transferindo as motos e ou carros para serem vendidos, a preços irrisórios, em regiões onde não há fiscalização e nunca são encontrados pelos financiadores.

Em Livramento, esses veículos eram usados até por comerciantes, que chegaram a reagir em massa contra a ação policial. O major disse que praticamente desbaratou esse mercado de motos irregulares na região, não só em Livramento, e garante que não arredará um milímetro do rigoroso cumprimento da lei.

Questionado sobre queixas de pessoas que teriam sido abordadas de forma agressiva por policiais sob seu comando, afirmou que “na linha de trabalho que adoto não permito que o policial trate mal o cidadão”. Mas admitiu não ser isso impossível, como nos casos de reação às abordagens. Disse que nunca recebeu reclamações sobre isso. Todavia, dizemos nós, as pessoas evitam reclamar por temerem represálias do agente denunciado.

 

 

Justiça – 12.03.2014

Dr. Lourival ocupa vaga no
Tribunal Regional Eleitoral

Dr. Lourival Trindade vai para o TRE (Foto: Nei Pinto/Ascom-TJBa)

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O advogado Lourival Almeida Trindade, desembargador do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), foi eleito hoje, com 24 votos, para ocupar uma das vagas destinadas à corte no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), tendo concorrido com as desembargadoras Ivete Caldas Silva Freitas Muniz e Heloísa Pinto de Freitas Vieira Graddi.

Nascido em Água Quente, hoje Érico Cardoso (BA), mas dizendo-se livramentense por emoção, de onde tem o “Título de Cidadão”, ele tem uma longa militância jurídica, considerado um dos mais brilhantes advogados do sertão. Também já militou na política e foi candidato a prefeito de Livramento de Nossa Senhora por três vezes (1988/1992/1996) e a deputado estadual (1994), embora sem lograr êxito.

Tem destacada atuação na corte estadual, onde tomou posse como desembargador, em 23.01.2008, pelo chamado “quinto constitucional”, cota da Ordem dos Advogados do

Solenidade de posse do Dr. Lourival no TJ da Bahia,
em 2008

Brasil, seção Bahia. Na época, disputou a lista sêxtupla com 22 colegas. No TJ, foi o mais votado, com 17 votos, para a lista tríplice enviada ao governador.

Agora, tudo indica que será o presidente da corte eleitoral regional, já com a difícil e trabalhosa missão de comandar o processo eleitoral de 2014. Sua eleição para presidir aquele tribunal é dada como certa e vista com boas expectativas tanto nos meios jurídicos como políticos da Bahia.

Clique aqui e releia entrevista exclusiva ao O Mandacaru, pelo desembargador, em 2008

 

Entrevista a Gerardo Júnior – 11.03.2014

Vice-prefeito fala do
seu sonho
político

Em longa entrevista, o jornalista Raimundo Marinho sabatinou o vice-prefeito Gerardo Azevedo Júnior, do Partido dos Trabalhadores, que fez um balanço interessante sobre o município de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, envolvendo, principalmente, economia, política e gestão pública. Clique aqui para ler>>

 

 

........Homenagem – 08.03.2014

Dia Internacional da Mulher!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Fotos: homenagem às mulheres clicadas por nossas câmeras, a maioria citadas pelo O Mandacaru

Não há como pensar ou falar da mulher sem lembrar, citar ou mesmo parodiar o inesquecível Vinicius de Morais. Disse o poeta: Uma mulher que é como a própria Lua/: Tão linda que só espalha sofrimento/Tão cheia de pudor que vive nua/. Poetando, ainda que de longe, dizemos: Da luta por melhores condições de trabalho, fez-se a perseguição, desta veio o pior, trancadas e mortas queimadas na fábrica, 1857 e ou 1911, nos EUA. Da tragédia fez-se a homenagem. Da homenagem fez-se a festa e desta operou-se o esquecimento, das dores trabalhistas e dos padecimentos, nas duras condições de vida. O mundo civilizou-se, em oito horas de jornada. Ainda há dores, mas podemos dizer que delas restaram a poesia, o carinho, a alegria, a paixão e o amor. E delas se encantam cada vez mais os nossos pensamentos. E são tantas as mulheres: a tristes, as alegres, as bonitas, as nem tanto, as feias, as que são, as que não são! Mulheres mães, mulheres pais, mulheres mulheres, mulheres macho, mulheres ricas, mulheres pobres, mulheres humildes, mulheres nobres, mulheres boas, mulheres más. Mulheres de lá, mulheres de cá, mulheres que vão, mulheres que voltam, mulheres que riem, mulheres que choram, mulheres amantes, mulheres pedantes, mulheres caídas, mulheres de depois, mulheres de antes. Mulheres sofridas, mulheres doidas, mulheres da paz, mulheres do canhão, mulheres motoristas, mulheres professoras, mulheres que varrem, mulheres que lavam, mulheres que penteiam, mulheres que cuidam, mulheres que condenam, mulheres que salvam. Mas o melhor a dizer, no dia delas, é indagar: se não fosse elas, o que seria de nós? Elas são os nossos amores!

Leia texto de Itamar Gracia Gomes Pereira em nossa página "E-mails recebidos"

 

 

Cidade – 04.03.2014

Falhas na sinalização
desorientam motoristas

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A sinalização de trânsito que a prefeitura iniciou, este ano, na cidade de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, está sendo alvo de muitas críticas. Praticamente, resume-se na indicação e ou proibição de sentido de tráfego: em frente, à direita ou à esquerda. Os semáforos instalados ainda não estão ligados.

Foram construídas faixas de pedestres sob os semáforos no formato quebra-molas. Na avenida Dr. Edilson Pontes, uma das mais movimentadas e perigosas do centro da cidade, não há travessias seguras para pedestres, que ficam à mercê dos motoristas.

Espaços de estacionamento e ou para carga e descarga não foram disciplinadas. Faltam placas de orientação de transeuntes, motos e bicicletas. Para piorar, os condutores de veículos não colaboram e aproveita a ausência de policiamento para violar as leis do trânsito.

Exemplo de falhas graves é a praça Francisco Guimarães Tanajura de Cássia, onde, ao invés de semáforo seria melhor uma rotatória. O acesso ao Estádio Municipal foi bloqueado e, para chegar ao local, o motorista é obrigado a fazer uma viagem pelo bairro Polivalente.

A pequena rua que ladeia a praça, formando uma travessa à esquerda da Avenida Nelson Leal, sentido centro, virou um retorno inútil, forçando os condutores a voltarem para o mesmo lugar, pois o tráfego vindo da Praça Zezinho Tanajura virou mão única.

DÚVIDAS E TRANSGRESSÕES

Quem entra em qualquer transversal, principalmente as da Avenida Presidente Vargas, e não precisa ir até o seu final, fica sem saber se pode retornar ou não por onde entrou, pois não há sinalização permitindo ou proibindo a mão dupla. Tem gerado dúvidas e transgressões!

Para piorar o caos, o Código de Postura (Lei Municipal nº 868/1994) continua sendo ignorado, com materiais de construção e obras obstruindo os espaços de circulação. Uma das obras, na Avenida Presidente Vargas, é da família do próprio secretário da Administração, Ginaldo Matias Luz, responsável pela fiscalização.

Segundo a lei, "É proibido embaraçar ou impedir por qualquer meio o livre trânsito nas ruas, praças e demais logradouros públicos da cidade, vilas e povoados, bem como, nas estradas e caminhos públicos" (art. 116, caput) e que "Compreende-se, também, na proibição deste artigo o depósito de quaisquer materiais, inclusive de construção nas vias públicas" (art. 116, parágrafo único).

O tema é recorrente em O Mandacaru que, em 29.04.2011, gestão do então prefeito Carlos Batista, publicou: “Mas a prefeitura se omite na fiscalização e as pessoas fazem o que bem quer, desrespeitando o direito de se transitar livremente pela cidade, causando aborrecimentos e insegurança, principalmente para crianças e idosos”.

 

 

Rio de Contas – 05.03.2014

TARDE DOS MASCARADOS

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A tarde de ontem, terça-feira de carnaval, em Rio de Contas (BA), foi de alegria, tranquilidade e muito agradável, com a festa dos mascarados. O concurso para escolher a melhor caricatura não foi muito organizado, mas relembrou os bons tempos da cultura carnavalesca rio-contense. As que mais chamaram a atenção e classificadas em primeiro lugar, em suas respectivas categorias, foram: “Cristo” (categoria bonecão), “Joaquim Barbosa” (categoria cabeção) e “Caçador” (categoria bonecão sem movimento).

A locução do evento não divulgou os nomes dos artistas plásticos que produziram os trabalhos, mas o “Cristo” é de autoria de Luiz Fernando; a máscara de “Joaquim Barbosa” é do artista Humberto Cotrim e foi sustentada pela sua filha Alexandra; e o “Caçador” é de autoria de Ailton Souza Araújo e seus irmãos. Todos ficaram várias horas dentro das esculturas, aguardando o resultado da seleção feita pelos jurados.

Clique aqui e veja mais fotos>>

 

 

Quaresma – 05.03.2014

Cinza lembra que vida
na Terra é passageira

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Começa hoje o principal período de sacrifícios e meditação dos católicos, a Quaresma, que, após 40 dias, culminará com a Semana Santa, que relembra a prisão, pelo governo romano, a tortura, crucificação e morte de Jesus Cristo, a figura religiosa mais importante da humanidade, há mais de dois mil anos.

Estão sendo rezadas missas e os sacerdotes fazem a imposição das cinzas nos fiéis, para lembrar o caráter passageiro da vida, conforme dito no Livro do Gênesis (3: 19): “No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás”.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lançou a Campanha da Fraternidade 2014, com o tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5, 1). O objetivo é chamar a atenção e combater essa forma de escravidão do mundo moderno, que agride os princípios cristãos.

A CNBB colocou à disposição vasto leque de materiais, incluindo o texto básico da campanha, cujo conteúdo pode ser trabalhado nas escolas e outros espaços socioculturais. Há material específico voltado aos jovens do ensino fundamental e médio, além de encontros catequéticos para crianças e adolescentes.

 

Carnaval – 04.03.2014

Saudades de Arlequim
e da Colombina!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Termina hoje a folia, em Rio de Contas e no resto do país, finda o burlesco reinado de Momo, onde muitos extravasam tudo que lhes é proibido nos demais dias do ano, fruto da angustiada e sempre insatisfeita natureza humana. A festa é caricata, mas sedutora, onde o lado pecaminoso parece ser a libertação.

Gosto do carnaval, mas não o frequento mais, apesar de terem me ensinado como sendo coisa do diabo. Do meio dos arrozais da Bicuda, onde menino eu trabalhava, ouvia seus acordes vindos dos salões da Associação dos Amigos de Livramento. Imaginava como seria ficar junto ao Coisa Ruim, numa festa.

Depois, já em meus tempos de jornal A Tarde, em Salvador, mudei o conceito. O Diabo, na verdade, era o Rei Momo, que assumia as chaves da cidade, na quinta e só as largava à meia noite da terça-feira seguinte.

Era rigoroso, não havia sequer um segundo de invasão na quarta-feira de cinzas, até que o caricato dos caricatos chamado Brow quebrou a regra santa, com seu arrastão pela orla do Bairro de Ondina, na capital.

Estreei-me na folia como repórter de A Tarde, cobrindo as ruas e os bailes nos clubes de luxo. Tudo me parecia deslumbrante, tanto a populacho das ruas quanto a finesse dos então famosos clubes soteropolitanos, como Baiano de Tênis, Português e Yatch Clube da Bahia.

Lá estava a high society soteropolitana, de senador a governador. Eles adoravam me paparicar, não o zé ninguém e reles jornalista, mas o “repórter de A Tarde”, na esperança de verem seus nomes citados nas matérias que escreveria depois.

Mesmo depois do jornal, segui curtindo o carnaval da capital, até o dia em que meu irmão menor, que levei para conhecer a festa, levou um soco no rosto, por um folião pipoca marginal. Eu, também, em outra ocasião, na Praça Castro Alves, sofri um murro na barriga.

Hoje em dia, além de violento, a festa de Momo virou uma indústria, de pouca diversão para nós, mortais comuns, e muito dinheiro para cantores medíocres, como timbaleiros e cantadores da axé music, sob o comando das cervejarias.
Até Rio de Contas curvou-se à essa indústria, matando o carnaval das marchinhas e dos caretas, tão gostoso de se ver e se ouvir. Mas é, sem dúvida, uma grande festa, mesmo sem o Arlequim e a Columbina.

O carnaval é uma festa de origem católica. Segundo a enciclopédia livre Wikipédia, ele surgiu na Grécia (600 a 520 a.C.), festa em que os gregos agradeciam aos deuses pela fertilidade e produção do solo.

Em 590 d.C., foi adotada pela Igreja Católica, em que as pessoas se preparavam para o longo período de jejum e se deleitavam com os prazeres da carne ou "carnis valles", que veio a formar a palavra “carnaval”, que Caetano Veloso e Gilberto Gil dizem ser a “festa do Diabo que Deus abençoou”.

Nada melhor para voltar ao passado, sem saudosismo, mas com poesia, do que reler a letra da lendária “Máscara Negra”, de Zé Kéti:

Quanto riso, ah, quanta alegria
Mais de mil palhaços no salão
O Arlequim está chorando pelo amor da Colombina
No meio da multidão

Foi bom te ver outra vez
Ta fazendo um ano
Foi o carnaval que passou
Eu sou aquele Pierrot
Que te abraçou e te beijou meu amor
A mesma máscara negra que esconde seu rosto
Eu quero matar a saudade

Vou beijar-te agora
Não me leve a mal,
Hoje é carnaval.

 

 

Matrícula – 28.02.2014

Diretora da DIREC 19
explica caso Dona Tina

 

Filomena Azevedo Leite, DIREC 19

Raimundo Marinho
Jornalista

Não pretendia voltar ao assunto, mas estive, ontem, com a Diretora da DIREC 19, professora Filomena Azevedo Leite, que aproveitou para esclarecer e contestar pontos das matérias aqui divulgadas, reafirmando que não houve supressão de vagas na Escola Estadual Dona Tina, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia.

Explicou que a unidade tem apenas oito salas e acolhe alunos com necessidades especiais e da 5ª a 8ª séries (matutino), além da educação juvenil e para jovens e adultos (vespertino e noturno). Sua prioridade, no entanto, é oferecer oportunidade de ensino para os que não puderam estudar na idade própria.

Disse que em 2013 funcionaram uma sala para alunos com necessidades especiais, quatro para 5ª série e uma para 6ª, 7ª e 8ª séries, respectivamente. Em 2014, os aprovados da 5ª série de 2013 foram para a 6ª série, ocupando três salas, o triplo do ano anterior.

Restaram, então, só duas salas para alunos novos (5ª série). Assim, para manter quatro salas de 5ª série, como em 2013, seria necessário construir pelo menos mais duas salas. E isso o Estado não precisaria fazer, pois há salas disponíveis na Escola Polivalente, também estadual, como explicou Filomena Leite.

DIRETORIA DA ESCOLA SABIA

Segundo a diretora da DIREC 19, essa estruturação consta do Cadastramento Escolar-Reordenamento 2013/2014, feita pela Coordenação de Reordenamento da Rede Escolar da Secretaria da Educação do Estado, cujo formulário encontra-se subscrito também pela diretora do Dona Tina, Maria Auxiliadora do Livramento Santana Nunes Prates.
Portanto, a diretora da escola sabia que não houve supressão de vagas, nem possibilidade de se criar novas turmas de 5ª, por falta de espaço físico. Mesmo assim, deixou pais e mães de alunos acreditarem que seriam criadas novas vagas. Então, certos de que tinham o direito, eles se movimentaram e levaram o assunto aos meios de comunicação locais.

Maria Auxiliadora do L. S. Nunes Prates

O Mandacaru foi procurado, conversou com os pais e ouviu diretamente Maria Auxiliadora, que pediu para não ter o nome citado. Baseado nessas fontes, elaboramos e publicamos as matérias citadas, acrescentando apenas a opinião do editor sobre a ingerência política na gestão da educação.

Convocada a prestar esclarecimentos, na DIREC 19, a diretora negou ter tido qualquer contato com o jornalista. Mas temos em mãos os “mapas de classe” e outros documentos a que só ela tinha acesso e nos entregou pessoalmente, em sua sala, sem qualquer reserva, a não ser manter a fonte em off.

A professora Filomena Leite também repudiou a suspeita de possível manobra da DIREC 19 para direcionar matrículas à Escola Polivalente, a qual defendeu das críticas e elogiou o trabalho da diretora Shirley de Cassia Meira Silva Alves. Também negou haver ingerência política em sua gestão, muito menos do deputado João Bonfim, que a teria indicado para o cargo.

 

Meio ambiente – 24.02.2014

Fornos estão queimando
bioma da nossa caatinga

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A caatinga é um bioma exclusivo do Brasil e ocupa área aproximada de 850 mil km², 10% do território nacional. Bioma é um espaço geográfico com características específicas, mais ou menos homogêneas, determinadas pelo tipo de clima, solo, altitude, ocupação vegetal e animal, que geralmente se interagem, visando a própria proteção e equilíbrio da natureza.

José Raimundo: fim do bioma em cinco anos

Parte desse bioma brasileiro, estimada em 2 mil km² ou 200 mil hectares, segundo o advogado ambientalista José Raimundo Silva, está localizada no município de Livramento de Nossa Senhora, Bahia. Mas o que deveria ser uma bênção ecológica, começa a se tornar motivo de aflição, pois esse pedaço do nosso ecossistema está sendo impiedosamente devastado.

A causa é o desmatamento para fins agropecuários e, principalmente, para retirada de lenha que alimenta os fornos das mais de dez cerâmicas que existem no município. José Raimundo estima que cada uma delas consome, diariamente, o equivalente a um hectare da vegetação nativa, através da extração ilegal, indiscriminada e abusiva da lenha.

NA CALADA DA NOITE

Operam no município as Cerâmica Joana, Cerâmica Aliança, Cerâmica Livramento, Cerâmica Porto, Cerâmica Maria Luiza, Cerâmica Ribeiro, Cerâmica Gado Bravo e Lajes Pagão, que produzem, em média, 500 milheiros de lajotas e blocos por mês. O ambientalista calcula que 70% da lenha queimada tem origem nativa e 30% são descartes de mangueiras, eucalipto e restos de serragem.

Acrescenta que a ação predatória, que teria começado há cerca de 15 anos, cresceu muito, ultimamente, devido à grande ampliação dessa indústria, que se espalha pelo vizinho município de Paramirim, e já teria destruído 30% da reserva. No ritmo atual, alerta, todo o bioma local será exterminado em cinco anos e sua recuperação, por meios naturais, levaria pelo menos uns 30 anos.

Ele afirma que a circulação da lenha nativa, de forma ilegal, ocorre em grandes caminhões, na calada da noite, e que o IBAMA, apesar do empenho na fiscalização, não tem estrutura suficiente para inibir o processo. Das cerâmicas citadas, ele só faz exceção a Lajes Pagão, na preferência pelas lenhas alternativas, como troncos de mangueiras, eucalipto e restos de serragem.

Clarismundo Pires: a situação é preocupante

BUROCRACIA DO INEMA

O presidente da Associação dos Ceramistas, Clarismundo Pires de Oliveira, não confirma ou nega os dados do ambientalista, mas reconhece que “a situação é preocupante”. Disse que a entidade cumpre o papel de orientar seus filiados sobre a necessidade de se preservar o meio ambiente e de alertá-los quanto aos riscos de eventuais ações fora dos limites legais.

Queixa-se do excesso de burocracia e da demora, junto ao Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA), autarquia da Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia, no atendimento aos que buscam operar dentro da legalidade. Citou o caso particular da sua cerâmica, que tem dois projetos no órgão, há dois anos, pendentes de resposta, um para atividades de manejo e outro para extração de madeira.   

Mas a devastação não é só em Livramento. Da reserva original desse bioma, no Brasil, cerca de 45% já foram destruídos, pelo desmatamento insustentável, que está levando à extinção de uma das principais riquezas ambientais do país, que se destaca pela biodiversidade e suas características especiais.

A devastação pode ter consequências graves, como desertificação, empobrecimento do solo, agravamento da seca e surgimento de doenças, para o ser humano e outras espécies animais, devido à mudança de clima e ao desequilíbrio entre os elementos da fauna e flora, típicas desse ecossistema.

Leia mais:
http://mandacarudaserra.com.br/arquivo/dezembro2005/flores%20sertao.htm

 

 

Dona Tina – 22.02.2014

Pais dizem que foram
tratados com descaso

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Há uma máxima aplicada ao setor privado que diz: “o cliente tem sempre razão”. É recebido com mimos e polidez por empregados e donos da empresa. Na área pública, a sentença moral costuma ser invertida, por políticos e servidores arrogantes, para: “o cidadão é um saco”.

Sou fascinado pelas experiências quotidianas em ambientes pequenos como nossa Livramento de Nossa Senhora. Assim, volto ao processo de matrícula da Escola Estadual Dona Tina, cujo nome homenageia a legendária educadora Leontina Aguiar Souza, nascida no último ano do século XIX.

Não há imbróglio nenhum por lá, como se chegou a dizer. O que existe é falta de zelo para com a Educação, de respeito às mães e pais de famílias, que estão apontando claramente para o que deveria ser feito. Dizem que insistem em matricular seus filhos na dita unidade por considerá-la melhor.

MERECEM INCENTIVO

Então, é dever das autoridades educacionais incentivar seus funcionários e procurar saber o que pode haver de errado nas outras escolas. A demanda pela Dona Tina aumentou tanto, nos últimos anos, que foi elevada, pelo próprio Estado, de porte pequeno para médio, com mais de 600 alunos em 2013.

Pais e mães revezaram-se, por vários dias, em suas dependências, sem receber o mínimo que merecem, que seria a resposta correta para suas indagações. Procuraram a escola, para matricular os filhos na série inicial do fundamental II, com a expectativa natural das mesmas vagas de 2013, que seriam 115.

Sem nenhuma explicação, teria sido eliminada uma turma de 5ª série, que corresponde às vagas, no total de 35, ora disputadas por esses pais e mães, mas que são orientados a se dirigirem à Escola Polivalente, a qual está muito longe da instituição de primeiro mundo inaugurada em 1972. Tem capacidade para 800 alunos, mas teve apenas 552, em 2013.

FUGIRAM DA IMPRENSA

Os representantes da DIREC 19, que só foram ao Dona Tina, ontem, depois que os meios de comunicação saíram, argumentam que não há espaço físico para essas vagas, no turno matutino.  Mas havia antes. Então, a diretoria solicitou remoção da 8ª série para espaço ocioso à tarde, mas foi negado pela DIREC 19.

Parece que os pais foram vencidos pelo cansaço, tratados com descaso, prepotência e indiferença. Suspeita-se que por trás de tudo está a nefasta política, gerando disputa pelo poder e pelos empregos apadrinhados, via PST.

A Escola Dona Tina seria da cota eleitoreira do PT, cujo líder em Livramento é o vice prefeito Gerardo Azevedo Júnior, mas que revela certa apatia ao esquema. Colégio João Vilas Boas e Escola Polivalente, transformados em cabides de empregos temporários, seriam da cota do deputado Nelson Leal.

Como filé do rateio estaria a própria DIREC 19, que coordena 24 escolas, em 12 municípios, e pertenceria aos deputados Nelson Leal e João Bonfim, de Brumado. E assim caminha nossa Educação!

 

Avant première da folia – 22.02.2014

Geração da terceira idade
mostra vitalidade e alegria!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

Numa espécie de avant première do carnaval da região, os idosos de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, onde consta não haverá a tradicional folia, participaram ontem, na Praça Zezinho Tanajura, do 1º Carnaval dos Idosos, promovido pela Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Assistência Social, juntamente com os grupos Conviver, Saber Viver e Bem Viver, da terceira idade.
A lei considera idoso toda pessoa a partir de 60 anos, mas o espaço foi tomado por todas as idades, de bebê de colo aos “noventões”. A maioria aproveitou para, do seu jeito, soltar a alegria. Vieram até um grupo convidado da vizinha cidade de Dom Basílio, que se integraram à animada reunião da família livramentense.

Antes do embalo, ao som de marchinhas tocadas pelo grupo Amigos de Rosalino, de Rio de Conas, foi servido lanche, no espaço de apoio montado no Colégio João Vilas Boas, à base de frutas tropicais, sucos, bolos e caldos.

 

 

Absurdo baiano – 20.02.2014

Estado eleva porte, mas tira
vagas da Escola Dona Tina


Raimundo Marinho

Jornalista


Pais não entendem como as vagas foram reduzidas e esperam matricular seus filhos

O grande político baiano Otávio Mangabeira, primeiro governador da Bahia após a era Vargas, ocupando o cargo de 10 de abril de 1947 a 31 de janeiro de 1951, cunhou a célebre frase, sempre atual: “Pense num absurdo, na Bahia tem precedente”.

E essa mesma Bahia continua a produzir absurdos. O governo do Estado, através da Portaria nº 611/2014, assinada pelo secretário da Educação Osvaldo Barreto Filho, elevou a Escola Estadual Dona Tina, em Livramento de Nossa Senhora, de pequeno para médio porte, “com efeito a partir de 01.01.2014”.

A medida baseou-se no censo escolar de 2013, quando a escola ultrapassou os 500 alunos, chegando a mais de 600. Todavia, ao invés de ser premiada pelo seu desempenho e crescimento, foi punida com a redução das vagas para a 5ª série do ensino fundamental de 115, em 2013, para apenas 70, em 2014.

Não houve qualquer explicação e mais de 60 mães passaram o dia, ontem, na escola à espera da devolução das vagas. Uma delas, D. Eliana Neves, chegou a acionar o serviço de Ouvidoria da Secretaria da Educação do Estado e ficou ainda mais desapontada.

Demonstrando total desconhecimento das normas da SEC, a Ouvidoria não sabe que a Escola Dona Tina agora é de médio porte e respondeu à mãe: “Para a ESCOLA ESTADUAL DONA TINA, classificada como de pequeno porte, (...) existem duas turmas de 5ª series (...), totalizando, hoje, 43 vagas disponíveis (...)” - grifos deste site.

As mães suspeitam de manobra da DIREC 19, órgão regional da SEC, para forçá-las a matricular os filhos na Escola Polivalente, com capacidade para 800 alunos, mas que, em 2013, teve apenas 552, da 5ª à 8ª séries. Isso parece se confirmar na mensagem que a Ouvidoria enviou para D. Eliana Neves:

Informa-se, ainda, que, a três quadras da referida Unidade Escolar, existe outra escola estadual que também oferece a mesma modalidade de ensino, que é a ESCOLA POLIVALENTE DE LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA, uma escola de médio porte, com 108 vagas disponíveis atualmente para a 5ª série do ensino fundamental”.

Essas mães dizem preferir a Dona Tina, ao invés da Escola Polivalente, pela qualidade do ensino e do ambiente escolar. “Eu não me sinto segura com a minha filha de 10 anos, no Polivalente, com estudantes bem mais velhos, num ambiente onde a gente sabe que acontece de tudo”, disse uma delas.


Política & Esporte – 20.02.2014

Assim no campo como no cargo?


Raimundo Marinho

Jornalista

Gosto de explorar a simbologia que certos acontecimentos costumam ter. Uma equipe de futebol, da série “perna de pau”, formada por vereadores e funcionários da Câmara de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, sofreu fragorosa derrota, por cinco a um, último dia 14, ao enfrentar modesto time rural do povoado de Monteiro.

O louvável objetivo da iniciativa, ao que se sabe inédita e histórica e que abrange outras localidades, é estreitar as relações entre o povo e seus representantes. Merece todos os aplausos, pois, de forma lúdica e descontraída, é um modo espontâneo e direto de se falar com as pessoas e sentir as comunidades.

Consta que, nesses amistosos, é grande a presença de torcedores, que aproveitam a chance para fazer cobranças a algum vereador - primeira simbologia. Sendo a finalidade estreitar relações, os vereadores chegam cedo e o apito final é a saideira, onde copos são erguidos, na confraternização entre povo e autoridades, ganhadores e perdedores – segunda simbologia.

No amistoso, a equipe dos parlamentares teve um enxerto ilustre e de luxo, o prefeito Paulo Azevedo, embora não suficiente para evitar a, digamos, humilhante goleada. Mas o vereador Marcio Alan cuidou de explicar: “só botaram meninos para jogar contra a gente”. Ah, sim!

O vereador Zé Araújo, embora da oposição, defendeu o alcaide: “Sim, ele jogou certinho”. Mas fez uma ressalva: “Só que quando pegava a bola, não dava pra ninguém”. Será que esqueceu que não estava na prefeitura? Do meio da torcida, vinha o incentivo da primeira dama, Nete – terceira e última simbologia.

Fotos: Marcílio Alves, amador

 

 

Economia – 15.02.2014

Edil vê profunda depressão
financeira em Livramento

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O vereador Paulo Roberto Lessa Pereira, da Câmara de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, na sessão do último dia 14, alertou seus pares para o agravamento da crise econômica e financeira que atinge o município. Segundo ele, ficamos reféns da monocultura irrigada da manga, com a produção hoje reduzida a um terço, devido à seca e ao uso abusivo da água.

Lembrou que a economia local passou a girar apenas em torno da manga e do maracujá, levando outros seguimentos a cresceram juntos, como o comercio, agora também ameaçados de afundarem com o que chamou de “depressão financeira profunda”. Disse não saber seu real tamanho, mas se mostrou preocupado com a falta de mobilização para se enfrentar o problema.

O parlamentar disse ser necessário buscar outras alternativas de produção e lembrou que uma delas poderia ser a jazida de ferro na Serra de Amoreira, mas que ela deve ser vista com muito cuidado, em face dos riscos ambientais e para a saúde pública que essa indústria costuma trazer para as comunidades.

Criticou a “bolha imobiliária” que se instalou em Livramento, elevando o preço dos imóveis a níveis irreais, para ele insustentáveis e que poderá vir a ser outro fator de agravamento da depressão econômico-financeira, com impactos ainda maiores no comércio, nos empregos e na vida social da população.

 

Aniversário – 15.02.2014

A Diva do Calor Humano!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

A moçada do Clube Calor Humano, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, reuniu-se, no último dia 14, para festejar o 79º aniversário de uma de suas integrantes mais vibrantes e alegres, Diva Tanajura. Ela sabia da homenagem, mas ficou surpresa com o tamanho da festa e a quantidade de parentes e amigos que foi abraçá-la, com música ao vivo e espaço para dançar. Parabéns, garotona! Sua alegria contagia seus amigos!

 

 

Educação – 15.02.2014

Resgatando os bons modos!

 

A Escola Dr. Nelson José Leal, do povoado de Itanagé, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, programou para 2014 a execução de projeto alvissareiro, que consiste em resgatar “valores, morais, ética e bons modos”. Segundo o diretor Paulo Emílio

Vasconcelos Silva, a proposta é disponibilizar conhecimentos nesse sentido, através da interação entre escola, famílias e alunos.

O jornalista Raimundo Marinho foi convidado para fazer a palestra de abertura, no último dia 7. Ele destacou os principais valores morais e humanos que devem ser preservados ou até mesmo resgatados, principalmente no ambiente escolar. E que muitos deles devem começar em casa, desenvolvendo-se na escola, com a reverência aos professores e a amizade entre colegas.

O jornalista recordou gestos de educação e reverência, como tomar “bênção” dos pais e dos mais velhos e dar “bom dia” ou “boa tarde” a colegas e professores. Disse que a base dos valores morais e sociais, hoje tão escassos, são o respeito e o amor. Em paralelo, devem ser combatidas a indisciplina e as agressões no ambiente escolar, principalmente contra professores.

 

 

Clube esquecido – 15.02.2014

AAL faz 80 anos, sem brilho
nem glamour, abandonada

 

Raimundo Marinho

Jornalista

Bem longe do brilho e do glamour que teve no passado, sem festa e praticamente abandonada, a Associação dos Amigos de Livramento (AAL), clube social da cidade de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, completa hoje 80 anos. Foi fundada em 15 de fevereiro de 1934, oito anos após a emancipação política do município, com finalidades literária, recreativa, beneficente, artísticas e de proteção à maternidade e à infância, sendo reconhecida de utilidade pública em 16.10.1953 (Lei Estadual nº 588/1953).

Jovem na antiga "concha": Dia das Mães

O velho clube está acéfalo e foi esquecido pelos sócios. Quem ainda toma conta é o último presidente eleito, há 10 anos, para um mandato de dois anos, Evanildo Machado Lima. Segundo ele, “ninguém quer ser presidente” e os sócios contribuintes deixaram a entidade, restando apenas os remidos, que não pagam mensalidades. Diz que o prédio é mantido a duras penas, com ajuda da prefeitura e de alugueis defasados de seus espaços.

O saudoso Mozart Tanajura, em História de Livramento, a terra e o homem (2003), registra que a debacle da AAL começou com o surgimento do Clube de Campo Caiçara, na década de 70, com espaços e instalações bem mais atraentes à época. Segundo Mozart, a “Associação”, como era chamado o clube, “foi, durante muitos anos, o ‘Salão Nobre’ da cidade, onde se reunia a sociedade local para se divertir, instruir e se confraternizar nas festas cívicas e sociais”, onde “os jovens se exercitavam para a vida sociocultural”.

Antes da emancipação e, portanto, bem antes da AAL, provavelmente a partir de 1746, a então Vila Velha teve o Clube Villa Velhense. Segundo o livro Livramento é de Nossa Senhora (Raimundo Marinho/Eduardo Lessa: 1995), tinha como objetivo a “elevação do nível intelectual da mocidade villa velhense, e o desenvolvimento da moral na sociedade” (sic). Inclusive, ministrava curso prático da língua francesa, falada pelos nobres da região, naquela época.

Tradicional festa de debutante, na AAL

 

 

Baixa renda – 12.02.2014

Menos de 20  livramentenses
ganham mais de 30 mínimos

 

Raimundo Marinho

Jornalista

O Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) constatou um grau de baixa renda preocupante, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, com a média geral inferior a um salário mínimo, que era de R$510,00, à época (Lei nº 12.255/2010). Sem falar que, dos 42.705 habitantes, mais de 16 mil, cerca de 40%, declararam não ter qualquer rendimento.

Outros 16 mil têm renda que varia de R$169,50 ao piso de R$510,00). Menos de 1.000 possuem renda mensal acima de cinco salários mínimos (R$2.550,00). Somente 18 mulheres declararam ter renda mensal acima dos 10 salários mínimos da época (R$5.100,00), enquanto os homens acima dessa renda chegaram a 76.

Hoje o salário mínimo é de R$724,00 (Decreto nº 8.166/2013), o que, naturalmente, reduzirá aquele quantitativo. É um grave indicador de pobreza, pois o salário mínimo integral já seria insuficiente para prover uma família da cesta básica nacional, estimada em pelo menos R$2.765,00, ou seja, quase quatro vezes o piso em vigor e mais de cinco vezes o de 2010.

(Os produtos dessa cesta básica seriam: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão francês ou de forma, café em pó, açúcar, óleo ou banha, manteiga, frutas (banana/maçã). Não estão incluídos ai outros custos da família, como: saúde, moradia, educação, lazer, vestuário etc.)

Nesse quadro, as mulheres são ainda mais desafortunadas, perdendo longe para os homens. Nenhuma delas está, por exemplo, entre os minguados 16 livramentenses que, no Censo 2010, declararam ganhar acima dos 30 salários mínimos mensais da época (R$15.300,00).

 

Política – 12.02.2014

MP desiste de ação contra
vereadores de Livramento

 

Raimundo Marinho

Jornalista

Os vereadores de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, José Araújo Santos, que migrou do PSD (Partido Social Democrata) para o Partido Solidariedade, e Joaquim da Silva, que saiu do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) para o PROS (Partido Republicano da Ordem Social) livraram-se da ação de perda de cargo eletivo por desfiliação partidária, processos nº 25812.2013.605.0000 e nº 46256.2013.605.0000, respectivamente, no TRE-Ba.    

A ação foi movida pelo Ministério Púbico Eleitoral, antes de ser informado de que a desfiliação de cada um deles ocorreu com a subsequente filiação em outra legenda recém-criada. Isso porque legislação eleitoral veda a mudança de partido na vigência do mandato, salvo quando há justa causa. No caso, a justa causa seria a migração para agremiação criada após a eleição, ou seja, partido novo, conforme reza o art. 1º, § 1º, inciso II, da Resolução nº 22.610/2007 do TSE (Tribunal Superior do Trabalho).

Informado dessa circunstância, na contestação, pelos advogados dos vereadores acionados, o Ministério Público Eleitoral comunicou ao Tribunal Regional Eleitoral a desistência da ação. Em relação a José Araújo o pedido foi homologado no último dia 10, estando a situação de Joaquim da Silva apenas dependendo da mesma homologação.

 

Julgamento – 11.02.2014

Mantida pena de 49 anos
do pai que matou as filhas

 

Raimundo Marinho

Jornalista

O técnico agrícola Robson Assunção Cordeiro, 34 anos, que assassinou as filhas Layssa e Mabel, então com 2 e 3 anos, respectivamente, na madrugada de 26 de março de 2006, foi julgado, ontem, pela segunda vez, pelo Tribunal do Júri da Comarca de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, e condenado aos mesmos 49 anos e três meses de prisão, mais 10 dias multa, incluindo o crime de fraude processual (Ação Penal nº 0000421-94.2006.805.0153).

O primeiro julgamento ocorreu em 18 agosto de 2010, presidido pelo então juiz da Vara Crime local Pablo Venício Novais Silva, após quatro adiamentos consecutivos, solicitados pelos advogados de defesa, que não compareceram, à época, levando o juiz a nomear advogado dativo. Inconformados, os bacharéis contratados pediram e conseguiram anulação do júri perante o Tribunal de Justiça da Bahia, alegando irregularidades em sua realização.

Juiz João Lemos Rodrigues, lendo a sentença

Nesses quase oito anos em que dura o processo, a defesa fez tudo que pode para afastar o julgamento da comoção provocada pelo crime, conseguindo, finalmente, um júri sem o assédio da população. Os defensores foram muito confiantes, ontem, e apostaram na tese considerada mais difícil, que seria convencer o Conselho de Sentença de que o assassino tinha doença mental que o impedia de entender o caráter criminoso do ato que praticou.

Os jurados, porém, não concordaram e optaram pela tese da acusação, baseada nas provas dos autos, apresentada pelos promotores, de que o crime foi meticulosamente planejado e executado e Robson Assunção Cordeiro era saudável e normal, à época do fato. Os advogados já apelaram da decisão, com fundamento no art. 593, inc. III, alíneas a, b, c, e d, do Código de Processo Penal. Porém, por já se encontrar preso, foi negado ao réu o direito de recorrer em liberdade.

REGIME PRISIONAL

O condenado será encaminhado à Penitenciaria Lemos Brito, em Salvador, para cumprimento da pena, inicialmente pelo regime prisional fechado. Mas, de acordo com o art. 112, da Lei de Execução Penal, nº 7.210/1984, se tiver bom comportamento

Robson Assunção Cordeiro

carcerário, terá direito à progressão de regime, assim que completar um sexto da pena, pouco mais de oito anos. Significa que ainda este ano poderá ir para o semiaberto, mais leve, que permite sair para trabalhar.

O júri de ontem foi presidido pelo Juiz João Lemos Rodrigues que, ao fazer a dosimetria e fixar as penas, conforme lido na sentença, qualificou o crime como “cena de horror imposta à sociedade” e que as vítimas tiveram como algoz justo quem deveria protegê-las, o pai. Sobre as consequência do crime, relatou: “houve extermínio de duas crianças de maneira brutal, maculando a vida de uma família inteira e chocando a população dessa cidade”.

Atuaram na acusação, representando o Estado, os promotores Rafael Henrique Tarcia Andreazzi e Michele Aguiar Silva Resgala, da 1ª Promotoria de Justiça de Livramento de Nossa. Os patronos do réu foram os advogados Alfredo Venet Lima, Luciano Bandeira Pontes e André Franco. O réu usou o direito de não comparecer. O Conselho de Sentença foi composto por sete jurados.

Clique aqui para ler a sentença>>

 

 

Presépios – 04.02.2014

Tradição que lembra estábulo
onde o Menino Jesus nasceu

 

Raimundo Marinho

Jornalista

A armação dos presépios, no mês de dezembro, sempre foi uma tradição marcante em Livramento de Nossa Senhora, Bahia. Existiam em quase todas as casas, mas hoje se tornaram raros. Tratam-se de uma criação artística que procura reproduzir a gruta de Belém, onde o Menino Jesus nasceu.

A palavra presépio significa exatamente isso: local onde se recolhe o gado ou o estábulo. Possui variedades de tamanho, cor, formato e material usado, como pedras, papel, madeira etc. O mais tradicional, entre nós, tem sido o da “casca” retirada de rochas e fixada em superfícies moles, como a barriguda seca.

São desmontados geralmente após o Dia de Reis, seis de janeiro. Mas algumas famílias, como a da professora Alice Otília, que mora no bairro Polivalente, os mantém armados por todo primeiro mês do ano. Veja, nesta página, fotos do seu belo presépio, versão 2013, que tiramos horas antes de ser desarmado.

 

 

Ano Legislativo – 04.02.2014

Livramento começa com
expectativas e cobranças

 

Raimundo Marinho

Jornalista

Começou ontem o ano legislativo nas câmaras municipais e em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, a sessão foi aberta pelo presidente João de Amorim e Silva, que desejou a repetição, em 2014, da harmonia, do trabalho, da união e sucesso alcançados pela Casa, em 2013.

O prefeito Paulo Azevedo, a quem tradicionalmente cabe proferir o principal discurso de abertura, não compareceu. Foi representado pela secretária de Governo, Mona Lisa Trindade, que justificou a ausência do alcaide devido a compromisso superior, anteriormente agendado.

Mona Lisa: recursos de R$28 milhões para obras

Na mensagem do Executivo, ela listou alguns dos propósitos e das ações da administração municipal, destacando o montante de recursos federais obtidos pela prefeitura, de R$28 milhões, que estão sendo transformados em obras, para atender às necessidades da população. Disse que o foco será a atenção ao povo, para o que pediu a continuidade do costumeiro apoio dos vereadores.

Salientou que 2013, primeiro ano da atual gestão, “foi de expressivas realizações, traduzidas em obras desafiadores e arrumação da Casa”, mas que “maiores foram as dificuldades que tivemos de superar e ou conviver”. E que muitas das dificuldades “decorreram da solução de continuidade que sempre há nas transições administrativas, e da estiagem que castigou nossa região”.

Os vereadores focaram suas falas na avaliação positiva de 2013, expectativas e cobranças para 2014, desejando que prevaleçam a união e o esforço comum, na

discussão e votação de matérias em favor dos interesses da comunidade. O vereador Antônio Luís Rego Azevedo estendeu-se um pouco mais, dando conteúdo prático e crítico à sua fala.

João Amorim: união e harmonia em favor do povo

Ressalvando que fazia “críticas construtivas”, apontou o que, segundo ele, teriam sido omissões e falhas do governo municipal, em 2013: estradas ruins, iluminação pública precária, atraso de salários, ruas sem pavimentação, contaminação da água, deficiências no hospital, descaso para com o patrimônio cultural, falta de plano de saneamento.

E sugeriu concurso público na área de saúde, serviço de mamografia no hospital, ampliação dos PSFs (Saúde da Família), planejamento municipal, agricultura sustentável, universidade pública, ponto cidadão (para emissão de documentos), manutenção do aeródromo, além de amor e respeito ao povo.

 

Artigo – 03.02.2014

Ainda sobre o desagravo
à professora Márcia

 

Jorge Soares de Oliveira

Advogado

Embora suspeito para tal, subscrevo, “dou fé e assino em público e raso”, o desgravo à minha irmã, ademais por entendê-lo como extensivo a todos os mestres que mesmo exercendo a profissão com carinho, sofrem, ou podem sofrer, a qualquer momento, ataques de indivíduos vocacionados (e/ou influenciados) para o mal.
Mas, me permita um ligeiro reparo: ao utilizar a expressão moleque para qualificar alguém que, no seu entender, possa ser considerado um agressor covarde, você, mesmo que sem a mínima intenção, acaba de cometer uma injustiça com um punhado de gente boa que ao longo da vida já fez alguma molecagem, sobretudo na infância, na adolescência e na juventude. (continua no link)
Clique aqui para continuar lendo este artigo>>

 

Delinquência na escola – 03.02.2014

Conselhos sem classe
e professores acuados

 

Raimundo Marinho

Jornalista

O Espaço do Leitor de A Tarde publicou a seguinte nota de Nilton Ribeiro da Silva, dia 30.01.2014, sob o título “O conselho de classe e o professor”:
O período do conselho de classe nas escolas públicas me faz lembrar o que disse o historiador Eric Hobsbawm: “Ser professor no Brasil é deprimente”. Sociedade! Por que vocês são tão indiferentes com a gente? Porque a educação no Brasil não é uma instituição respeitada como a Constituição, assim como fazem os americanos e outros povos que se respeitam.

Sociedade! Vocês não sabem como nós sofremos em sala de aula nas escolas públicas. E quando chega o período do conselho de classe, a humilhação se completa. Não entendo por que são tão covardes as coordenações pedagógicas e as direções das escolas. Nós, professores, ficamos carcomidos e desesperançosos! Sociedade, não seja omissa e indiferente com a nossa situação!

Algumas escolas públicas de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, estão em situação parecida. Nelas, o tal conselho, formado por diretores e professores, além da classe, também perdeu o pudor e a noção das regras que regem a gestão escolar e o exercício de função pública.

NÃO CUMPRE FINALIDADE

O conselho deveria avaliar o trabalho do professor e a aprendizagem do aluno, refletindo sobre a gestão escolar e o funcionamento da escola, mas tem se limitado a aprovar alunos faltosos, desinteressados e sem rendimento escolar, incluindo os que ameaçam, ofendem e agridem professores.

Raramente são observados os critérios e condições de aprovação nessa instância pedagógica e democrática. Não lhe cabe apenas decidir se determinado aluno merece ou não ser aprovados, sua finalidade é detectar eventuais dificuldades de aluno e professor, da gestão escolar e da própria instituição de ensino.
Professores estão doentes e acuados por alunos indisciplinados e agressivos, devido à covardia e negligência das coordenações pedagógicas e direção das escolas. Há alunos que vivem em famílias desagregadas e necessitam de medidas socioeducativas, outros tornam-se delinquentes na própria escola.

Casos de agressões e ameaças a professores, nas escolas, já estão chegando às delegacias de polícia e à Justiça. Em Bragança Paulistas (SP), um aluno, de 20 anos, 3º ano do ensino médio, foi condenado a pagar indenização de R$10 mil a uma professora por ter jogado casca de banana nela.

O juiz disse que a docente foi exposta ao ridículo, justo onde deve deter autoridade para ensinar, e que os jovens esquecem que também tem deveres. Já a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara Federal aprovou proposta que prevê punição para estudantes que desrespeitarem professores ou violarem regras éticas e de comportamento nas escolas.

(ilustrações copiadas da internet)

 

Administração - 30.01.2014

Livramento tem recursos de
R$26 milhões para obras


Raimundo Marinho

Jornalista

Os acessos principais à cidade de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, vindo de Brumado e Paramirim, serão requalificados e ostentarão dois vistosos pórticos, cujas maquetes estão prontas (fotos). Segundo o prefeito Paulo Azevedo, eles serão o cartão de visita da cidade e lideram a agenda de obras, este ano, no município.

O alcaide disse que já conseguiu recursos perto de R$26 milhões, para obras que incluem construção de duas importantes unidades de saúde, espaços esportivos, reforma e construção de escolas, creches, pavimentação, sinalização urbana e aquisição de máquinas, incluindo repasses federais e estaduais, financiamento e verbas próprias.

O montante foi obtido graças ao empenho de Paulo Azevedo, que disse ter feito muitas peregrinações a Salvador e Brasília. Acrescenta que metade das verbas já está aprovada, com várias obras em andamento (R$3,8 milhões) e outras a licitar (R$4,3 milhões), além do financiamento da Desenbahia, de R$5,8 milhões.

Embora ressalvando que preferia fazer a divulgação oficial só após a conclusão das obras, garantiu que, em 2014, Livramento será um canteiro de obras. Admite que tem sido mal compreendido exatamente por falta dessa divulgação, mas confia que, se realizar pelo menos metade dos projetos, mudará totalmente a cara de Livramento.

Além da Unidade Básica de Saúde (UBS) e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), estão previstas reforma de 11 escolas, quatro novas escolas, reforma de seis creches, duas novas creches, reforma de seis unidades de saúde, sinalização do trânsito, pavimentação de ruas, com asfalto e paralelepípedos, e novas quadras poliesportivas.

COMUNIDADES BENEFICIADAS

Reformas de escolas (em análise): Arrecife, Iguatemi, Barbosa, Rio Abaixo, Pau-a-pique, Monte Oliveira, Patos, Nado de Cima, Canabrava e Rocinha. Construção de escolas: Itanajé, Lourenço, Tabuleiro, Várzea de Dentro. Reforma de creches: Estocada, Taquari (2), Patos, Barrinha e sede. Construção de creches: Barrinha e Benito Gama.

Reforma de unidades de saúde: Iguatemi, Itaguassu, Sítio Novo, Amoreira, Lourenço e sede. Pavimentação asfáltica: acesso ao CAPS, Iguatemi, Avenida Dr. Nelson Leal, Rua Laura Nunes, ligação Estocada-Polivalente, Benito Gama, Itanajé e Barrinha. Pavimentação em paralelepípedos: Estocada, Patos, Rua do Areão, Barrinha, Campo de Pouso e sede.

Quadras poliesportivas: Barrinha, Benito Gama, Estocada, Várzea, Mucambo, São Timóteo, Iguatemi. Recentemente, a prefeitura recebeu as seguintes máquinas: caçamba, patrol, caminhão, pá carregadeira e uma retroescavadeira.

Cauteloso, Paulo Azevedo faz questão de ressaltar que os cronogramas de aprovação e liberação de recursos ou até mesmo o andamento das obras não depende só da prefeitura, alertando que poderá haver alterações no curso das providências. Mas garante que não descansará até ver o maior número possível desses projetos concluídos.

Fontes dos recursos: Fundo Nacional de Educação - FNDE (escolas e creches), Ministério da Saúde (UBS e UPA), Desenbahia, Caixa Econômica, ministérios do Turismo e Cidades e Prefeitura (pavimentações asfáltica e paralelepípedos), Estado da Bahia e FNDE (quadras poliesportivas), PAC 2 (máquinas recebidas).

 

 

Sepultamento – 29.01.2014

Seu Nengo, um dos últimos das
famílias históricas de Livramento

Foto: http://tanajura150anos.blogspot.com.br/

Família D. Judith (Esq. para dir): de pé (Santa, Tilinha, Belinha, Nengo, Judite, Dezinha, João Matias com o filho Artur Matias). Sentados: João Pedro e Chico Brasil.


Raimundo Marinho

Jornalista

Morreu e foi sepultado, ontem à tarde, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, o agricultor e ex-vereador José Basílio de Cássia (1921-2014), “Seu Nengo”, que faria 93 anos no próximo dia 9 de fevereiro. Ele e a irmã Maria da Conceição Castro Tanajura (Dona Santa), que ainda vive, segundo nos corrige o neto desta Klauber Tanajura Silva, seriam os últimos descendentes naturais e diretos do núcleo das famílias Castro e Tanajura, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia. 

Era filho de Artur Cândido de Castro e Judith Meira Tanajura, neto de Cândido Alves de Castro Coelho, o “Capitão Cândido”, e bisneto de Miguel Alves Coelho, cuja esposa Manoela Sophia de Castro era filha do primeiro Castro a chegar a Livramento, dono de tudo por aqui, Joaquim Pereira de castro, com Francisca Joaquina de Jesus.

Foto: Raimundo Marinho (mandacarudaserra.com.br)

Seu Nengo homenageado na Câmara de Vereadores, com o título de “Cidadão Benemérito”, por ocasião das comemorações dos 90 anos do Legislativo livramentense, dia 15.12.2011.

José Basílio de Cássia, o Seu Nengo, era do mesmo tronco familiar dos Castros da sua esposa Maria Guimarães Tanajura de Cássia. Esta era treta neta dos bisavós do marido (Miguel Alves Coelho/Manoela Sophia de Castro).

Ele foi atuante e influente na sociedade de Livramento. Viúvo de D. Maria Guimarães Tanajura de Cássia, deixa as filhas Maria José, Maria Lúcia, Maria Stela e Ieda Maria. O filho Francisco José faleceu ainda jovem. Deixa as netas Ana Maria, Graziela, Ilana, Cinthia, Joice, Flavia, Letícia e Yanna.

Fontes: Castro: “Tesouro de Família”, 2002 (Samuel Cândido de Oliveira Castro), História de Livramento, a Terra e o Homem, 2003 (Mozart Tanajura), Rilardo Tanajura (por telefone) e LINK http://tanajura150anos.blogspot.com.br 

 

 

 

Unidades de saúde – 28.01.2014

UBS e UPA em Livramento
beneficiam os mais pobres


Raimundo Marinho

Jornalista

A construção da Unidade Básica de Saúde (UBS) e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, é o resultado do empenho do prefeito Paulo Azevedo em concretizar obras com recursos federais, no município.

Fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2) do governo federal e o processo que contemplou Livramento teria se iniciado na gestão anterior, do prefeito Carlos Batista.

No entanto, a grandeza das obras e sua importância, principalmente para a população mais carente, estão sendo afetadas por mesquinhos interesses políticos-eleitoreiros, notadamente os de cunho oposicionista.

Mas os projetos estão prontos, inclusive com as maquetes de como ficarão as edificações (fotos). Esperamos que o bom senso prevaleça e todos se unam em torno da melhor solução. É hora de se mostrar desprendimento!

O que é uma UBS?

Ela oferece serviços básicos e gratuitos de pediatria, ginecologia, clínica geral, enfermagem e odontologia, consultas, inalações, injeções, curativos, vacinas, coleta de exames laboratoriais e tratamento dentário.

Encaminha pacientes para atendimentos especiais e fornece a medicação necessária. Faz parte da Política Nacional de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde. Pela sua própria localização, é um serviço essencial para as camadas mais pobres, como os bairros Taquari, Benito Gama e Jurema.

O que é uma UPA?

Oferece serviços de pronto-socorro, 24 horas, atendendo casos de hipertensão arterial, febre alta, fraturas, cortes ou mesmo infartos. Atua com o SAMUR (192) e conta com raio-X, eletrocardiografia, laboratório e leitos de observação.

A UBS e a UPA foram lançadas em 2003, pelo Ministério da Saúde, e chegam a Livramento 10 anos depois. Fazemos um apelo às lideranças políticas para que parem de bater boca e se unam em favor da concretização desses projetos. 

A briga entre situação e oposição é nociva e pode até inviabilizar as obras. Podemos ter tanto as unidades médicas, que vão servir, principalmente, ao povo pobre, quanto o aeródromo para os ricos. É só usar a inteligência!

 

 

Canabrava – 28.01.2014

Fé que leva à montanha,
ou à Serra das Almas!


Raimundo Marinho

Jornalista

A população católica de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, elegeu Nossa Senhora, Bom Jesus do Taquari e São Gonçalo como os principais santos da sua devoção. O santo da Canabrava, São Gonçalo, é o mais popular, cuja missa festiva é celebrada dia 28 de janeiro, há mais de 200 duzentos. 

O local atrai grande romaria, que vai de devotos fervorosos a festeiros embriagados. Mas é uma grande tradição sertaneja, onde a fé religiosa é indiscutível. Na igrejinha, cravada em um grotão da Serra das Almas, peregrinos contritos pedem a interseção de Gonçalo para obter a generosidade de Deus.

Costumo dizer que os santos foram pessoas comuns como nós e apenas deixaram exemplos de dedicação a Deus e de obediência aos ensinamentos de Jesus. Viveram de forma santa, como todos nós deveríamos fazer. A Igreja só faz canonizá-los em reconhecimento ao trabalho que realizaram na Terra.

Só rezar e reverenciar os santos não basta. Temos de seguir seus exemplos de fé e caridade. O beato São Gonçalo era filho de família nobre, do extremo norte de Portugal. Exerceu a maior parte do seu sacerdócio na pequena Vila de Amarante, na mesma região, cujo nome incorporou-se ao seu.

Desde menino, chamava a atenção pela dedicação à vida cristã. Escolheu a vida espiritual como razão da sua existência. Segundo a tradição portuguesa, ele ia aos prostíbulos para distrair as prostitutas e seus clientes, com atividades lúdicas e os cansava com várias brincadeiras divertidas e movimentadas.

Todos ficavam tão cansados que desistiam da prática da prostituição e retornavam para suas casas. Ao botarmos os pés na estrada, hoje, a caminho da Canabrava, vamos refletir sobre a vida santa de Gonçalo do Amarante e pedir-lhe que nos inspirem a seguir os caminhos santos de Jesus!

 

 

Educação – 27.01.2014

EJA forma mais de 50 alunos
na Escola Estadual Dona Tina


Raimundo Marinho

Jornalista

Eliana Dias, Emille Cristina Meira Silva, Ivan de Jesus Silva, Nathalia Cordeiro Moura, Thiago Lopes dos Santos e Valdirane Jesus Martins representaram, na entrega de certificados, último dia 25, os mais de 50 alunos que concluíram o ensino médio, em 2013, pelo EJA (Educação de Jovens e Adultos), da Escola Estadual Dona Tina, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia.

Simbolizaram a luta de milhares de brasileiros que não puderam concluir o curso na idade regular, mas não desistiram, determinando-se a lutar e a vencer dificuldades, para melhorar suas condições de vida. Entre os “formandos” estão mães e pais de famílias que acreditam no futuro.

A solenidade, na escola, foi comandada pela diretora Maria Auxiliadora Prates. Presentes professores, funcionários, familiares e convidados, entre estes o vice-prefeito Gerardo Azevedo Júnior e o ex-presidente da Câmara de Vereadores Lafaiete Nunes Dourado, dois dos padrinhos da turma. 

O ato foi simples, mas seguiu os ritos formais e elegantes de uma formatura, com a professora Márcia Oliveira convidada para ser mestre de cerimônia e que festejou os concluintes como “as estrelas desta noite”. A aluna Valdirane Martins homenageou os colegas cantando Amigas Para Sempre, da trilha sonora da novela Chiquititas.

Eles ouviram muitos incentivos, como da professora Jumenia Magalhães, que os alertou a “manter sempre viva a vontade de aprender”, a serem ousados, mas com responsabilidade. Lafaiete Nunes, lembrou que “o certificado que acabaram de receber os levará a outros certificados”.

A professora Ester Ligia destacou a importância do caminho percorrido até aqui “para a vida de cada um de vocês”. Gerardo Junior afirmou que a Escola Dona Tina provou ser possível “fazer muito com o pouco que se tem”. 

O professor homenageado pela turma, Deraldo Augusto Neto, olhou para o futuro, dizendo “olá” a eles não apenas como ex-alunos, mas como futuros médicos, professores, advogados, engenheiros. E sugeriu: “busquem o sucesso, mas não se tornem vassalos dele”.

Nossos parabéns a esses bravos brasileiros!

 

 

Comentário – 24.01.2014

Voos de ignorância e cinismo
sobre nosso campo de avião


Raimundo Marinho

Jornalista

A reunião do ex-prefeito Carlos Batista com aliados, na Câmara de Vereadores, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, onde acusou o prefeito Paulo Azevedo de valorizar com obras públicas propriedades privadas, poderia ter sido uma reação objetiva à desativação do velho campo de aviação.

Mas pecou pelo partidarismo oposicionista e críticas fáceis ao chefe do Executivo, fugindo da defesa isenta e sincera do adequado aproveitamento da área em discussão. Faltou ênfase na única possibilidade do velho aeródromo: ser transformado em rota de aviação comercial, na região. 

(Veja mais em: http://www.mandacarudaserra.com.br/arquivo/2012/dezembro.html).

Os políticos locais precisam sair do engodo e do cinismo, para convencer o governo federal a incluir a região no programa anunciado pela presidente Dilma Rousseff, em Paris, de onde garantiu: “Dinheiro para isso nós temos”.

Requer ação regional, pois o programa exige que o município tenha pelo menos 100 mil habitantes. Nossa região chega a mais de 300 mil, se considerarmos os municípios que formam a Diocese de Livramento.

Nossos líderes só pensam em eleições, como o ex-prefeito que é pré-candidato a deputado estadual e se movimenta nesse sentido. Acham que podem controlar as consciências, apenas com a distribuição de migalhas aos eleitores.

Como bem lembrou o vereador Antônio Luiz Rego (PT), que presidiu o encontro, e como reiteradamente divulgado neste site, temos problemas muito mais urgentes e graves com que deveríamos também nos preocupar.

Entre eles, estão: defasagem dos sistemas de água e esgoto, falta de infraestrutura e ordenamento urbanos, escassez de recursos hídricos, contaminação ambiental, educação e saúde, desmoronamento do patrimônio cultural, abandono das comunidades interioranas.

FALTA PLANEJAMENTO

Os prefeitos não planejam, limitam-se a replicar orçamentos, ao sabor das conveniências eleitoreiras, longe de atender ao que manda a lei. Fica tudo exposto aos desvios e aos roubos. E a cidade cresce desordenada e carente.

A população se cala e, quando há audiência pública, é para encobrir as desídias. Paradoxalmente, o único prefeito que vi coletar sugestões da comunidade, para compor o Plano Plurianual de Administração, foi Carlos Batista, em 2009.

O povo deu-lhe a oportunidade impar de conhecer e atender às reais necessidades coletivas, com pedidos modestos, fruto da visão simples dos habitantes. Porém, não se sabe se em conluio com o Executivo, os vereadores não acolheram as sugestões, matando a esperança popular.

Vejam mais em: http://www.mandacarudaserra.com.br/arquivo/2009/dezembro_2009.html

Infelizmente, no bate-barba sobre o aeródromo, o agora ex-prefeito Carlos Batista não tem autoridade para criticar. Em sua longa gestão de oito anos, foi negligente e não fez o que está a exigir do governo atual.

Paulo Azevedo, por seu turno, peca com a falta de transparência no caso, mesmo quando acusado de destruir equipamento público sem o devido processo administrativo. Não pode argumentar que a área estava abandonada, pois é sua obrigação mantê-la preservada e protegida.

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

Certidões do registro de imóveis provam que pessoas ligadas à família do prefeito adquiriram, recentemente, a preços baixos, extensas áreas de terras, na região, indicando a possibilidade de especulação imobiliária, em suposto uso de informações privilegiadas (que só os íntimos do gestor teriam).

Se há a ilegalidade, como alegado por Carlos Batista, cabe embargo judicial, sem delonga. Do mesmo modo, cabe a responsabilização do ex-prefeito por improbidade, ao não zelar o bem público em questão, relegando-o ao abandono, nos oito anos em que chefiou a administração.

Meu ponto de vista é que temos elevados índices de miséria, em nosso município, não cabendo o luxo de se ter um campo de pouso ocioso, se poderemos torná-lo rentável. Hoje, ele só serve a poucos privilegiados. 

Dizer que seria uma base para emergências médica, é tão eloquente quanto o Carlos Batista dizer que foi pousar em Rio de Contas, por recomendação médica, para “não ser machucado pelo povo”. Ou temia ser linchado ou não estava recuperado para reassumir o cargo, como foi o objetivo do retorno.

O espalhafatoso resgate de bebês prematuros foi uma vergonha. Só ocorreu por falta de equipamentos simples no hospital, como incubadora e UTI, justamente pela negligência dos prefeitos médicos. Tio Dedé morreu à míngua, nesse hospital, em 2011, para quem de nada serviu o aeródromo. 

AEROPORTO DE VERDADE

O campo de pouso deve ser preservado e equipado, sim, mas para ser rota de aviação comercial, na região. Isso poderia, efetivamente, trazer progresso e gerar uma infinidade de benefícios para a população, sejam usuários ou não do transporte aéreo. Chega da desculpa esfarrapada de que é difícil conseguir.

Tudo se consegue com luta e determinação! Até um bebê, que não seja prematuro, sabe que “quem não chora não mama”. Temos de exigir contrapartida dos políticos que dizem nos representar. Nós merecemos bem mais que servir de claque para políticos inescrupulosos. 

Na Conferência da Cidade, 4 junho de 2013, na Câmara de Vereadores, fiz um resumo das necessidades urbanas e sociais de Livramento, como requalificação de espaços e abertura de novas vias. Fui muito aplaudido, mas nenhuma das sugestões postas foi encampada pelos gestores.

Veja mais em: http://www.mandacarudaserra.com.br/arquivo/2013/junho.html

Os políticos são de véspera de eleição, mas nós, não. Temos um legado a deixar para futuras gerações, incluindo nossa descendência: filhos, netos, bisnetos, tetranetos etc. Se não tivermos garra, se não tivermos amor próprio, se não tivermos, desculpe-me a expressão, “cabelo no saco”, para nos opormos aos desmandos dos governantes, para que servimos?

Se só sabemos bajular e dizer amém a políticos corruptos, a governantes incompetentes e desleixados, então, não merecemos viver nesta terra maravilhosa, e tão prendada pela natureza.

Chega de puxa-saquismo, de sermos bucha de canhão, de servirmos de trampolim para políticos sem vergonha, chega de politicagem, chega de covardia! Enfim, chega de sermos eternos jegues de presépio!

 

Aeródromo – 23.01.2014

Carlos Batista acusa prefeito de
beneficiar familiares com obras


Raimundo Marinho

Jornalista

 

O ex-prefeito Carlos Batista, Carlão, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, que se articula como pré-candidato a deputado estadual, acusou o prefeito Paulo Azevedo de favorecer familiares e financiadores de campanha eleitoral com as obras que realiza no espaço do aeródromo, em cujo entorno estão os bairros periféricos de Jurema e Benito Gama.

Segundo Carlão, o benefício viria com a valorização imobiliária, em razão das obras, em cujas proximidades os beneficiados teriam adquirido, por valores aviltados, extensas áreas de terra, valendo-se de informações privilegiadas, que teriam sido obtidas pela ligação familiar e política com o chefe do Executivo.

Exibindo certidões do Cartório de Registro de Imóveis, o ex-prefeito nominou dois beneficiários, o comerciante Moacir Pereira da Silva, em dupla com o empresário Raul de Cássia da Silva, casado com Maria da Conceição Souza Machado (18 hectares, por R$50 mil, em 13.09.2013); e a atendente de enfermagem Janete Souza Machado (4 hectares, por R$30 mil, 16.07.2013). 

Disse que as obras públicas vão multiplicar o valor dos imóveis. Ele fez a denúncia em reunião, na Câmara de Vereadores, por ele convocada, através dos partidos políticos que apoiam sua campanha contra o atual prefeito (PV, PR, PSD, PTB, Solidariedade77 e PT).

O convite à população chegou a qualificar o evento de “audiência pública”, mas se tratou de uma reunião de opositores ao prefeito Paulo Azevedo, sem representantes do grupo da situação. Teve até claque, arregimentada, em sua maioria, nos bairros Benito Gama e Jurema, pelo líder comunitário e suplente de vereador João Batista Pereira dos Santos, o João de Ogum.

A tônica do encontro, conduzida pelo vice-presidente da Câmara, vereador Antônio Luiz Rego Azevedo, foi a defesa do aeródromo, de 68 anos, ameaçado pelas obras da prefeitura, para construção de UBS (Unidade Básica de Saúde), UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e outros equipamentos públicos. 

Os oradores foram unânimes em ressalvar a necessidade e oportunidade das obras, mas reagiram à escolha do local, dizendo que não precisa destruir o velho campo de aviação. Também criticaram a falta de transparência e de discussão com a comunidade de questão tão importante.

A mesa de trabalho, na qual teve assento o vice-prefeito Gerardo Júnior, listou as providências que a oposição tomará, como: pedido de investigação pelo Ministério Público, embargo das obras, denúncia à Agência Nacional da Aviação Civil e audiência pública para discutir alternativas de local das obras.

 

 

Ave misteriosa – 21.01.2014

Encantos da cauda do pavão!

 

Raimundo Marinho

Jornalista

A ave da foto acima pertence ao Dr. Luiz Soares Oliveira, criada na zona rural de Livramento de Nossa Senhora, Bahia. A imagem dispensa comentários. Trata-se de um pavão, dos gêneros pavo e afropavo, da família dos faisões. É tido como animal misterioso, cuja beleza chama logo a atenção. Alimenta-se, preferencialmente, de insetos e outros pequenos invertebrados, mas aceita, também, comida vegetal, como sementes, folhas e pétalas.

Segundo Dr. Luiz, o animal não apresenta qualquer comportamento especial, a não ser exibir a plumagem, abrindo a cauda de mais de metro, em forma de leque, sempre no mesmo local e horário, todos os dias, como no momento em que foi fotografado. É animal de origem selvagem, mas passou a ser criado em cativeiro, após o interesse pela exuberância de cores e beleza das penas. Consta que ele usa toda essa beleza para atrair a fêmea, no acasalamento.

 

Rei do Cavaquinho – 21.01.2014

Seu José, das quermesses
às festas da terceira idade!

 

Raimundo Marinho
Jornalista

O Senhor tem internet? - Heim!?

Facebook, o senhor tem? - Não estou entendendo o que é isso!
Começou assim a conversa com seu José Alves de Oliveira, o “Fofo”, como é chamado em família, 83 anos. Queríamos saber se teria como ver esta matéria.  Homem de conversa pura e muita fé em Deus. Soubemos que ele era o “Rei do Cavaquinho”. “O senhor é o Rei do Cavaquinho?”, perguntamos. “Não! Toco, mas não sou o rei, não!”, respondeu, humildemente.

Mora hoje numa casa simples e bem cuidada, bairro Estocada, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia. Nasceu no Morro dos Milagres, distrito de Itanajé, mas se criou no Monteiro. Foi para São Paulo aos 19 anos. “Lá era melhor para arrumar serviço”, justificou. Apanhou algodão, formou lavoura e colheu café. Na capital, trabalhou como metalúrgico. Morou dois anos no Paraná.

O cavaquinho entrou na sua vida “desde menino”, com o primo Bastião, hoje falecido, que o ensinou. Na verdade, ele tira duas ou três notas, mas suficientes para animar leilão de quermesses, casamentos e festas da terceira idade. “Em São Paulo, todas as festas que faziam eu ia”, revelou. Seu gênero é a toada sertaneja, de Tonico & Tinoco a Leonardo e Zezé de Camargo & Luciano.

Mãe sempre mãe, de Tonico & Tinoco, é a preferida. Ficou alegre quando pedimos para tocar. Logo, abraçou o cavaquinho e tascou: Meu pai quem é essa velha, que anda pela calçada/Servindo assim de chacota para toda a molecada/Coitada, parece mártir, sofrendo sem dizer nada/...Essa velha é tua mãe te deixou bem pequenino.

Tentou nos acompanhar em outra preferida sua – “Chico Mineiro”: Fizemo a última viagem, foi lá pro sertão de Goiás. Fui eu e o Chico Mineiro, também foi o capataz. Ele confessa que queria ter sido um artista, autor de modinhas. Famoso, quem sabe! Não foi, mas não desistiu do seu cavaquinho.

Seu José, o “Fofo”, é um dos 19 filhos de Pichite (Francisco Alves de Oliveira) e D. Antônia Adélia Alves Pereira. É viúvo de D. Maria do Livramento, falecida há nove anos. Teve os filhos Zé Maria, Sinval, Cássia, Kátia, Celma e Francisco.

É devoto da Aparecida e do Bom Jesus. “Tenho muita fé em Deus e sempre por onde andei nunca enfrentei contratempo”, afirma. Seu José, no alto dos seus 83 anos, é aluno da turma de dois estudantes do curso de alfabetização para adultos, no bairro onde mora, a Estocada, onde se tornou figura popular.

 

Adeus da multidão – 19.01.2014

O legado do Doutor Marilton

 

Raimundo Marinho

Jornalista

Morre o homem, fica o legado! O homem constrói esse legado! Dr. Marilton Tanajura Matias, falecido neste sábado, dia 18, deixou um legado que parecia impossível: o amor de uma multidão por um político. Esse é o sinal de esperança que ele nos deixa, a possibilidade de haver motivos para acreditar.

Foi comprovado pelas centenas de pessoas que lotaram as ruas e a igreja de São João Batista, na cidadezinha de Dom Basílio, sudoeste baiano, para a missa em sufrágio de sua alma, celebrada pelo bispo Dom Armando, auxiliado pelos padres Gonçalo e Rinaldo, da diocese de Nossa Senhora do Livramento.

O médico Marilton pode ter perdido a luta contra um câncer insidioso, na língua e garganta, mas ostentou a vitória de ver tanta gente comovida a lhe dizer adeus. Após o velório, pela manhã, em Livramento, a família fez questão de levar o corpo, à tarde, para a despedida dos dombasilenses.

Nas condolências aos familiares, especialmente à viúva Maria Ilza, aos pais e à filha Valenttina, Dom Armando destacou que ele foi um exemplo de dedicação e amor a Dom Basílio, desejando que essa sementinha lançada por ele, nesse curto período de gestão, seja seguida por todos os dombasilienses.

Foram mais de 12 horas de comoção, da notícia do falecimento, às 7h, até às 20h, quando o corpo do ex-prefeito baixou à sepultura, no cemitério de Livramento de Nossa Senhora, sua terra natal, onde centenas de pessoas se fizeram presentes. Uma moradora disse: “nunca vi um velório tão comovente”.  

Dr. Marilton, 46 anos, eleito prefeito em 2012, pelo PSD, tendo como vice o amigo João Dias Pereira (PMDB), governou por um ano, intercalado por licenças médicas. O vice-prefeito, seu sucessor, disse que ele fez três pedidos, mas só revelou um: “deixá-lo morrer sendo prefeito”. Foi atendido.

Veja mais fotos>>

 

Falecimento – 18.01.2014

D. Basílio e Livramento
perdem o Dr. Marilton


Faleceu nesta manhã o Dr. Marilton Tanajura Matias, 46 anos, prefeito da cidade de Dom Basílio, Bahia. Há mais de um ano ele vinha lutando contra um câncer na região da boca e garganta. Com muita garra, venceu a eleição municipal de 2012 e, mesmo doente, não desistiu, tomou posse e vinha conduzindo com sucesso a administração daquele município.

Mas, infelizmente, para tristeza dos conterrâneos de Livramento e da população de Dom Basílio, ele perdeu a luta contra a doença. Perdemos, assim, um grande amigo e o jovem político, dinâmico e progressista. O médico Marilton Matias era filho do vereador Marilho Matias, de Livramento de Nossa Senhora, com D. Marildes. Deixa viúva D. Maria Ilza, e a pequena Maria Vallentina. Ainda não há informações sobre horário e local do sepultamento.

 

Saúde – 17.01.2014

Médicas cubanas gostaram
do Brasil e de Livramento


As médicas cubanas Maurisleydis Pérez Pérez e Marta Sucel Ledea, que vieram para o Brasil através do programa Mais Médicos, já estão entrosadas na comunidade de Livramento de Nossa Senhora, Bahia. Disseram que foram muito bem acolhidas e que o sistema de saúde brasileiro é bem estruturado, faltando apenas levar o atendimento a todas as pessoas.

Drª Marta, no PSF da Barrinha

A Drª Marta não quis gravar entrevista, mas respondeu a algumas perguntas. Revelou que Livramento ultrapassou suas expectativas, que já fez trabalho semelhante em Cuba e outros países, como Gâmbia (África) e Venezuela. Disse que ainda faltam pontos adequados de atendimento em algumas localidades, mas o PSF (Posto de Saúde da Família) da Barrinha é satisfatório.

Além da Barrinha, ela atende em Patos e Rio Abaixo. Afirmou que os principais casos que chegam até ela são de hipertensão arterial, diabetes e viroses. E nos surpreendeu ao citar que há vários casos de hanseníase (lepra) na área em que ela atua, todos sob tratamento e total controle, segundo ela.

As médicas falam espanhol, mas se comunicam em português. Drª Maurisleydis é a que melhor fala o idioma. Ela atende em Arrecife, cerca de 50 quilômetros da sede municipal, incluindo Amoreira, Lagoa Daniel e Sítio Novo. Sempre sorridente, ela conversou conosco, em entrevista no estilo ping pong, falando da vinda para o Brasil e do trabalho em Livramento. (Clique aqui e leia).

Drª Maurisleydis, na entrevisa, no hotel

ENDEMIA DE HANSENÍASE

A secretária da Saúde, Dra. Efigênia de Fátima Cardoso, disse que ainda é cedo, pouco mais de 30 dias, para uma avaliação adequada, mas assegurou que o governo municipal está satisfeito com a estreia do Mais Médicos e que as médicas têm correspondido às expectativas da população e da administração.

Disse que uma das finalidades do programa, na chamada atenção básica da saúde, é a humanização do atendimento médico, que inclui orientações para mudança de hábitos, principalmente, alimentares, e do modo de viver do paciente, frisando que consulta e remédio só não resolvem.

Admitiu que a estrutura de atendimento requer ajustes, como o posto de Arrecife, o que espera fazer ainda neste semestre. Confirmou haver uma endemia de hanseníase na Barrinha e Patos, com 15 casos diagnosticados, mas as pessoas estão em tratamento, sem risco de novas contaminações.

 

Ainda o aeródromo – 16.01.2014

Reflexões a que nos leva
a eutanásia do aeródromo


Raimundo Marinho

Jornalista

A discussão envolvendo o aeródromo de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, ainda não se esgotou, mesmo o prefeito Paulo Azevedo tendo dito que a área pertence à prefeitura e que a Anac (Agência de Aviação Civil) teria cancelado o registro do equipamento.

O mérito das obras públicas divulgadas é indiscutível, mas poderiam ser em outro local, sem destruir bem público tão relevante, como acentua, com certa razão, o ex-prefeito Carlos Batista. Mas o atual prefeito nunca cogitou de outra área, embora isso fosse o óbvio.

Nesse ponto, os críticos têm razão, exceto Carlos Batista, que perdeu a autoridade, nesse sentido, pois nada fez, em oito anos, para melhorar ou conservar o local. Pior, quando necessitou usá-lo, preferiu o campo de Rio de Contas, de piores condições, como ele mesmo divulgou.

A justificativa que deu para isso, na Rádio 88 FM, no mínimo, o expõe ao ridículo, ao dizer que foi “por recomendação médica para evitar emoções e que fosse machucado pela população, ávida pelo seu retorno, pois vinha de uma recente intervenção cirúrgica no coração”.

Não menos tolas também podem ser consideradas as justificativas de Paulo Azevedo para construir uma UBS (Unidade Básica de Saúde) e uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) exatamente na cabeça do nosso velho “Campo de Aviação”, de mais de 50 anos.

Num surto de médico eutanásico, ao invés de recuperar o local, disse que o “aeroporto” estava abandonado e sem nenhuma condição de ser utilizado, pede sua desativação e baixa na Anac, “urgente”, sugerindo que seu uso poderia ser substituído pelo de Rio de Contas.

Está aí, dada por eles mesmos, a medida de nossos gestores, de visão administrativa simplória, grotesca, sem planejamento, nem zelo para com a res publica. Faz-nos lembrar dos engraçados “cega-olhos”. Insisto que deveríamos nos empenhar e lutar por um aeroporto regional, com rota comercial.

O ex-prefeito exibiu, também, certidões do cartório de imóveis, confirmando a aquisição recente de propriedades contiguas a área onde se realizam as obras públicas citadas, insinuando benefício a especuladores imobiliários ligados ao prefeito. Isso é muito grave!

Clique aqui para ver as certidões divulgadas pelo ex-prefeito>>

 

Ensino Médio – 11.01.2014

Concluintes - A direção do Colégio Estadual Edivaldo Machado Boaventura, de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, entregou certificados de conclusão do ensino médio a 42 alunos, em ato solene realizado, ontem à noite, no auditório do Centro Diocesano. Clique aqui para ler a matéria.

Relíquia perdida – 11.01.2014

Um dos cartões postais de
Livramento fica irrecuperável


Raimundo Marinho

Jornalista

O chamado “casarão dos Alcântara”, tido como um dos mais belos cartões-postais de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, está praticamente irrecuperável, devido ao descaso da administração municipal e o abandono pelos proprietários. Só as fachadas resistem intactas. Podia ter sido tombado, como patrimônio histórico, ou desapropriado para fins de preservação.

A relíquia é descrita em Livramento é de Nossa Senhora (Raimundo Marinho e Eduardo Lessa, 1995), capítulo “Edificações Históricas”, pág. 55, como Casa na praça da Bandeira, originalmente apelidada de “Casa Grande”, curiosa pelo formato ogival de sua porta e suas 10 janelas frontais e laterais. Possui características arquitetônicas de meados do século XIX, tendo pertencido inicialmente ao padre Tibério Severino Rio de Contas.

Clique aqui para ver mais fotos>>

 

Celeuma fabricada – 10.01.2014

Terreno do campo de pouso é
da prefeitura e obra continua


Raimundo Marinho

Jornalista

A celeuma criada em torno da reutilização do terreno, de 180 mil m², que serviu de aeródromo, em Livramento de Nossa Senhora, Bahia, foi fabricada por opositores do prefeito Paulo Azevedo, entre eles o ex-prefeito Carlos Batista, e alimentada irracionalmente por veículos de comunicação. O imóvel pertence ao município e a Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC) cancelou seu registro como “aeroporto”, não mais podendo receber aeronaves.

O argumento dos críticos foi de que a área seria de domínio da ANAC e o equipamento estava ativo e as obras da prefeitura para construção de unidade básica de saúde (UBS), poderiam trazer riscos às aeronaves. Mas o local estava abandonado e interditado há tempo, voos para Livramento pousavam na vizinha Rio de Contas, inclusive transportando o próprio Carlos Batista.

É lamentável, sem dúvida, que o município perca equipamento tão importante. Ao contrário, deveria ser rota de tráfego aéreo, como dissemos em matéria de 25.12.2012 (http://www.mandacarudaserra.com.br/arquivo/2012/dezembro.html), sugerindo a inclusão de Livramento em programa anunciado pela presidente Dilma Rousseff, para construção de 800 aeroportos em municípios de até 100 mil habitantes. O pedido poderia ser em nome da região.

Mas o prefeito Paulo Azevedo entendeu ser melhor aproveitar a área para outras finalidades e disse que vai construir lá, além da UBS, outros equipamentos para uso direto da população, como UPA (Unidade de Pronto Atendimento), praça da juventude, praça de esportes e centro administrativo, e cederá espaço ao estado para sede do Batalhão da Polícia Militar.

Do ponto de vista social, são projetos de grandes méritos e atenderá a uma das regiões mais pobres de Livramento, incluindo Benito Gama e Jurema, além do próprio Taquari, vítimas do descaso dos gestores municipais. Paulo Azevedo disse não temer criticas, pois elas “vêm de quem não fez nada e agora tenta impedir a atual gestão de trazer benefícios que a população precisa”.

Disse ter certeza de que vão acusá-lo de estar valorizando a área para atender especuladores imobiliários. “Tão dizendo até que familiares meus possuem terrenos na região, mas o que tenho a ver com isso? Não posso barrar o direito de ninguém, nem vou deixar de tocar as obras por causa das críticas mesquinhas dos arautos do quanto pior melhor”, frisou.

Educação – 08.01.2014

DIREC vai pedir sindicância
no Colégio João Vilas Boas


Raimundo Marinho

Jornalista

A coordenadora da DIREC 19 (unidade regional da Secretaria da Educação da Bahia), com sede em Brumado, Filomena Azevedo Leite, informou que vai pedir abertura de sindicância para apurar denúncias de agressões contra professores e explosão de uma bomba caseira no Colégio Estadual João Vilas Boas, em Livramento de Nossa Senhora. Disse que soube dos fatos através do “Desagravo à Professora Márcia”, veiculado neste site, dia 22.12.2013.

Afirmou que ficou chocada e convocou imediatamente uma reunião com diretores e professores da escola, que se realizou último dia 6, onde pode ouvir relatos ainda mais preocupantes sobre casos de indisciplina e agressões verbais de alunos contra os mestres. Questionou a direção do estabelecimento por não tê-la informado sobre ocorrências tão graves.

Acrescentou que tudo precisa ser apurado, pois além da função de educar e orientar os alunos é obrigação da escola defender os professores, em seu ambiente de trabalho. Lembrou ser necessário aplicar com rigor o regimento interno e fazer valer a noção de direitos e deveres para todos, devendo-se acabar com a ideia errada de que aluno não pode ser punido.

Sugeriu que professores e diretores se inteirassem do Estatuto da Criança e do Adolescente para ver que lá estão previstos proteção e direitos, mas também deveres dos menores. “Da mesma forma que têm direitos eles também têm deveres”, frisou. Mostrou-se igualmente preocupada com a explosão de uma bomba no Colégio, exigindo apuração do ato que destruiu bem público.

Para evitar propagação equivocada de que, pelo ECA, nada pode ser feito com o menor, ela apresentou minuciosa recomendação que recebeu da promotora de Justiça Lívia Sampaio Pereira, sobre como agir no caso de indisciplina e de ato infracional praticado por alunos menores de idade. Por fim, foi firme ao exigir respeito e defesa dos docentes contra qualquer ato delinquente.

Ficou clara a omissão da direção do Colégio João Vilas Boas diante das graves ocorrências, não fazendo as devidas comunicações à instância superior (DIREC 19) e nem os encaminhamentos ao Conselho Tutelar, Ministério Público, Juizado da Infância e da Juventude ou mesma à Delegacia de Polícia. Tudo ficou limitado a transferências de turno e ou de turma.

Vários docentes, entre eles vítimas de agressões, confirmaram os fatos denunciados, mostrando-se indignados e requerendo providências urgentes para resguardar a segurança dos educadores. Hipotecaram total solidariedade à professora Márcia Oliveira, única a tornar públicas as agressões sofridas, mas destacando que o fato não se restringe apenas à sua pessoa.

Algumas revelações chocaram, como: “a escola está formando delinquentes, ao invés de formar cidadãos”, “a gente tem medo”, “eu tenho medo de certos alunos aqui”. Foi citada frase emblemática de um aluno, que teria dito, exultante: “A gente perturbou tanto que a professora teve de deixar a turma”.

 

Folia de Reis – 06.01.2014

Hoje é dia dos Santos Reis,
uma tradição esquecida!


Pórtico dos Reis Magos (Natal-RN, foto copiada da Internet)

Raimundo Marinho

Jornalista

Na tradição cristã, hoje é o Dia de Reis, em que se comemora a visita dos três reis magos do Oriente: Melchior (Pérsia), Gaspar (Índia) e Baltazar (Arábia) ao Menino Jesus, recém-nascido, em Belém. É o dia, também, em que se encerra o período natalino, iniciado em 24 de dezembro, e são desmanchados os presépios, considerados réplicas do local onde Jesus nasceu.

A comemoração deu origem à “folia de reis” ou “reisados”, em que um grupo de pessoas, algumas caracterizadas de “Reis Magos”, anuncia, de porta em porta, o nascimento do Menino Jesus. A tradição, outrora comum na zona rural de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, parece que acabou por aqui.

No Brasil, onde chegou no século XVII, é considerada festa religiosa, mas em Portugal, onde teve origem, sua principal finalidade era divertir o povo. Perdemos as referências da sua realização em Livramento, onde havia cantadores talentosos, inclusive na execução de instrumentos como viola, violão, sanfona, reco-reco, chocalho, cavaquinho, triângulo e pandeiro.

 

Exonerações - 04.01.2014

Ginaldinho deixa Fazenda e
ocupa pasta da Administração


Raimundo Marinho

Jornalista

Confirmando o que antecipamos aqui, em primeira mão, dia 24.11.2013, o secretário da Fazenda da Prefeitura de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, Ginaldo Matias Luz, o Ginaldinho, foi exonerado, dia 31.12.2013, e assumiu a Secretaria da Administração e Planejamento, cujo então titular Emerson de Jesus Silva, deixou o governo municipal, a pedido.

Também foi exonerado o Controlador Geral Paulo Luiz Pinto Albuquerque, substituído por Maria Rosa Gomes da Silva. Para a Fazenda, foi nomeada Kallyne Aguiar Cordeiro, ex-chefe do Setor de Patrimônio. Todos os atos exoneratórios são de 31.12.2013 e as nomeações de 02.01.2014, conforme publicado no Diário Oficial Eletrônico do Município.

Foram ainda exonerados José de Araújo Machado Neto, da coordenação do Setor de Pessoal da Secretaria da Saúde; Maria de Fátima Rego Azevedo Burgos, da gerência do Serviço Social da Secretaria de Assistência Social (SEMAS); e Thais Teixeira Machado, da coordenação de Assuntos da Juventude e Terceira Idade, também da SEMAS.

No pedido de exoneração, em que teceu agradecimentos ao prefeito Paulo Azevedo, aos servidores e à comunidade de Livramento, Emerson de Jesus Silva esclareceu que os motivos que o levaram a pedir demissão foram estritamente pessoais. “Foi uma honra ter tido a oportunidade de trabalhar com pessoas tão empenhadas em dar o seu melhor em prol da administração local”, escreveu.

 

Flor de Novembro” – 03.01.2014

Uma semana de beleza e esplendor!

 

Raimundo Marinho

Jornalista

Ela chegou, assim, sem muito explicar, há alguns anos, no quintal de D. Maria, bairro Polivalente, em Livramento de Nossa Senhora. Depois, surgiu um nome qualquer para ela: “Flor de Novembro”. Seria pela coincidência de só desabrochar uma vez por ano, justo naquele mês. Mas, em 2013, veio um pouco atrasada, em dezembro, chegando ao esplendor neste início de janeiro de 2014. É um bom augúrio, neste ano da espiritualidade e da sensibilidade para com o meio ambiente! Viva a beleza da natureza de Deus!

Essa flor encantadora, cujas fotos dispensam explicação, é conhecida, também, como “Coroa Imperial” e “Estrela de Natal”. Mas, veja sua “ficha técnica” completa: Nome Científico: Scadoxus multiflorus. Sinonímia: Haemanthus multiflorus, Haemanthus tenuiflorus, Haemanthus katharinae. Nome Popular: Lírio-sangu-salmão, estrela-de-natal, coroa-imperial, diadema-real, flor de novembro. Família: Amaryllidaceae. Divisão: Angiospermae. Origem: África. Ciclo de Vida: Anual. A amarílis tem vida curta, em média uma semana!